Noções sociolinguísticas na educação básica a partir da Turma do Xaxado: contribuições a um ensino significativo da língua portuguesa

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18554/rs.v10i1.5462

Palavras-chave:

Ensino de Língua Portuguesa, Turma do Xaxado, Sociolinguística Educacional, Preconceito Linguístico.

Resumo

 Muitos falantes brasileiros acreditam que língua e gramática podem ser tratadas de maneira sinônima. Isso porque, por um longo tempo, a escola focou o ensino da língua portuguesa a partir das prescrições da gramática normativa. Entretanto, há pelo menos duas décadas, documentos advindos do governo federal - Parâmetros Curriculares Nacionais (BRASIL, 1998) e a Base Nacional Comum Curricular (BRASIL, 2017) - orientam o ensino de língua portuguesa a partir de seus usos. Nesses documentos, a presença das contribuições da Sociolinguística a tal ensino é inegável e, em sintonia com tais orientações, elaborar propostas didáticas que possam estimular a reflexão acerca da língua em situações reais de uso, possibilitando aos alunos condições de (re)conhecê-la em toda sua heterogeneidade, evitando, assim, atitudes linguísticas equivocadas que colaboram para a disseminação do preconceito linguístico, mostra-se como algo imperativo no cenário brasileiro de ensino. Nesse sentido, a fim de contribuir com o atendimento dessa demanda, elaboramos uma proposta didática composta por atividades didáticas voltadas a alunos dos anos finais do ensino fundamental II, a partir de alguns exemplares de tiras da Turma do Xaxado. Com relação aos procedimentos metodológicos, orientamo-nos pela pesquisa-ação (THIOLENT, 1986) e, na análise dos dados, pautamo-nos na pesquisa qualitativa. Embasamo-nos em referenciais sociolinguísticos, tais como Bortoni-Ricardo (2005), Faraco (2008), Bagno (2007, 2013, 2014), Scherre (2008) e Silva (2006). Por fim, cabe destacar que ao longo da aplicação das atividades, observamos que os alunos passaram a compreender o fenômeno da variação linguística, reconhecendo o imprescindível respeito às diversidades linguística e cultural brasileiras.

Biografia do Autor

Gilberto Antonio Peres, Escola Estadual "Irmãos Guimarães" - SEEMG

Mestre em Letras pelo Programa de Pós-Graduação Mestrado Profissional em Letras da Universidade Federal de Uberlândia-MG (2018). Possui graduação em Letras Português/Inglês (1990) pela Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Patrocínio – MG, atual UNICERP. Professor de Língua Portuguesa da rede pública da  SEEMG, atuando nos anos finais do ensino fundamental e no ensino médio.

Talita de Cássia Marine, Universidade Federal de Uberlândia (UFU)

Possui pós-doutorado na área de Linguística Aplicada pelo Programa de Pós-graduação em Letras:ensino de língua e literatura da Universidade Federal do Tocantins (UFT). Realizou mestrado e doutorado em Linguística e Língua Portuguesa na UNESP/Araraquara com estágio PDEE na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa (FLUL) e no Centro de Linguística da mesma universidade (CLUL). Atualmente é professora associada nível I do Instituto de Letras e Linguísticada Universidade Federal de Uberlândia, atuando também no Programa de Pós-graduação Mestrado Profissional em Letras (PROFLETRAS-UFU) como membro permanente.

Referências

ALVES, R.; BRUGNEROTTO, T. Vontade de saber Português, 6º ano. São Paulo: FTD, 2012.

ARAÚJO, A. A.; PEREIRA, M. L. S. Variação linguística em livro didático do ensino fundamental: propostas e tratamento. Revista Letrônica, . vol.10, n. 1, Porto Alegre, 2017, 350-360. Disponível em: <https://revistaseletronicas.pucrs.br/index.php/letronica/issue/view/1045>. Acesso em 25.mar. 2021.

BAGNO, M. Nada na língua é por acaso: por uma pedagogia da variação linguística. São Paulo: Parábola Editorial, 2007.

