Linguagem e tecnologia na formação de professores de língua

Anair Valênia

Resumo


Este artigo discute questões relevantes acerca de ações de letramentos que podem fazer parte das práticas pedagógicas dos professores dos cursos de Letras, especialmente tendo em vista a formação docente para o ensino de língua materna. A discussão baseia-se nas teorias dos letramentos, sobre as quais empreendemos um curto percurso histórico, focando no início do desenvolvimento desses conceitos no Brasil (LEMLE, 1995; SMOLKA, 2003; SOARES, 2002, 2006), avançando para as proposições teóricas sobre os multiletramentos, conforme Kalantzis e Cope (2003,2006) e passando por questões referentes aos letramentos digitais (DUDENEY, HOCKLY, PEGRUM, 2016). Tomamos como objeto de análise uma proposta de Iniciação Científica desenvolvida por um aluno-pesquisador do curso de Letras, e apontamos, ao final, as principais conclusões que pudemos observar, tais como: a relevância da autonomia para a escrita de um gênero discursivo digital e a hibridização de elementos como interatividade e multissemioses, que acabaram se tornando constitutivos na obra produzida.


Palavras-chave


Multiletramentos; Hiperconto; Interatividade; Multissemiose

Texto completo:

PDF

Referências


BAKHTIN, M. M. Estética da criação verbal. Trad. de Paulo Bezerra. São Paulo: Martins Fontes, 2003 [1952-1953].

BHABHA, H. K. O local da cultura. Trad. de Myriam Ávila, Eliana Lourenço de Lima Reis, Gláucia Renate Gonçalves. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2013.

BRAGA, D. B.; RICARTE, I. L. M. Letramento e tecnologia. São Paulo/Campinas: Cefiel, 2005.

DIAS, A. V. M. Hipercontos multissemióticos: para a promoção dos multiletramentos. In: ROJO, R.; MOURA, E. Multiletramentos na escola. São Paulo: Parábola Editorial, 2012, p. 95-122.

DUDENEY, G.; HOCKLY, N.; PEGRUM, M. Letramentos digitais. São Paulo: Parábola Editorial, 2016.

GIDDENS, A. As consequências da modernidade. Trad. de Raul Fiker. São Paulo: Editora UNESP, 1991.

HAYLES, K. Literatura eletrônica: novos horizontes para o literário. São Paulo, Global Editora, 2009.

BRASIL. Universidade Federal de Goiás. Iniciação Científica. Goiânia: Pró-reitoria de Pesquisa e Inovação, 2015. Disponível em: https://www.ufg.br/n/85121-iniciacao-cientifica. Acesso em: 06 set. 2019.

KALANTZIS, M.; COPE, B. Changing the role of schools. In: COPE, B.; KALANTZIS, M. (Eds). Multiliteracies– Literacy Learning and the design of social futures. New York: Routledge, 2006, p. 121-148.

KALANTZIS, M.; COPE, B.; HARVEY. Assessing multiliteracies and the newbasics. Assessment in Education, 10(1), 2003.

KATO, M. No mundo da escrita: uma perspectiva psicolinguística. São Paulo: Ática, 1986.

LEMLE, M. Guia teórico do alfabetizador. São Paulo: Ática, 1995.

MOITA-LOPES, L. P.; ROJO, R. H. R. Linguagens, códigos e suas tecnologias. In: BRASIL/MEC/SEB/DPEM. Orientações curriculares de ensino médio. Brasília, DF: MEC/SEB/DPEM, 2004. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/02Linguagens.pdf. Acesso em: 03 set. 2019.

MYERS, J.; HAMMETT, R.; McKILLOP, A. M. Opportunities for critical literacy and pedagogy in student-authored hypermedia. In: REINKING, D. et al. Handbook of literacy and technology: transformations in a post-typographic world. New Jersey: Lawrence Erlbaum Associates, 1998, p. 63-78.

ROJO, R.; MOURA, E. Multiletramentos na escola. São Paulo: Parábola Editorial, 2012.

ROJO, R. H. R. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola Editorial, 2009.

ROJO, R. H. R. Gêneros do discurso e gêneros textuais: questões teóricas e aplicadas. In: MEURER, J. L.; ADAIR, B. MOTTA-ROTH, D. Gêneros: teoria, métodos, debates. São Paulo: Parábola Editorial, 2001, p. 184-207.

ROJO, R. H. R. Modos de transposição dos PCNs às práticas de sala de aula: progressão curricular e projetos. In: ROJO, R. H. R. A prática de linguagem em sala de aula: praticando os PCNs. Campinas: Mercado de Letras, 2000, p. 27-40.

SANTOS, T. C. dos; DIAS, A. V. M. O hiperconto digital como objeto de ensino de língua materna. In: 3º Congresso de Pesquisa, ensino, Extensão e Cultura – CONPEEX, 3º, 2017, Goiânia-GO. Anais do 3º Congresso de Pesquisa, ensino, Extensão e Cultura. Goiânia-GO, 2017, v. 02, p. 1294-1299. Disponível em https://iiiconpeex.catalao.ufg.br/up/957/o/mostra_prolicen.pdf?1508686015. Acesso em: 07 set. 2019.

SMOLKA, A. L. B. A criança na faze inicial da escrita: a alfabetização como processo discursivo. São Paulo: Cortez; Campinas: Editora da Universidade Estadual de Campinas, 2003 (Coleção passando a limpo).

SOARES, M. Letramento: um tema em três gêneros. Belo Horizonte: Autêntica, 2006.

SOARES, M. Novas práticas de leitura e escrita: letramento na cibercultura. Revista Educação e Sociedade, Campinas, v. 23, n. 81, 2002, p. 143-160.

SOUZA-SANTOS, B. de. Os processos da globalização. In: SOUZA-SANTOS, B. de (Org.). A globalização e as ciências sociais. São Paulo: Cortez, 2005, p. 25-102.

SOUZA-SANTOS, B. de. Poderá o direito ser emancipatório? Revista Crítica de Ciências Sociais, 65, maio de 2003, p. 3-76. Disponível em: http://www.boaventuradesousasantos.pt/media/pdfs/podera_o_direito_ser_emancipatorio_RCCS65.PDF. Acesso em: 06 set. 2019.

STREET, B. V. What’s “new” in new literacy studies? Critical approaches to literacy in theory and practice. Current Issues in Comparative Education, Columbia, v. 5, n. 2, p. 77-91, 2003. Disponível em: http://www.tc.columbia.edu/cice/Issues/05.02/52street.pdf. Acesso em: 02 set. 2019.

XAVIER, A. C. S. Letramento digital e ensino. 2009. Disponível em: http://www.ufpe.br/nehte/artigos/Letramento%20digital%20e%20ensino.pdf. Acesso em: 02 set. 2019.




DOI: https://doi.org/10.18554/rs.v8i2.4038

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

ISSN: 1983-3873