Etimologia ficcional contextual: o léxico indianista em Alencar à luz da linguística de corpus

Maria Virgínia Dias de Ávila, Ariel Novodvorski

Resumo


O presente artigo tem por objetivo apresentar uma parcela da pesquisa desenvolvida em nossa tese de Doutorado, cujo estudo teve como base o léxico indianista de José de Alencar em Iracema, O Guarani e Ubirajara. O recorte ora apresentado trata de uma análise na perspectiva da Etimologia Ficcional Contextual, conceito elaborado durante nossa pesquisa, que consiste na busca de origem dos vocábulos, a partir da interpretação no contexto de uso. Para o tratamento da Etimologia, utilizamos os pressupostos teóricos de Casares (1992) e de Viaro (2014). Para processamento do corpus, utilizamos o programa WordSmith Tools, 6.0 (SCOTT, 2012). Para a análise etimológica, recorremos também ao Corpus do Português (DAVIES, 2016) e a dicionários de consulta e exclusão. Verificamos que Alencar cria étimos em seus romances com o objetivo de nomear, conforme seus desejos literários e linguísticos. Consideramos que Alencar contribuiu, sobremaneira, para a formação da língua portuguesa brasileira, como, por exemplo, o nome Moacir, que foi criado pelo autor, conforme corroboramos em nossa pesquisa, e tem seu uso expandido na língua portuguesa. Alencar estabelece a Etimologia Ficcional Contextual em razão do desejo de aproximar o significado dos vocábulos ao elemento nomeado, ou seja, para atender aos propósitos literários e linguísticos.

 


Palavras-chave


Etimologia Ficcional Contextual; Indianismo em Alencar; Linguística de Corpus; Étimos indianistas.

Texto completo:

PDF

Referências


AIRES DE CASAL, M. 1754?-1821?. Corografia brasílica ou Relação histórico-geográfica do Reino do Brasil. Belo Horizonte: Ed. Itatiaia, 1976.

AIRES DE CASAL, M. Corografia Brasílica. Tomo 1. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1945.

ALENCAR, J. Iracema. Ed. do centenário. Rio de Janeiro: Livraria José Olympio, 1965.

ALENCAR, J. O Guarani. Tomo 1º. Rio de Janeiro: Livraria José Olympio, 1951.

ALENCAR, J. O Guarani. Tomo 2º. Rio de Janeiro: Libraria José Olympio, 1951.

ALENCAR, J. Ubirajara. Rio de Janeiro: Edições de Ouro. s/d.

BLUTEAU, R. Vocabulario Portuguez & Latino. Coimbra: Collegio das Artes da Companhia de Jesus, 1712-1728.

CASARES, J. Introducción a la Lexicografía moderna. 3 ed. Madrid: Raycar, 1992.

DAVIES, M. Corpus do Português. 2016. Disponível em: www.corpusdoportugues.org. Acesso em: 18 out. 2019.

DUBOIS, J. et al. Dicionário de Linguística. 14 ed. São Paulo: Cultrix, 2007.

GONÇALVES DIAS. A. Dicionário da língua Tupy. Lipsia: F. A. Brockhaus, 1858.

HOUAISS, A. Dicionário eletrônico Houaiss da língua portuguesa. Versão 3.0, 2009.

NAVARRO, E. A. Dicionário de tupi antigo: a língua indígena clássica do Brasil. São Paulo: Global, 2013.

PINTO, L. M. S. Dicionário da Lingua Brasileira. Ouro Preto: Typographia de Siva, 1832.

SILVA, A, M. Diccionario da Lingua Portugueza. Lisboa: Officina de Simão Thaddeo Ferreira, 1789.

VARNHAGEM. F. A. História Geral do Brasil. 1816-1878. 10 ed. Belo Horizonte: Ed. Itatiaia; São Paulo: Ed. Universidade de São Paulo, 1981.

VIARO, M. E. Etimologia. São Paulo: Contexto, 2014.




DOI: https://doi.org/10.18554/rs.v9i1.4090

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

ISSN: 1983-3873