Marcas de textualidade e referenciação em textos escritos por alunos de uma turma inclusiva

Luzia Rosa de Souza

Resumo


Atualmente o que se apregoa na esfera educacional é de que todas as escolas devem ser inclusivas, a fim de se ter um ensino justo e igualitário. No entanto, o que se percebe é que há um discurso velado no âmbito escolar que pressupõe que pessoas com deficiência intelectual não conseguem desenvolver a mesma habilidade escrita que os alunos sem deficiência. Isto implica numa inclusão excludente entre as quatro paredes de uma sala de aula. Diante do exposto, este artigo investiga por meio de análise textual se de fato existe uma diferenciação alargada em relação ao processo comunicativo na escrita dos alunos em turmas inclusivas nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental. O corpus é composto por textos de alunos com deficiência intelectual e sem deficiência. As análises partem do princípio do que é um “bom texto” para Antunes (2011) dentro da perspectiva sociocomunicativa e das teorias bakhtiniana de que o processo comunicativo emerge de uma relação dialógica. Após as análises, segue-se a proposição de um plano interventivo com atividades voltadas para a resolução dos problemas encontrados nos textos analisados. Cabe ressaltar que o foco é a dimensão discursiva e os aspectos de textualidade, ou seja, se o texto cumpre seu papel comunicativo de interação social.


Palavras-chave


Análise Textual; Alunos com Deficiência; Textualidade

Texto completo:

PDF

Referências


ANTUNES, Irandé. Análises de textos: fundamentos e práticas. São Paulo: Parábola, 2011.

BAKHTIN, M. “Os Gêneros do discurso”. In: Estética da Criação Verbal. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Língua Portuguesa: Ensino de primeira à quarta série. Brasília: MEC/ SEF,1997.

CIULLA, Alena. Categorização e referência: uma abordagem discursiva. Cadernos de Estudos Linguísticos (UNICAMP). Campinas, 2014.

FAIRCHILD, Thomas Massao. Velas que não iluminam: texto, gênero e a invenção do professor genérico. In: RIOLFI, Cláudia; BARZOTTO, Valdir Heitor. Sem choro nem vela: cartas aos professores que ainda vão nascer (Ogs). São Paulo: Paulistana, 2012.

FIORIN, José Luiz. Da necessidade da distinção entre texto e discurso. In: Brait, Beth; SOUZA – e – SILVA, Maria Cecília. Texto ou discurso? São Paulo: Contexto, 2017.

GERALDI, João Wanderley. Portos de Passagem – texto e linguagem. 4ªed. SP: Martins Fontes, 1997.

KOCH, Ingedore V. e ELIAS, Vanda M. Escrever e argumentar. São Paulo: Contexto, 2016.

LUCKESI, C. C. O que é mesmo o ato de avaliar a aprendizagem? Pátio, Rio Grande do Sul, n.12, p. 6-11, fev/mar. 2000

MENDONÇA, Márcia. Análise linguística: refletindo sobre o que há de especial nos gêneros. In. SANTOS, Carmi Ferraz; MENDONÇA, Márcia; CAVALCANTI, Marianne C. B. (orgs.). Diversidade textual: os gêneros na sala de aula. Belo Horizonte: Autêntica, 2007.

MENDONÇA, Márcia. Análise linguística e produção de textos: reflexão em busca de autoria. Revista Na Ponta do Lápis, São Paulo, ano XII, n. 27, p. 73-88, jul. 2016.




DOI: https://doi.org/10.18554/ifd.v7i1.4582

Apontamentos

  • Não há apontamentos.