Qualidade da água e estimativa da carga orgânica máxima assimilada pelo córrego Lanoso

Carlos Eduardo Borges Oliveira, Caroline Fávaro Oliveira, Felipe Fiochi Pena, Helen Sandra de Sousa Laet, Isabella Esper Tamburus, Pedro de Souza Lopes Silva, Julio Cesar de Souza Inácio Gonçalves, Deusmaque Carneiro Ferreira

Resumo


Os modelos matemáticos têm considerável aplicabilidade na esfera ambiental e, dentre os usos possíveis, pode-se destacar a aferição de parâmetros de qualidade da água com a simulação de diversos cenários, o que os tornam uma importante ferramenta para a gestão dos recursos hídricos. O objetivo do presente estudo foi avaliar a qualidade da água do Córrego Lanoso, no município de Uberaba (MG), bem como inferir a carga máxima de efluente admissível no córrego por meio do modelo QUAL2K. As coletas foram realizadas em quatro pontos de amostragem ao longo do córrego Lanoso. Foram analisados os seguintes parâmetros: vazão, turbidez, pH, condutividade, oxigênio dissolvido, DBO5, DQO,alcalinidade, cloreto, fósforo total, nitrato, sólidos totais e em suspensão. A modelagem do processo de autodepuração foi realizada com o uso do modelo QUAL2K. Mediante aos resultados das análises de vazão e dos parâmetros físico-químicos de qualidade da água, o modelo QUAL2K simulou diversos tipos de cenários do córrego Lanoso, sendo possível estimar a capacidade máxima de suporte do curso d’água, bem como os possíveis impactos da implantação de diversas atividades agropecuárias ao longo do seu leito, sem alterar as suas características atuais. A carga máxima admissível pelo córrego Lanoso foi de 288 g.s-1. Os pontos a jusante da bacia apresentaram maior capacidade para depuração da carga poluidora.

 


Palavras-chave


Autodepuração; Modelagem matemática; QUAL2K; Gestão hídrica.

Texto completo:

PDF

Referências


ABDALA, V.L. Zoneamento Ambiental da bacia do alto curso do Rio Uberaba-MG como subsídio para gestão do recurso hídrico superficial. Dissertação (Pós-Graduação em Geografia), Universidade Federal de Uberlândia, 2005.

AMERICAN PUBLIC HEALTH ASSOCIATION (APHA). 2012. Standard methods for the examination os water and wastewater. 22 nd ed., Washington, American Public Health Association Pub., 1935p.

BRASIL. Resolução CONAMA n°357, de 17 de março de 2005. Dispõe sobre a classificação dos corpos de água e diretrizes ambientais para o seu enquadramento, bem como estabelece as condições e padrões de lançamento de efluentes, e dá outras providências. Diário Oficial da União, nº 053, p. 58-63, 18 mar. 2005.

BRITO, D. C. Aplicação do Sistema de Modelagem da Qualidade da Água QUAL2KW emGrandes Rios: O Caso do Alto e Médio Rio Araguari – AP. 144p. Dissertação (Mestrado em Biodiversidade Tropical): Universidade Federal do Amapá, 2008.

CARVALHO, T. M. Técnicas de medição de vazão por meios convencionais e não convencionais. Revista Brasileira de Geografia Física, v. 01, n.01, p. 73-85, 2008.

DI BERNARDO, L; PAZ, L.P.S. Seleção de Tecnologias de Tratamento de Água. São Carlos: LDIBE LTDA, 2008.

FREITAS, M. B.; BRILHANTE, O. M.; ALMEIDA, L. M. Importância da análise de água para a saúde pública em duas regiões do Estado do Rio de Janeiro: enfoque para coliformes termotolerantes, nitrato e alumínio. Cad. Saúde Pública, v. 17, n. 3, p. 651-660, 2011.

FUCHS, C. R. Classificação da qualidade da água do Córrego Lanoso, Uberaba – MG. 67 p. Dissertação (Doutorado em Agronomia): Universidade Estadual Paulista, 2012.

HELLER, L; PÁDUA, V.L. Abastecimento de água para consumo humano. 2. ed. Belo Horizonte: UFMG, 2010.

LIBÂNIO, M. Fundamentos de qualidade e tratamento de água. 3. ed. Campinas: Átomo, 2010.

PINA et al. Análise temporal do uso da terra em bacias hidrográficas utilizando sistema de informação geográfica. XIII Congresso Nacional de Meio Ambiente de Poços De Caldas. 2016.

PIRATOBA, A. R. A. et al. Caracterização de parâmetros de qualidade da água na área portuária de Barcarena, PA, Brasil. Revista Ambiente & Água, v. 12 n. 3, 2017.

QUEIROZ et al. Influência do uso do solo na qualidade da água de uma microbacia hidrográfica rural. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável, v.5, n.4, p.200-2010, 2010.

SILVA, P.E. A influência da mata ciliar na qualidade da água em dois rios na área rural de Foz do Iguaçu – PR Foz do Iguaçu. Faculdade Dinâmica de Cataratas, União Dinâmica de Faculdade Cataratas, 2009.

RAMOS et al. Avaliação da qualidade da água dos mananciais superficiais do projeto Pólo de fruticultura irrigada São João – Portal Nacional – TO. Projeto (Graduação em Tecnologia em Gestão Ambiental), Faculdade Católica de Tocantins, p. 7-9, 2010.

SEMAM - SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE. Plano de Manejo APA Rio Uberaba.Uberaba, Brasil, 90 p., 2007.

VON SPERLING, M. Estudos de modelagem da qualidade da água de rios. Belo Horizonte: UFMG,. v.7. 452 p., 2007.

VON SPERLING M. Princípios do tratamento biológico de águas residuárias: Introdução à qualidade das águas e ao tratamento de esgotos. Departamento de Eng. San. e Ambiental - UFMG. Belo Horizonte, v.1, 240 p., 1995.

VON SPERLING, M. Introdução à qualidade das águas e ao tratamento de esgotos. 3. ed. Belo Horizonte: Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental, 2005.

ZUIN, V. G.; IORIATTI, M. C. S.; MATHEUS C. E. O emprego de parâmetros físicos e químicos para a avaliação da qualidade de águas naturais: uma proposta para a educação química e ambiental na perspectiva CTSA. Química Nova na Escola, v. 31. 2009.




DOI: https://doi.org/10.18554/rbcti.v4i3.3396

Apontamentos

  • Não há apontamentos.