Como anda o pacto? Implicações do programa Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa (PNAIC) na formação de professores alfabetizadores

Maikson Damasceno Fonseca Machado, Ana Lúcia Gomes da Silva

Resumo


O artigo apresentado é resultado parcial da pesquisa intitulada: “Como anda o Pacto? As implicações do Programa Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa (PNAIC) na formação de professores alfabetizadores. Tem como objetivo central identificar as implicações produzidas pelo Programa Pacto Nacional Pela Alfabetização na Idade Certa (PNAIC) na organização didática e pedagógica dos professores do Colégio Municipal Hildécio Antônio Meireles em Cairu/BA. A inspiração metodológica ancora-se nos estudos qualitativos (GIL, 2008), tendo como método a abordagem (auto)biográfica que toma as narrativas dos sujeitos como opção metodológica passível de  interpretação e reflexão (DUTRA, 2002; SOUZA; SOARES, 2008).Como dispositivos de pesquisa, utilizamos o questionário, a entrevista narrativa , o ateliê biográfico e a produção de Memorial de Formação. Como procedimento de análise dos dados, optamos pela análise de conteúdo, por objetivar descrever e interpretar conteúdos a fim de  que a reinterpretação do que foi dito, construa  novos sentidos e altere a realidade investigada. (BARDIN, 2016; MORAIS, 1999). Como pistas iniciais, o estudo nos permite afirmar as professoras alfabetizadoras têm redimensionado seus olhares sobre o PNAIC incorporado a formação à prática docente, num movimento de reflexão que nos permite perceber que o programa tem ofertado uma gama de conhecimentos que tem sido entendido e ressignificados como  necessários para gerir os processos de alfabetização.


Palavras-chave


Alfabetização e Letramento; Formação em Execício de Professores; PNAIC.

Texto completo:

PDF

Referências


ABRAHÃO, M. H. M. B. As narrativas de si ressignificadas pelo emprego do método autobiográfico. In: SOUZA, E. C. de; ABRAHÃO, M. H. M. B. (org.). Tempos, narrativas e ficções: a invenção de si. Porto Alegre: EDIPUCRS; Salvador: EDUNEB, 2006. p. 149-170.

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. 1. ed. São Paulo: Edições Setenta, 2016

BRANDÃO, V. M. T. Labirintos da memória: Quem sou? São Paulo: Ed. Paulus, 2008.

BRASIL, Secretaria de Educação Básica. Diretoria de Apoio à Gestão Educacional. Pacto nacional pela alfabetização na idade certa: formação de professores no pacto nacional pela alfabetização na idade certa / Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, Diretoria de Apoio à Gestão Educacional. Brasília: MEC, SEB, 2012.

CANDAU, V. M. F. Formação continuada de professores: tendências atuais. In: CANDAU, V. M. (Org.). Magistério: construção cotidiana. Petrópolis: Vozes, 1997, p.51-68.

DELORY-MOMBERGER, C. Biografia e educação: figuras do indivíduo-projeto. Natal: EDUFRN, São Paulo: PAULUS, 2008.

_______________________. Formação e socialização: os ateliês biográficos de projeto. Educação e Pesquisa, São Paulo, 2006, v 32, n. 2. p. 359-371. Disponível em: < http:// www.scielo.br/pdf/ep/v32n2/a11v32n2>. Acesso em 10 de jul. 2016.

_________________. Os desafios da pesquisa biográfica em educação. In. SOUZA, E. C. de. Memória, (auto)biografia e diversidade: questões de método e trabalho docente. Salvador: EDUFBA, 2011. p. 43-58.

DEWEY, J. Experiência e Educação. 3. ed. São Paulo, Companhia Editora Nacional,1979.

__________. Vida e educação. 8. ed. São Paulo: Melhoramentos, 1973.

DULTRA, E. A narrativa como uma técnica de pesquisa fenomenológica. Estudos de psicologia, v. 7, n. 2, 2002. p. 371-378. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/% 0D/eosic/ v7n2/a18v07n2.pdf>. Acesso em 12 de jul. de 2016.

FERREIRO, E; TEBEROSKY, A. Psicogênese da língua escrita. Porto Alegre: ArtMed, 2008;

FREIRE, P. A importância do ato de ler: em três artigos que se completam. 23. ed. São Paulo: Autores Associados: Cortes, 1989. (Coleção polêmicas de nosso tempo).

