Lesões de manguito rotador em atletas amadoras de voleibol

Carolina Gonçalves Silva, Joilson Meneguci, Cíntia Aparecida Garcia-Meneguci

Resumo


Objetivo: Identificar a presença de lesões de manguito rotador em atletas amadoras de voleibol e verificar a associação com a discinesia escapular e desempenho funcional. Método: Estudo transversal, realizado com atletas amadoras de voleibol do Caiçaras Cowntry Clube de Patos de Minas-MG. As variáveis analisadas foram: diagnóstico clinico de lesão de manguito rotador, discinesia escapular (Slide Lateral Scapular Test) e desempenho funcional geral e específico no esporte dos membros superiores das atletas (Disability of the Arm, Sholder and Hand - DASH). Utilizou-se o teste exato de Fisher para verificar a associação das variáveis com a presença de lesão de manguito rotador (p ≤ 0,05). Resultados: Participaram do estudo 24 atletas, do sexo feminino, média de 38,23 (dp = 11,82) anos, sendo que 20,8% das atletas apresentaram lesão de manguito rotador no ombro direito. As atletas com lesão de manguito rotador, quando comparadas com as atletas sem lesão, apresentaram discinesia escapular (p = 0,050) e menor desempenho funcional geral (p = 0,036) e específico no esporte (p = 0,003). ConclusãoA lesão de manguito rotador foi associada à discinesia escapular e menor desempenho funcional geral e específico no esporte. Esses resultados demonstram a necessidade de criação de estratégias que possam prevenir disfunções decorrentes da demanda exigida pelo voleibol.


Palavras-chave


voleibol, atletas, ombro

Texto completo:

P.157-160

Referências


Marques SM, Miranda ALR, Almeida CE de, Mendes FM, Bizinelli LF, Buongermino AR, et al. Lesões de Ombro em Atletas Amadores de Voleibol. UNILUS Ensino e Pesquisa. 2013;10:52–7.

Antônio V de S, Santos MAGN dos. Prevalência de lesões em atletas de voleibol feminino e possíveis relações com treinamento inadequado e estresse. Hórus. 2012;7:57-69–69.

Pires LMT, Bini IC, Fernandes WVB, Setti JAP. Lesões no ombro e sua relação com a prática do voleibol - revisão da literatura. InterSciencePlace. 2009; 2.

Souza RS, Nunes GS, Menezes FS de, Koerich MHA da L, Wageck BB. Instabilidade articular, dor e força dos músculos estabilizadores do ombro em atletas de voleibol. Saúde (Santa Maria). 2012;38:45–54.

Knaut LA, Moser ADL, Melo SDA, Richards RR. Tradução e adaptação cultural à língua portuguesa do American Shoulder and Elbow Surgeons Standardized Shoulder Assessment Form (ASES) para avaliação da função do ombro. Revista Brasileira de Reumatologia. 2010;50:176–83.

Cardozo Filho NS, Gaspar EF, Siqueira KL, Ejnisman B, Monteiro GC, Andreoli CV, et al. Perfil epidemiológico do atendimento de atletas com afecções do ombro e cotovelo no Centro de Traumatologia do Esporte, CETE, UNIFESP-EPM. RBM. Revista Brasileira de Medicina. 2010; 67.

Carvalho CD, Cohen C, Belangero PS, Figueiredo EA, Monteiro GC, Pochini A de C, et al. Lesão parcial do manguito rotador no atleta – bursal ou articular? Revista Brasileira de Ortopedia. 2015;50:416–21.

Asker M, Brooke HL, Waldén M, Tranaeus U, Johansson F, Skillgate E, et al. Risk factors for, and prevention of, shoulder injuries in overhead sports: a systematic review with best-evidence synthesis. Br J Sports Med. 2018;52:1312–9.

Mendonça LDM, Bittencourt NFN, Anjos MTS dos, Silva AA da, Fonseca ST. Isokinetic muscular assessment of the shoulder joint in athletes from the male under-19 and under-21 Brazilian volleyball teams. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. 2010;16:107–11.

Martinez JE, Grassi DC, Marques LG. Análise da aplicabilidade de três instrumentos de avaliação de dor em distintas unidades de atendimento: ambulatório, enfermaria e urgência. Revista Brasileira de Reumatologia. 2011;51:304–8.

Kibler WB, McMullen J. Scapular dyskinesis and its relation to shoulder pain. J Am Acad Orthop Surg. 2003;11:142–51.

Cheng, H. M. S. Disabilities of the arm, shoulder, and hand-DASH: análise da estrutura fatorial da versão adaptada para o português. [Dissertação de Mestrado- Ciências da Reabilitação] – Escola de Educação Física, Fisioterapia e Terapia Ocupacional, UFMG;2006.

Laurindo CF de S, Lopes AD, Mano K da S, Abdalla RJ. Lesões músculo-esqueléticas no atletismo. Rev bras ortop. 2000;35:364–8.

Fornari V, Soldà DM, Pimentel ST, Pimentel GL. Isokinetic evaluation of shoulder of a U18 female volleyball team Fisioterapia Ser.2016;11.

Silva RT da. Lesões do membro superior no esporte. Revista Brasileira de Ortopedia. 2010;45:122–31.

Soares STM. Trabalho preventivo para lesões de ombro e cintura escapular em atletas amadores de judô. Revista Brasileira de Ciência e Movimento. 2008;11:29–34.

Soliaman RR, Azzolini FL, Leme L, Ejnisman B, Pochini A de C, Cunha RA da. A influência do treinamento na discinesia escapular em jogadoras de voleibol: um estudo prospectivo. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. 2015;21:206–9.

Cangussu DFR, Rodrigues DCM, Reis D, Venturini C. Estudo da associação entre a dor e desempenho funcional do membro superior de jogadores de vôlei. Revista Brasileira de Ciência e Movimento. 2008;15:15–20.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

 

Licença Creative Commons
Arquivos de Ciências do Esporte da Universidade Federal do Triângulo Mineiro está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.
Baseado no trabalho disponível em http://seer.uftm.edu.br/revistaeletronica/index.php/aces.
Podem estar disponíveis autorizações adicionais às concedidas no âmbito desta licença em http://seer.uftm.edu.br/revistaeletronica/index.php/aces.