A clausura feminina em A corda de prata, de Lúcio Cardoso, e Mathilda, de Mary Shelley

Leonardo Ramos Botelho Gomes, Fernando de Barros Monteiro Junior

Resumo


O presente trabalho propõe uma análise gótica do texto dramático A corda de prata (1947), do escritor mineiro Lúcio Cardoso, no qual problematiza-se a família burguesa, a condição da mulher no espaço doméstico e a desintegração da mesma neste ambiente repressor, cujo resultado culminará em loucura e crime. Compreendendo e realçando a clausura como espaço de manifestação vampírica, pretende-se apontar o vampirismo sofrido pela personagem feminina como condição viável ao rompimento com uma dada repressão social. Ao mesmo tempo, estabelece-se um diálogo com a novela Mathilda (1820), da escritora inglesa Mary Shelley, a fim de identificar similaridades temáticas e de composição de personagens e espaços da tradição literária gótica inglesa que figurarão, a seu modo, no texto cardosiano. A fim de embasar as questões elencadas, recorre-se às considerações de Maria da Conceição Monteiro, bem como às de Jaime Ginzburg com relação à violência, Christopher Lasch no que tange a domesticidade burguesa, e a Claude Lecouteux e Mario Praz acerca de questões ligadas ao gótico e ao mito vampírico.

Palavras-chave


Gótico; Vampirismo; Lúcio Cardoso; Mary Shelley

Texto completo:

PDF

Referências


ARGEL, Martha; NETO, Humberto Moura. O vampiro antes do Drácula/ organização, comentários e tradução. São Paulo: Aleph, 2008.

BATAILLE, Georges. A literatura e o mal. Trad. Suely Bastos. Porto Alegre: L&PM, 1989.

BOTTING, Fred. Gothic. The New Critical Idiom, London/New York: Routledge, 1996.

CARDOSO, Lúcio. Teatro reunido/Lúcio Cardoso. Curitiba: Ed. UFPR, 2006.

CHEVALIER, Jean. Dicionário de símbolos: (mitos, sonhos, costumes, gestos, formas, figuras, cores, números) / Jean Chevalier, Alain Gheerbrant, com a colaboração de: André Barbault... [et al]; coordenação Carlos Sussekind; trad. Vera da Costa e Silva... [et al]. 10ª ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 1996.

FRANÇA, Júlio. As nuances do gótico: do setecentos à atualidade/ Júlio França, Luciana Colucci. Rio de Janeiro: Bonecker, 2017.

GAY, Peter. A experiência burguesa da rainha Vitória a Freud: a educação dos sentidos. Trad. Per Salter. São Paulo: Companhia das Letras, 1988.

GINZBURG, Jaime. Literatura, violência e melancolia / Jaime Ginzburg. Campinas, SP: Autores Associados, 2012 (Coleção ensaios e letras).

LASCH, Christopher. A mulher e a vida cotidiana: amor, casamento e feminismo. Org. Elisabeth Lash-quinn; trad. Heloísa Martins Costa. Rio de Janeiro: Civilização brasileira, 1999.

LECOUTEUX, Claude. História dos vampiros: autópsia de um mito. Trad. Álvaro Lorencini. São Paulo: Editora UNESP, 2005.

MONTEIRO, Maria Conceição. Na aurora da modernidade: a ascensão dos romances gótico e cortês na literatura inglesa. Rio de Janeiro: Caetés, 2004.

PRAZ, Mario. A carne, a morte e o diabo na literatura romântica. Trad. Philadelpho Meneses. Campinas: Editora UNICAMP, 1996.

SÁ, Daniel Serravalle de. Gótico tropical: o sublime e o demoníaco em O guarani. Salvador: EDUFBA, 2010.

SHELLEY, MARY. Mathilda. Trad. Bruno Gambarotto. São Paulo: Grua Livros, 2015.

STOKER. Bram. Drácula. Trad. Adriana Lisboa. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2011.

VASCONCELOS, Sandra Guardini. Apresentação in. MONTEIRO, Maria Conceição. Na aurora da modernidade: a ascensão dos romances gótico e cortês na literatura inglesa. Rio de Janeiro: Caetés, 2004.




DOI: https://doi.org/10.18554/rs.v9i2.4110

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

ISSN: 1983-3873