___________. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 43. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2011.

GARCIA, Carlos Marcelo. Formação de professores: para uma mudança educativa. Porto Editora: Portugal, 1999.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

GUERREIRO, C. Ceará o berço do Pacto. Educação, São Paulo, ano 17, n. 197, p. 72-74. maio de 2013. Disponível em: . Acesso em: 28 de março de 2016.

IMBERNÓN, F. Formação docente e profissional: forma-se para a mudança e a incerteza. 9. ed. São Paulo: Cortez, 2011. (Coleção, Questões da nossa época, v. 14)

JOSSO, Marie-Christine. Experiências de Vida e Formação. São Paulo: Cortez, 2004.

JOSSO, Marie-Christine. A imaginação e suas formas em ação nos relatos de vida e no trabalho biográfico: a perspectiva biográfica como suporte de conscientização das ficções verossímeis com valor heurístico que agem em nossas vidas. In. PERES, L. M. V; EGGERT, E. KUREK, D. L. (org.). Essas coisas do imaginário: diferentes abordagens sobre narrativas (auto)formadoras. São Leopoldo: Oikos; Brasília: Liber Livro, 2009. p. 118-143.

JOVCHELIVITCH, S; BAUER, M. W. Entrevista Narrativa. In: BAUER, M. W; GASKELL, G. Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. Petropolis, RJ: Vozes, 2002.

LE GOFF, J. História e Memória. Campinas: UNICAMP, 1994.

MARCUSCHI, L. A. Gêneros textuais: definição e funcionalidade. Dionízio, A. P et al. Gêneros Textuais e ensino. Rio de Janeiro: Lucerna, 2002. p. 19-36.

MORAES, R. Análise de conteúdo. Revista Educação, Porto Alegre, v. 22, n. 37, 1999.

MUYLAERT, C. J; SARUBBI JR., V; GALLO, P. R; ROLIN NETO, M. L; REIS, A. O. A. Entrevistas narrativas: um importante recurso em pesquisa qualitativa. Rev Esc Enferm USP; 48(Esp2):193-199, 2014.

NÓVOA, A. O processo histórico de profissionalização do professorado. In: NÓVOA. A. (Org.) Profissão professor. 2ed. Porto: Porto, 1995, p.13-34.

__________. Relação escola-sociedade: “novas respostas para um velho problema”. In: SERBINO, R. V.et al. (Org.). Formação de professores. São Paulo: Fundação editora da UNESP, 1998. p. 19-39.

PIMENTA, S. G. Professor reflexivo: construindo uma crítica. In: PIMENTA, S. G.; GHEDIN, E. (Orgs.). Professor reflexivo no Brasil: gênese e crítica de um conceito.6. ed. São Paulo: Cortez, 2010, p. 17-52.

POLLAK, M. Memoria, esquecimento e silêncio. Revista Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 2, n. 3, 1989, p. 3-15.Disponível em: . Acesso em: 20 set. 2016.

SACRISTÁN, J. G. Consciência e acção sobre a prática como libertação profissional dos professores. In: NÓVOA, A . (org.) Profissão Professor. 2.ed., Portugal: Porto, 1995.

SEVERINO, A. Joaquim. A filosofia contemporânea no Brasil: conhecimento, política e educação. RJ: Vozes, 1999.

SILVA, A. L. G. da; SÁ, Maria Roseli. MESTRADO PROFISSIONAL: cenários e singularidades em intervenções na educação. PLURAIS-Revista Multidisciplinar, v. 1, n. 1, 2016. p. 59-71. Disponível em:. Acesso em 12 jul. 2016.

SOUZA, E. C. de; SOARES, L. F. História de vida e abordagem (auto)biográfica: pesquisa, ensino e formação. In. BIANCHETTI, L; MEKSENAS, P. A trama do conhecimento: teoria, método e escrita em ciência e pesquisa. São Paulo: Papiros, 2008. p. 191- 203.

SOUZA, E. C. de. O conhecimento de si: Estágio e narrativas de formação de professores. Rio de Janeiro: DP&A; Salvador: UNEB, 2006.

TARDIF, M. Saberes docente e formação profissional. 17.ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.

VYGOTSKY, L. S. A construção do pensamento e da linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 2001.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

ISSN: 1983-3873