A modalidade Veridictória na articulação do suspense

Leliane Regina Ortega, Marcelo Nicomedes dos Reis Silva Filho, Antônio Carlos Santana Souza

Resumo


O suspense, como fio condutor de algumas narrativas, mobiliza a ansiedade do leitor e por meio da tensa espera prende sua atenção até o desfecho do enredo e a revelação do inesperado. A Semiótica francesa ou greimisiana oferece subsídios, em suas fases de aprofundamento do estudo do texto, para compreendermos como a modalização do ser, especialmente por meio da modalização veridictória do segredo, auxilia essa construção tão presente em novelas, filmes, romances e em diversos tipos de narrativas. Nosso objetivo nesse trabalho é revisitar alguns conceitos da Semiótica que nos ajudem a compreender a modalização veridictória, como modo de construção do suspense por meio da estrutura modal do não parecer/ser que subsidia a formação do segredo, responsável por aguçar e prender o interesse dos leitores por toda a narrativa. Para isso nos amparamos nos estudos de Greimas e Courtés (2011), Fontanille (2011), Barros (2005), Fiorin (2000) e Silva (2011). O texto literário possui particularidades quanto a organização da linguagem capazes de estimular até os leitores mais desinteressados, por isso, faz-se necessário estudar teorias que expliquem essa organização e nos ajudem a compreender as diferentes composições literárias. Como obra literária, nos apropriaremos de Pântano de sangue de Pedro Bandeira para exemplificar e refletir sobre os conceitos estudados.


Palavras-chave


Semiótica; Modalidade Veridictória; Suspense.

Texto completo:

PDF

Referências


BANDEIRA, Pedro. Pântano de sangue. 5. ed. São Paulo: Moderna, 2014.

BARROS, Diana Luz de. Teoria semiótica do texto. 4. ed. São Paulo: Editora Parma, 2005. Disponível em https://drive.google.com/file/d/0B2wn2mmgpSR8OUFpQmJxUzVJZWs/edit

BARTHES, R. S/Z. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1992. Disponível em http://monoskop.org/images/d/d6/Barthes_Roland_S-Z_2002.pdf

EAGLETON, Terry. Teoria da literatura: uma introdução. Tradução de Waltensir Dutra. 6. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

GREIMAS, A. J.; COURTÉS, J. Dicionário de semiótica. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2011.

FIORIN, José Luiz. Modalização: da língua ao discurso. Alfa, São Paulo, 2000. p. 171-192.

________. A crise da representação e o contrato de veridicção no romance. Revista do Gel. São José do Rio Preto, v. 5, n. 1, 2008, p. 197-218.

FONTANILLE, Jacques. Semiótica do discurso. Tradução: Jean Cristtus Portela. São Paulo: Contexto, 2011.

HOUAISS, Instituto Antônio. Houaiss eletrônico – versão monousuário 3.0. Rio de Janeiro: Objetiva, junho de 2009.

LIMOLI, Loredana. Atualização narrativa, paixão e suspense na telenovela. In: CORTINA, Arnaldo; SILVA, Fernando Moreno da (Orgs.). Semiótica e comunicação: estudo sobre textos sincréticos. Araraquara/SP: Cultura Acadêmica, 2014, p. 143-168.

LIMOLI, Loredana; TEIXEIRA, Lucia. O suspense nas frisadas da Avenida Brasil. CASA: Cadernos de Semiótica Aplicada, v. 12, n. 1, 2014, p. 101-136.

SILVA, Fernando Moreno da. MODALIZAÇÃO: teoria e aplicação. Revista Prolíngua – ISSN 1983-9979. Volume 2 Número 2 - Jul./Dez. de 2009. p.48-56.

SILVA, Odair José da. O suplício na espera dilatada: a construção do gênero suspense no cinema. Tese (Doutorado em Semiótica e Linguística Geral). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. São Paulo, 2011.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

ISSN: 1983-3873