Perfil das internações hospitalares em município de Minas Gerais

Gisélia Gonçalves de Castro, Marco Aurélio Ferreira de Jesus Leite, Gilberto Martins Junior, Kadmyla Rosa e Silva, Arlindo Gonçalves Reis Junior

Resumo


O objetivo deste estudo foi analisar o perfil das internações na cidade de Patrocínio (MG) no ano de 2015. Trata-se de um estudo quantitativo, descritivo e transversal, que produziu uma busca sistematizada nos arquivos eletrônicos do Sistema de Informações Hospitalares do SUS, disponibilizado pelo DATASUS. Foram registadas 5,326 hospitalizações com internação média de 4,8 dias de permanência. Os Idosos (>60 anos) permaneceram mais tempo internados (5,53 dias) e a maior taxa de mortalidade foi observada em idosos com idade maior que 80 anos (n=43). Mulheres geraram mais internações (58,9%), tendo como principais causas de internamento, a gravidez, o parto e o puerpério (33,1%). As doenças do aparelho circulatório também foi uma das causas mais frequentes de internações em ambos os gêneros (homens=15,9%; mulheres=12,5%). Assim, o município deve investir em campanhas preventivas, como também, preparar os profissionais de saúde perante as demandas específicas de cuidados das causas de internações mais frequentes.


Palavras-chave


Assistência à saúde; Hospitalização; Saúde pública

Referências


Deek H, Hamilton S, Brown N, Inglis SC, Digiacomo M, Newton PJ, et al. Family-centred approaches to healthcare interventions in chronic diseases in adults: a quantitative systematic review. J Adv Nurs. 2016; 72(5):968–79.

Mallion J, Brooke J. Community - and hospital-based nurses’ implementation of evidence-based practice: are there any differences? Br J Community Nurs. 2016; 21(3):148–54.

Duncan BB, Chor D, Aquino EML, Bensenor IM, Mill JG, Schmidt MI, et al. Chronic non-communicable diseases in Brazil: priorities for disease management and research. Rev Saúde Pública. 2012; 46(Supl 1):126-34.

Di Cesare M, Khang Y-H, Asaria P, Blakely T, Cowan MJ, Farzadfar F, et al. Inequalities in non-communicable diseases and effective responses. Lancet. 2013; 381(9866):585-97.

Ministério da Saúde (Br). Departamento de Informática do SUS. Informações de saúde [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde; 2011. [citado em 10 fev. 2017]. Disponível em: http://datasus.saude.gov.br/

Jorge MHPM, Laurenti R, Gotlieb SLD. Quality analysis of Brazilian vital statistics: the experience of implementing the SIM and SINASC systems. Ciênc Saúde Coletiva. 2007; 12(3):643-54.

Bittencourt SA, Camacho LAB, Leal MC. Hospital Information Systems and their application in public health. Cad Saúde Pública. 2006; 22(1):19-30.

Soares DA, Freitas Mathias TA, Penha Marques M, Soares P, Souza RKT. Qualidade da informação sobre causas externas no Sistema de Informações Hospitalares. Rev Saúde Pública. 2009; 43(3):413-20.

Melione LPR, Mello-Jorge MHP. Gastos do Sistema Único de Saúde com internações por causas externas em São José dos Campos, São Paulo, Brasil. Cad Saúde Pública. 2008; 24(8):1814-24.

Ministério da Saúde (Br). Secretaria de Vigilância em Saúde. Guia de vigilância epidemiológica [Internet]. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2010 [citado em 10 fev 2017]. 816p. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/Guia_Vig_Epid_novo2.pdf.

Pagotto V, Silveira EA, Velasco WD. Perfil das hospitalizações e fatores associados em idosos usuários do SUS. Ciênc Saúde Coletiva. 2013; 18(10):3061-70.

Mascarenhas MDM, Barros MBA. Evolução das internações hospitalares por causas externas no sistema público de saúde - Brasil, 2002 a 2011. Epidemiol Serv Saúde. 2015; 24(1):19-29.

Motta CCR, Hansel CG, Silva JD. Perfil de internações de pessoas idosas em um hospital público. Rev Eletrônica Enferm. 2010; 12(3):471-7.

Santos FH, Andrade VM, Bueno OFA. Envelhecimento: um processo multifatorial. Psicol Estud. 2009; 14(1):3-10.

Lignani LO, Villela LCM. Estudo descritivo sobre a morbidade hospitalar por causas externas em Belo Horizonte, Estado de Minas Gerais, Brasil, 2008 - 2010. Epidemiol Serv Saúde. 2013; 22(2):225-34.

Bittencourt SA, Camacho LAB, Leal MC. Quality of childbirth data in the Hospital Information System in Rio de Janeiro, Brazil, 1999-2001. Cad Saúde Pública. 2008; 24(6):1344-54.

Bielemann RM, Silva BGC, Coll CVN, Xavier MO, Silva SG. Burden of physical inactivity and hospitalization costs due to chronic diseases. Rev Saúde Pública. 2015; 49:75.

Leite MAFJ, Zanetti HR, Sasaki JE, Meneguci J, Júnior JSV, Abrahão CAF. Tendência temporal de tabagismo e internações por doenças do aparelho respiratório nas capitais da região sudeste do Brasil: 2008-2013. REFACS. 2016; 4(1):40-7.

Pinto M, Ugá MAD. The cost of tobacco-related diseases for Brazil’s Unified National Health System. Cad Saúde Pública. 2010; 26(6):1234-45.

Bielemann RM, Knuth AG, Hallal PRC. Atividade física e redução de custos por doenças crônicas ao Sistema Único de Saúde. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2010; 12(4):152-61.

Magalhães MC, Bustamante-Teixeira MT. Severe acute maternal morbidity: use of the Brazilian Hospital Information System. Rev Saúde Pública. 2012; 46(3):472-8.




DOI: https://doi.org/10.18554/refacs.v6i1.1795

Apontamentos

  • Não há apontamentos.