Toponímia em libras: Análise da origem motivacional em sinais toponímicos do Estado de Goiás

Kássia Mariano de Souza, Ariel Novodvorski

Resumo


A Libras é um sistema linguístico reconhecido e os estudos sobre sua estrutura vêm tomando grande proporção nas pesquisas brasileiras. Temos observado que teorias desenvolvidas para as línguas orais têm sido aplicadas às línguas de sinais, possibilitando os estudos que, até pouco tempo ainda não haviam ganhado abordagem científica e acadêmica. Nesse sentido, a pesquisa desenvolvida diz respeito à apreensão, registro e análise de alguns topônimos do estado de Goiás. A Toponímia é o campo da Linguística responsável por estudos referentes aos nomes de lugares como municípios, cidades, vilas, estados etc.  Sendo a Libras um sistema linguístico disponível à comunidade surda brasileira, cabe indagar a respeito do modo como ocorre a nomeação dos espaços geográficos. Melo (2017) assevera que os nomes de lugares remetem à motivação do ser humano, logo, é a partir do estudo do signo toponímico que podemos compreender o reflexo cultural presente na ação de nomear os espaços geográficos. O foco deste estudo centra-se na relação intrínseca entre língua, léxico e cultura por meio da análise dos sinais toponímicos de Caldas Novas, Catalão, Morrinhos, Goiânia e Três Ranchos, de acordo com as taxionomias toponímicas de Dick (1990), que instrui sobre a origem motivacional de um léxico toponímico.


Palavras-chave


Libras; Toponímia; Origem motivacional

Texto completo:

PDF

Referências


BARBOSA, Maria Aparecida. Lexicologia, Lexicografia, Terminologia e Terminografia: identidade científica, objeto, métodos, campos de atuação. In: II SIMPÓSIO LATINO-AMERICANO DE TERMINOLOGIA. I ENCONTRO BRASILEIRO DE TERMINOLOGIA TECNO-CIENTÍFICA. Anais… Curitiba: IBICT, 1992.

BARROS. Mariângela Estelita. ELiS: sistema brasileiro de escrita das línguas de sinais. Porto Alegre: Penso, 2015.

BIDERMAN, Maria Tereza Camargo. Teoria linguística: teoria lexical e linguística computacional. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

BIDERMAN, Maria Tereza Camargo. Glossário. Alfa, São Paulo, 28 (supl.), p. 135-144, 1984.

BOSI, Alfredo. Cultura brasileira e culturas brasileiras: do singular ao plural. In: BOSI, Alfredo. Dialética da colonização. São Paulo: Companhia das Letras, 1992. p. 308-345.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Lei Nº. 10.436, de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – LIBRAS e dá outras providências. Disponível em: . Acesso em: 09 abr. 2017.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Lei Nº. 10.436, de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – LIBRAS e dá outras providências. Disponível em: . Acesso em: 09 abr. 2018.

BRITO, Lucinda Ferreira. Por uma Gramática de Língua de Sinais. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1995.

CAVALCANTE, Lynara Raquel; ANDRADE, Karylleila dos Santos. A motivação toponímica dos nomes dos municípios localizados à margem da BR Belém Brasília. UFT, 2009. p. 2642-2649.

DE PAULA, Maria Helena. Rastros de velhos falares: léxico e cultura no vernáculo catalano. 2007. 521p. Tese (Doutorado em Lingüística e Língua Portuguesa) – Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. Araraquara. 2007.

DICK, Maria Vicentina de Paula. Toponímia e Antroponímia no Brasil. Coletânea de Estudos. São Paulo, FFLCH/USP, 1990.

FIORIN, José Luiz (Org.) Linguística? Que é isso?. São Paulo: Contexto, 2013.

FRYDRYCH, Laura Amaral Kümmel. Rediscutindo as noções de arbitrariedade e iconicidade: implicações para o estatuto linguístico das línguas de sinais. ReVEL, v. 10, n. 19, p. 281-294, 2012.

GESSER, Audrei. Libras? Que língua é essa?: Crenças e preconceitos em torno da língua de sinais e da realidade surda. São Paulo: Parábola Editorial, 2009.

MELO, Pedro Antônio Gomes de. Léxico toponímico: alguns pontos de intersecções linguístico-culturais na toponímia municipal alagoana. Entrepalavras, Fortaleza, v. 7, p. 123-140, jan./jun. 2017.Disponivel em: . Acesso em 08 ago. 2018.

AUTOR.

SAUSSURE, Ferdinand de. Curso de linguística geral. São Paulo: Cultrix, 2008.

SOUZA JUNIOR, José Ednilson Gomes de. Nomeação de lugares na língua de sinais brasileira: uma perspectiva de toponímia por sinais. Dissertação (Mestrado em Linguística) Departamento de Linguística, Universidade de Brasília, Brasília, 2012.

STROBEL, Karin; FERNANDES, Sueli. Aspectos linguísticos da língua brasileira de sinais. Curitiba: SEED/SUED/DEE, 1998.

STOKOE, Willian. Sign and Culture: A Reader for Students of American Sign Language. Listok Press, Silver Spring, MD, 1960.

TAVARES, Marineide Cassuci; ISQUERDO, Aparecida Negri. A Questão da Estrutura Morfológica dos Topônimos: Um Estudo na Toponímia Sul-Mato Grossense. SIGNUM: Estud. Ling., Londrina, n. 9/2, p. 273-288, dez. 2006.




DOI: https://doi.org/10.18554/rs.v9i1.4106

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

ISSN: 1983-3873