BAGNO, M. Preconceito linguístico: o que é, como se faz. 55 ed. São Paulo: Edições Loyola, 2013.

BAGNO, M. Pesquisa na escola: o que é, como se faz. 26. Ed. São Paulo: Edições Loyola, 2014.

BARROSO, B. L. A. Minha língua na escola: A sociolinguística educacional como ferramenta para um ensino de LP inclusivo. In: CYRANKA, L. F. M.; BARROSO, T. (orgs.) A pedagogia da variação linguística na escola: experiências bem-sucedidas. Londrina: Eduel, 2018, p.33-47.

BORTONI-RICARDO, S. M. Nós cheguemu na escola, e agora? Sociolinguística e Educação. São Paulo: Parábola Editorial, 2005.

BORTONI-RICARDO, S. M. O professor pesquisador: introdução à pesquisa qualitativa. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.

BRASIL – Secretaria de Educação Fundamental – Parâmetros curriculares nacionais: terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental: língua portuguesa / Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, l998.

BRASIL, SEB/MEC. Base Nacional Comum Curricular. Brasília, DF, SEB/MEC, 2017.

CEDRAZ, A. L. R. Xaxado ano 1. Salvador: Editora e Estúdio Cedraz, 2003.

CEDRAZ, A. L. R. A Turma do Xaxado – volume 2. Salvador: Editora e Estúdio Cedraz, 2006.

CEDRAZ, A. L. R. A Turma do Xaxado – volumes 1 e 2. 3.ed. Fortaleza: Editora IMEPH, 2010.

CEDRAZ, A. L. R. 1000 tiras em quadrinhos. São Paulo: Martin Claret, 2012.

COELHO, I. L. et al. Para conhecer sociolinguística. São Paulo: Contexto, 2015.

CYRANKA, L. Sociolinguística aplicada à educação. In: MOLLICA, M. C.; JUNIOR, C. F.(orgs.) Sociolinguística, sociolinguísticas: uma introdução. São Paulo: Editora Contexto, 2016, p.167-176.

DANTAS, S. A.; MARINE, T. C. O espaço da oralidade no ensino de língua portuguesa: possibilidades e desafios com o relato pessoal. In: MAGALHÃES, T.; CRISTOVÃO,V. (orgs.) Oralidade e ensino de Língua Portuguesa. Campinas, SP: Pontes, 2018, p. 39-74.

FARACO, C. A. Norma culta brasileira: desatando alguns nós. 2. ed. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.

FARACO, C. A.; ZILLES, A. M. Pedagogia da variação linguística: língua, diversidade e ensino. São Paulo: Parábola Editorial, 2015.

FARACO, C. A.; ZILLES, A. M. Para conhecer norma linguística. São Paulo: Contexto, 2017.

LEITE, M. L. Preconceito e intolerância na linguagem. São Paulo: Livraria Saraiva, 2012.

LIMA, R. J. Variação linguística e os livros didáticos de português. In: MARTINS, M. A.; VIEIRA, S. R.; TAVARES, M. A. (orgs.) Ensino de português e Sociolinguística. São Paulo: Contexto, 2016, p.115-131.

MARTINS, M. A.; VIEIRA, S. R.; TAVARES, M. A. Contribuições da Sociolinguística brasileira para o ensino de português. In: MARTINS, M. A.; VIEIRA, S. R.; TAVARES, M. A. (orgs.) Ensino de português e Sociolinguística. São Paulo: Contexto, 2016, p.9-35.

PERES, G. A. Uma proposta de trabalho com o gênero discursivo tiras: enfoque nas questões sociais e culturais. Dissertação (Mestrado Profissional em Letras). Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, MG, 2018.

POSSENTI, A. Por que (não) ensinar gramática na escola. 2. ed. Campinas: Mercado de Letras, 2012.

SCHERRE, M. M.P. Doa-se lindos filhotes de poodle: variação linguística, mídia e preconceito. 2. ed. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.

SILVA, R. V. M. O português são dois: novas fronteiras, velhos problemas. 2. ed. São Paulo: Parábola Editorial, 2006.

Downloads

Publicado

2021-07-22