A infância clandestina em Clarice Lispector

Fabio Scorsolini-Comin

Resumo


O objetivo deste artigo é discutir os sentidos sobre a infância nos contos Felicidade clandestina e Cem anos de perdão, de Clarice Lispector. Nessas obras, por meio de duas protagonistas meninas, Clarice retoma a sua infância no Recife-PE. Ao seguir em seu processo de socialização e de constante aprendizagem, depara-se com as sanções sociais que lhe trazem as noções de certo-errado e de comportamento considerado adequado a uma criança. A partir desses contos, destaca-se a emergência de uma infância povoada por interditos que podem ser contornados pela ligação com a literatura, de modo que a fruição estética apresenta-se como fator protetivo diante de vivências que despertam a angústia, como a descoberta da perversidade da amiga, ou do prazer associado à transgressão marcada pelo roubo de rosas e pitangas. A infância clandestina em Clarice pode ser apreendida em enredos que envolvem o roubo e o erotismo vivenciados às escondidas, denunciando esta etapa como uma experiência que nem sempre pode ser revelada. A redenção das protagonistas, em ambos os contos, revela uma infância não apenas permeada pela fantasia, em que tudo é possível, mas também uma infância concreta e com reverberações no desenvolvimento da Clarice-menina e, posteriormente, da Clarice-mãe e da Clarice-escritora.

Palavras-chave


Infância; Desenvolvimento Infantil; Clarice Lispector.

Texto completo:

PDF

Referências


ALONSO, M. Ficções narcisistas e configurações nômades na narrativa moderna. Revista do SELL, Uberaba, v. 5, n. 2, p. 1-17, 2016.

BAKHTIN, M. M. Estética da criação verbal. (5ª ed. Trad. P. Bezerra). São Paulo: Martins Fontes, 2010.

BENGHOZI, P. Malhagem, filiação e afiliação – Psicanálise dos vínculos: Casal, família, grupo, instituição e campo social. (E. D. Galery, Trad.). São Paulo: Vetor, 2010.

DESSEN, M. A.; COSTA JÚNIOR, A. L. (Orgs.). A ciência do desenvolvimento humano: tendências atuais e perspectivas futuras. Porto Alegre: Artmed, 2008.

DINIS, N. F. Pedagogia e literatura: crianças e bichos na literatura infantil de Clarice Lispector. Educar, Curitiba, v. 21, p. 271-286, 2003.

FIGUEIREDO, L. C. M.; SANTI, P. L. R. Psicologia, uma nova introdução: uma visão histórica da psicologia como ciência. São Paulo: EDUC, 2002.

GOTLIB, N. B. Clarice: uma vida que se conta. (6ª ed. rev. aum.). São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2009 (a).

GOTLIB, N. B. Clarice fotobiografia. (2ª ed.). São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo e Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2009 (b).

LEITE, D. M. Psicologia e literatura. (5ª ed.). São Paulo: Editora Unesp, 2002.

LISPECTOR, C. Felicidade clandestina. Rio de Janeiro: Rocco, 1998.

LISPECTOR, C. A mulher que matou os peixes. Rio de Janeiro: Rocco, 1999 (a).

LISPECTOR, C. Quase de verdade. Rio de Janeiro: Rocco, 1999 (b).

LISPECTOR, C. Aprendendo a viver. Rio de Janeiro: Rocco, 2004.

LISPECTOR, C. O mistério do coelho pensante e outros contos. Rio de Janeiro: Rocco, 2010.

LISPECTOR, C. Todos os contos. Rio de Janeiro: Rocco, 2016.

MONTERO, T. Eu sou uma pergunta: uma biografia de Clarice Lispector. Rio de Janeiro: Rocco, 1999.

NASCIMENTO, C. G. V. O. Da construção da identidade feminina em contos de Clarice Lispector: uma análise semiótica. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em Linguística, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2003.

PIAGET, J. Le jugement moral chez l’enfant. Paris: PUF, 1992. (Original publicado em 1932).

PIAGET, J. Les relations entre l’affectivité et l’intelligence. Paris: Sorbonne, 1954.

POZENATO, J. C. Clarice Lispector: o olhar da mulher. Antares, v. 3, n. 1, p. 161-178, 2010.

ROGOFF, B. A natureza cultural do desenvolvimento humano. (R. C. Costa, Trad.). Porto Alegre: Artmed, 2005.

ROSE, N. Psicologia como uma ciência social. Psicologia & Sociedade, v. 20, n. 2, p. 155-164, 2008.

ROSSETTI-FERREIRA, M. C. A pesquisa na universidade e a educação da criança pequena. Cadernos de Pesquisa (Fundação Carlos Chagas), São Paulo, v. 67, n.4, p. 59-63, 1988.

SARMENTO, M. J.; MARCHI, R. C. Radicalização da infância na segunda modernidade: para uma sociologia da infância crítica. Configurações – Revista de Sociologia, v. 4, p. 1-24, 2008.

SCORSOLINI-COMIN, F.; SANTOS, M. A. Todos passam pela via crucis: a corporeidade em Clarice Lispector. Psicologia em Estudo, Maringá, v. 15, n. 3, p. 623-632, 2010.

SCORSOLINI-COMIN, F.; SILVA, A. A. “Por que só no fim do livro?”: revisitando a grupalidade com crianças. Revista da SPAGESP, Ribeirão Preto, v. 19, n. 2, p. 1-6, 2018 (a).

SCORSOLINI-COMIN, F.; SILVA, A. A. A mulher que salvou os peixes: Clarice Lispector e o universo infantil. Ribeirão Preto, SP: INEPAD, 2018 (b).

VIGOTSKI, L. S. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

WINNICOTT, D. W. A criança e o seu mundo. (Á. Cabral, trad., 6ª ed.). Rio de Janeiro: LTC, 2017.




DOI: https://doi.org/10.18554/rs.v8i2.3936

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

ISSN: 1983-3873