Perfil de praticantes de exercícios em academias de Uberaba, Minas Gerais

Vinicius Braga Facure Portugal, Hugo Ribeiro Zanetti, César Augusto França Abrahão, Marco Aurélio Ferreira de Jesus Leite

Resumo


Objetivo: Analisar fatores e relevância de quesitos na escolha e aderência em academias, como também associar essas percepções frente a frequência de usurários de academia em Uberaba – MG. Métodos: Participaram 64 sujeitos usuários de academias de Uberaba (MG). A coleta de dados foi realizada nas academias, utilizando um questionário eletrônico de estala liker previamente estruturado, no qual referiam a variáveis relacionadas ao uso de academia e parâmetros sociodemograficos. As respostas do questionário foram dicotomizadas. Os dados foram expressos em valores absolutos e frequência. Foi aplicado o teste qui-quadrado para analisar as associações (p<0,05). Resultados: A maioria dos praticantes são adolescentes e adulto (70,3%), possuem ensino superior completo (43,8%), praticam exercício a mais de 3 anos contínuos (56,3%), frequentam a academia mais de 4 vezes por semana (70,3%) e perduram menos ou igual a uma hora e meia pelo local (81,3%). Houve associação da menor frequência semanal e maior preocupação com o perfil e formação dos profissionais inseridos na academia. Conclusão: Em Uberaba, as academias tendem a ser mais frequentadas por jovens, instruídos academicamente, com maiores experiências de prática. O perfil e formação dos professores inseridos nas academias, como outras variáveis, são parâmetros relevantes na escolha de academia.


Palavras-chave


exercício, academias de ginástica, gerenciamento esportivo

Texto completo:

P.40-43

Referências


Buss PM. Promoção da saúde e qualidade de vida. Ciênc Saúde Coletiva. 2000;5(1):163–77.

Hallal PC, Andersen LB, Bull FC, Guthold R, Haskell W, Ekelund U, et al. Global physical activity levels: surveillance progress, pitfalls, and prospects. Lancet Lond Engl. 2012 Jul 21;380(9838):247–57.

Chomistek AK, Manson JE, Stefanick ML, Lu B, Sands-Lincoln M, Going SB, et al. Relationship of sedentary behavior and physical activity to incident cardiovascular disease: results from the Women’s Health Initiative. J Am Coll Cardiol. 2013 Jun 11;61(23):2346–54.

Howard RA, Freedman DM, Park Y, Hollenbeck A, Schatzkin A, Leitzmann MF. Physical activity, sedentary behavior, and the risk of colon and rectal cancer in the NIH-AARP Diet and Health Study. Cancer Causes Control CCC. 2008 Nov;19(9):939–53.

Dunstan DW, Barr ELM, Healy GN, Salmon J, Shaw JE, Balkau B, et al. Television viewing time and mortality: the Australian Diabetes, Obesity and Lifestyle Study (AusDiab). Circulation. 2010 Jan 26;121(3):384–91.

Matthews CE, Chen KY, Freedson PS, Buchowski MS, Beech BM, Pate RR, et al. Amount of time spent in sedentary behaviors in the United States, 2003-2004. Am J Epidemiol. 2008 Apr 1;167(7):875–81.

Healy GN, Wijndaele K, Dunstan DW, Shaw JE, Salmon J, Zimmet PZ, et al. Objectively measured sedentary time, physical activity, and metabolic risk: the Australian Diabetes, Obesity and Lifestyle Study (AusDiab). Diabetes Care. 2008 Feb;31(2):369–71.

Blair SN, LaMonte MJ, Nichaman MZ. The evolution of physical activity recommendations: how much is enough? Am J Clin Nutr. 2004 May;79(5):913S – 920S.

Ramalho ACR, Soares S. O papel do exercício no tratamento do diabetes melito tipo 1. Arq Bras Endocrinol Metab. 2008;52(2):260–7.

Gonçalves ACCR, Pastre CM, Camargo JCS. Exercício resistido no cardiopata: revisão sistemática. Fisioter Em Mov. 2012;25(1):195–205.

Junior MP, Andrade RD, Silveira FV, Baldissera UM, Korbes AS, Navarro F. Exercício físico resistido e síndrome metabólica - uma revisão sistemática. Rev Bras Prescrição E Fisiol Exerc [Internet]. 2013 Nov 2 [cited 2015 Apr 20];7(42). Available from: http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/581

Saba F. Aderência: A Prática do Exercício Físico em Academias - Editora Manole [Internet]. São Paulo: Manole; 2001 [cited 2015 Apr 20]. 120 p. Available from: http://www.manole.com.br/aderencia-a-pratica-do-exercicio-fisico-em-academias-pr-3555-183996.htm

Lima DF de, Levy RB, Luiz O do C. Recommendations for physical activity and health: consensus, controversies, and ambiguities. Rev Panam Salud Pública. 2014;36(3):164–70.

Azevedo IR de. Motivos de adesão á prática de exercícios físicos em uma academia exclusivamente feminina de Porto Velho-RO [Monografia (Graduação em Educação Física)]. [Porto Velho]: Núcleo de Saúde da Universidade Federal de Rondônia; 2011.

Carletto S, Soares N, Fabrin S, Oliveira RC de, Verri ED, Regueiro EMG. Efeito do exercício resistido em idosos: revisão da literatura. Saúde Batatais. 2014;2(1):91–104.

Nunomura M. Motivos de adesão à atividade física em função das variáveis idade, sexo, grau de instrução e tempo de permanência. Rev Bras Atividade Física Saúde. 1998;3(3):45–58.

Tahara AK, Schwartz GM, Silva KA. Aderência e manutenção da prática de exercícios em academias. Rev Bras Ciênc E Mov. 2003;11(4):7–12.

Santos SC, Knijnik JD. Motivos de adesão à prática de atividade física na vida adulta intermediária. Rev Mackenzie Educ Física E Esporte. 2009;5(1):23–34.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

 

Licença Creative Commons
Arquivos de Ciências do Esporte de Universidade Federal do Triângulo Mineiro está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.
Baseado no trabalho disponível em http://seer.uftm.edu.br/revistaeletronica/index.php/aces.
Podem estar disponíveis autorizações adicionais às concedidas no âmbito desta licença em http://seer.uftm.edu.br/revistaeletronica/index.php/aces.