A MONITORIA DISCENTE COMO UMA OPORTUNIDADE DE APRENDIZAGEM

Lucas de Souza Ortolan, Matheus Pena Passos, Vera Lucia Bonfim Tiburzio

Resumo


A monitoria na graduação é uma ferramenta que potencializa o ensino e aprendizagem por meio de atividades pedagógicas que viabilizam a troca de saberes e experiências entre docente, monitor e alunos, além de inserir o monitor em discussões relacionadas ao currículo da disciplina. A presente pesquisa tem como objetivo analisar as estratégias didáticas utilizadas nas monitorias das disciplinas de “Química para Biólogos” e “Princípios Químicos e Bioquímicos” do curso de Licenciatura em Ciências Biológicas da Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM), relacionando-as ao desempenho dos alunos e atuação dos monitores no planejamento e realização de atividades e discussões. O Facebook® foi utilizado como plataforma de ensino por meio da divulgação de um grupo fechado para a monitoria de cada disciplina. Outra metodologia de importância diz respeito à aplicação de questionário avaliativo para os participantes das monitorias, propiciando inserção dos alunos na organização de sessões de monitorias e da disciplina. Através das análises dos dados obtidos, verificou-se que a utilização do Facebook® corroborou positivamente para o desenvolvimento das monitorias, com a motivação de interação entre alunos e monitor, além do compartilhamento de material para estudo e discussão de assuntos correlatos à disciplina. As participações às monitorias foram observadas como mais assíduas em momentos que precediam as avaliações, o que sinaliza para a necessidade de maior engajamento dos alunos em um aprendizado mais constante e significativo.


Palavras-chave


monitoria; percepções do monitor; ensino de Química; ensino de Bioquímica; Facebook® como plataforma de ensino-aprendizagem.

Texto completo:

PDF

Referências


BEDÊ, Pedro Vale; ARAGÃO, Luciana Passos. O Facebook® como ferramenta de ensino em um programa de monitoria. Revista de Saúde Digital e Tecnologias Educacionais. Fortaleza, v. 2, n. 4, p. 60-67, 2017. Disponível em: .

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução nº 7 de 28 de março de 2016 do Conselho Universitário da UFTM. Uberaba, p. 1-7, 2016. Disponível em: .

BRASIL. Ministério da Educação. Monitoria: Apresentação. Disponível em: . Acesso em: mar. 2019.

CAVASSANI, Thiago Bernardo; ANDRADE, Joana Jesus. Dos Círculos de Cultura aos Grupos Virtuais: Efeitos das redes sociais no ensino superior. 6º Simpósio Internacional em Educação e Comunicação. Aracajú, p. 7-12, 2015. Disponível em: .

COELHO, Luana; PISONI, Sileno. Vygotsky: sua teoria e a influência na educação. Revista Modelos–FACOS/CNEC. Osório, v. 2, n. 2, p. 144-152, 2012. Disponível em: .

DOS SANTOS CALIXTO, Ana Verônica; MANEIRA, Simone. Corresponsabilidade na construção do conhecimento: inversão do protagonismo na educação. Revista de Estudios e Investigación en Psicología y Educación. Corunha, v. extr, n. 13, p. 38-42, 2015. Disponível em: .

KNOBEL, Michele; LANKSHEAR, Colin. Memes and affinities: Cultural replication and literacy education. Annual NRC. Miami, v. 30, p. 1-22, 2005. Disponível em: .

KNOBEL, Michele; LANKSHEAR, Colin (Ed.). A new literacies sampler. Nova Iorque: Peter Lang, 2007.

MIZUKAMI, Maria da Graça Nicoletti. Ensino: as abordagens do processo. São Paulo: Editora Pedagógica e Universitária, 1986.

NEVES, Rita de Araújo; DAMIANI, Magda Floriani. Vygotsky e as teorias da aprendizagem. UNIrevista. São Leopoldo, v. 1, n. 2, p. 1-10, 2006. Disponível em: .

NÓVOA, António (Org.). Os professores e a sua formação. Lisboa: Dom Quixote, 1992.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.