Influência da escolaridade na percepção de estresse e recuperação em atletas amadores de corrida rústica

Fabiana Aparecida Lavezzo, Vinícius José de Oliveira, Victor Silva Alves, Kamilla Kelly Noronha, Flavio Rodrigues Oliveira, Fredy Costa Guerra, César Augusto França Abrahão

Resumo


rústica e correlacionar tais variáveis com os níveis de estresse e recuperação após a prática da corrida. Métodos: Trata-se de um estudo observacional, onde 45 atletas voluntários responderam ao Questionário RESTQ-76 Sport, buscando identificar eventos potencialmente estressantes, fases de recuperação e suas consequências subjetivas. Resultados: Os participantes eram 29 homens e 16 mulheres, idade média de 34,0 ± 9,2 anos, e diferentes níveis de escolaridade. Nas respostas do questionário, na variável estresse os atletas apresentaram bons índices de respostas em quase todas as dimensões, porém em Queixas Físicas apresentaram índices que podem caracterizar aumento do estresse. Já na variável Recuperação, em todas as dimensões os atletas apresentaram bons índices de respostas. Não foram observadas diferenças significativas dos escores em relação ao gênero, enquanto foram encontradas diferenças significativas entre os participantes com diferentes graus de escolaridade. Conclusões: Os atletas de corrida rústica apresentaram índices aceitáveis na maioria das dimensões da variável estresse, enquanto que na variável recuperação, os atletas apresentaram índices de respostas aceitáveis em todas as dimensões, porém limítrofes nos comportamentos que favorecem uma boa recuperação do esporte.


Palavras-chave


corrida, estresse fisiológico, inquéritos e questionários

Texto completo:

P.161-163

Referências


Simola, RAP. Análise da percepção de estresse e recuperação e de variáveis fisiológicas em diferentes períodos de treinamento de nadadores de alto nível. [Dissertação de Mestrado – Programa de Pós-Graduação em Educação Física]. Belo Horizonte (MG): Universidade Federal de Minas Gerais; 2008.

Maestu J, Jurimae J, Krregipuu K. Changes in perceived stress and recovery during heavy training in highly trained male rowers. The Sport Psycologist 2006; 20: 24-39.

Rose Junior D. A competição como fonte de estresse no esporte. Rev. Bras. Ciên. Mov 2002; 10(4): 19-26.

Filaire E, Legrand B, Bret K, Sagnol M, Cottet-Emard J M, Pequignot J M. Psychobiologic responses to 4 days of increased training and recovery in cyclists. International Journal of Sports Medicine 2002; 23: 588-594.

Jurimae J, Maestu J, Purge P. Relations among heavy training stress, mood state and performance for male junior rowers. Perceptual and Motor Skills 2002; 95: 520-26.

Renzland J, Eberspächer H. Regeneration in Sports. Cologne, Germany: BBS; 1988.

Kallus K W, Kellmann M. Burnout in athletes and coaches. Emotions in sport 2000; 209-230.

Rojo J R, Starepravo F A, Canan F. Transformações no modelo de corridas de rua no Brasil: um estudo na Prova Rústica Tiradentes. R. bras. Ci. e Mov 2017; 25(1):19-28.

Rojo J R, Ferreira da Rocha F, Nazario P F. Características dos corredores de rua: um mapeamento dos participantes da 41ª Prova Rústica Tiradentes. Educación Física y Ciencia 2016, 18(1), 00-00.

Cunha G S, Ribeiro J L, Oliveira A R. Overtraining: theories, diagnosis and markers. Revista Brasileira de Medicina do Esporte 2006; 12(5): 297-302.

Costa, LOP. Processo de validação do questionário de estresse e recuperação para atletas (RESTQ-Sport) na língua portuguesa. [Dissertação de Mestrado – Programa de Pós-Graduação em Educação Física]. Belo Horizonte (MG): Universidade Federal de Minas Gerais; 2003.

Costa L O P, Samulski D M. Processo de Validação do Questionário de Estresse e Recuperação para Atletas (RESTQ-Sport) na Língua Portuguesa. R. bras. Ci e Mov 2005; 13(1): 79-86.

Kellmann M, Kallus K, Samulski D M. Questionário de estresse e recuperação para atletas. Manual do usuário. Belo Horizonte: Escola de Educação Física, Fisioterapia e Terapia Ocupacional/UFMG, 2009.

Pazin J, Silva Duarte M D F, Poeta L S. Recreational road runners: injuries, training, demographics and physical characteristics. Braz J Kinan H Perf 2008; 10(3): 277-282.

Campos A C, Prata M S, Silva Aguiar S. Prevalência de lesões em corredores de rua amadores. RBPeCS 2016; 3(1): 40-45.

Junior H, Luiz C, Costa L O. A description of training characteristics and its association with previous musculoskeletal injuries in recreational runners: a cross-sectional study. Brazilian Journal of Physical Therapy 2012; 16(1): 46-53.

Lazarus R S, Folkman S. Stress, appraisal, and coping. Springer publishing company; 1984.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

 

Licença Creative Commons
Arquivos de Ciências do Esporte da Universidade Federal do Triângulo Mineiro está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.
Baseado no trabalho disponível em http://seer.uftm.edu.br/revistaeletronica/index.php/aces.
Podem estar disponíveis autorizações adicionais às concedidas no âmbito desta licença em http://seer.uftm.edu.br/revistaeletronica/index.php/aces.