A BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR: CONSIDERAÇÕES SOBRE O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA E OS MULTILETRAMENTOS

Denize Martins de Castro Soares, Ana Amelia Calazans da Rosa

Resumo


O objetivo geral deste trabalho foi a análise das novas diretrizes da Base Nacional Comum Curricular – BNCC (BRASIL, 2017, 3º versão) para o currículo do Ensino Fundamental Anos finais de Língua Portuguesa, no tocante às questões relativas a Multiletramentos e tecnologias digitais.  Primeiramente, fizemos um levantamento dos vocábulos relacionados ao campo semântico da Pedagogia dos Multiletramentos e do uso de tecnologias digitais em práticas educacionais. Na sequência, guiando-nos pela ocorrência e frequência dos termos, selecionamos excertos das seções relativas à disciplina de Língua Portuguesa para analisarmos os conceitos e discursos presentes sobre os temas multiletramentos, cultura digital, gêneros multissemióticos e diversidade cultural no ensino de português como língua materna. Os resultados mostraram que embora haja na BNCC muitas considerações semelhantes ao principal documento que a antecedeu (os PCN de 1998), as contribuições teórico-metodológicas procuram adequar o currículo brasileiro aos avanços recentes das tecnologias (digitais) de informação e comunicação. Diante das novas práticas, o documento não apenas considera a necessidade de “ampliação dos letramentos” (para usar os exatos termos da Base), como também as novas formas de produção, de participação, que contemplam os multiletramentos nas práticas escolares e que, no fim, tem potencial para ser a verdadeira inovação na escola, pois questionam os paradigmas das pedagogias tradicionais.

Palavras-chave


Ensino Fundamental; Língua Portuguesa; Multiletramentos

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, M. E. B.; SILVA, M. G. M. Currículo, Tecnologia e Cultura digital: Espaços e tempos de Web Currículo. Revista e-Curriculum, vol. 7, núm. 1, abril, 2011, pp. 1-19. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.

BRASIL. Base Nacional Curricular Comum. Ensino Fundamental. Ministério da Educação. Governo Federal. MEC, Brasília. 2017.

________. Ministério da educação/secretaria de Educação à distância. Projeto um computador por aluno (UCA): Princípios orientadores. Brasília: MEC, 2010.

BUZATO, M. Entre a fronteira e a periferia: linguagem e letramento na inclusão digital. 2007. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada) – Instituto de Estudos da Linguagem/Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2007.

CASTELLS, M. The network society: from knowledge to policy. In: CASTELLS, M.; CARDOSO, G. (Eds.). The network society: from knowledge to policy. Washington: Johns Hopkins Center for Transatlantic Relations, 2005.

De CONTI, D. Apropriações de tecnologia digital em sala de aula: resistência e identificação. Tese de doutorado. Universidade Estadual de Campinas – Campinas, SP: [s.n.], 2017.

KALANTZIS, M. COPE, B. Changing the role of schools. In: COPE, B.; KALANTZIS, M. (Eds.). Multiliteracies: literacy learning and the design of social futures. London: Routledge, 2000. Cap. 6.

KLEIMAN, Angela B. Modelos de letramento e as práticas de alfabetização na escola. In: KLEIMAN, Angela B. (org.) Os Significados do Letramento. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2008.

LEMKE, JAY L. Letramento metamidiático: transformando significados e mídias. Trab. Ling. Aplicada, Campinas, 49(2): 455-479, Jul./De 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0103-18132010000200009&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso 12/07/2018.

ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola Editorial, 2009.

______. Pedagogia dos Multiletramentos: Diversidade cultural e de linguagens na escola. São Paulo: Parábola Editorial, 2012. 264p.

______. Letramentos digitais – a leitura como réplica ativa. Trab. Ling. Aplicada. Campinas/SP, 46(1): 63-78, Jan/Jun, 2007. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8639443. Acesso: 10/06/2018.

_______. Gêneros discursivos do círculo de Bakhtin e multiletramentos. In: _______. (Org.). Escol@ conectada: os multiletramentos e as TICs. São Paulo: Parábola, 2013.

ROJO, Roxane; MOURA, Eduardo (orgs.). Multiletramentos na escola. São Paulo: Parábola Editorial, 2012. 264p.

ROSA, A. A. C. Novos Letramentos, Novas Práticas? Um estudo das apreciações de professores sobre Multiletramentos e Novos Letramentos na escola. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada) – Instituto de Estudos da Linguagem/Universidade Estadual de Campinas. Campinas/SP, 2016a. Disponível em: http://repositorio.unicamp.br/bitstream/REPOSIP/321259/1/Rosa_AnaAmelia CalazAnaAm_D.pdf. Acesso: 31/10/2017.

_______. Teachers’ education and professional development: Focus on Multiliteracies and Technologies. Ubiquitous Learning: An International Journal. Volume 9, Issue 3. Common Ground Publishing, 2016b.

SNYDER, I. Antes, agora, adiante: hipertexto, letramento e mudança. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-46982010000300013. Acesso: 10/06/2018.

TANZI NETO, A. Design de ambientes virtuais de aprendizagem e as contribuições da Pedagogia dos Multiletramentos, dos estudos Bakhtinianos e de Remidiação. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada) – Instituto de Estudos da Linguagem/Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2014.




DOI: https://doi.org/10.18554/rs.v7i2.3591

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




ISSN: 1983-3873