Narrativas sobre parto domiciliar planejado após parto hospitalar

Cláudia Medeiros de Castro, Arlene Ferreira de Paula Azevedo

Resumo


Este estudo tem como objetivo conhecer as narrativas de mulheres que tiveram Parto Domiciliar Planejado, com história de parto hospitalar anterior. Trata-se de uma investigação qualitativa, com o uso de duas estratégias metodológicas: observação de grupo de apoio às gestantes e, entrevistas semi-estruturadas com quatro mulheres de um município do interior de São Paulo. As observações dos grupos permitiram a aproximação e contextualização do campo. A análise das entrevistas permitiu o delineamento das categorias temáticas: vulnerabilidade da mulher no hospital; as repercussões da separação precoce mãe e bebê; o parto em casa: informação e afirmação da autonomia e percepção corporal no parto.


Palavras-chave


Saúde da mulher; Parto domiciliar; Autonomia pessoal

Referências


Ministério da Saúde (Br). Centro Brasileiro de Análise e Planejamento. Pesquisa Nacional de Demografia e Saúde da Criança e da Mulher – PNDS 2006: dimensões do processo reprodutivo e da saúde da criança: relatório final. Brasília: Ministério da Saúde; 2008.

Leal MC, Torres JA, Domingues RMSM, Theme Filha, MM; Bittencourt S, Dias MAB et al, organizadores. Nascer no Brasil: sumário executivo temático da pesquisa [Internet]. Rio de Janeiro: Fiocruz; 2015 [acesso em 16 jan 2017]. Disponível em: http://www.ensp.fiocruz.br/portal-ensp/informe/site/arquivos/anexos/nascerweb.pdf

United Nations Children’s Fund, World Health Organization. Fulfilling the health agenda for women and children: the 2014 Report. Geneva: United Nations Children’s Fund; 2014 [acesso em 3 mar 2017]. Disponível em: http://bit.ly/1jCI5qJ.

Diniz CSG. Gênero, saúde materna e o paradoxo perinatal. Rev Bras Crescimento Desenvolv Hum. 2009; 19(2):313-26.

Brenes AC. História da parturição no Brasil: século XIX. Cad Saúde Pública. 1991; 7(2):135-49.

Mott ML. Assistência ao parto: do domicílio ao hospital: 1830–1960. Proj Hist. 2002; 25:197-219.

Diniz CSG. Humanização da assistência ao parto no Brasil: os muitos sentidos de um movimento. Ciênc Saúde Coletiva. 2005; 10(3):627-37.

World Health Organization, Maternal and Newborn Health, Safe Motherhood Unit. Care in normal birth: a practical guide. Geneva: SHO; 1996.

Ministério da Saúde (Br). Portaria nº 11 de 7 de janeiro de 2015. Redefine as diretrizes para implantação e habilitação de Centro de Parto Normal (CPN), no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS), para o atendimento à mulher e ao recém-nascido no momento do parto e do nascimento, em conformidade com o componente Parto e Nascimento da Rede Cegonha e dispõe sobre os respectivos incentivos financeiros de investimento, custeio e custeio mensal [Internet]. D.O.U., Brasília, DF, 8 jan 2015 [citado em 20 out 2017]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2015/prt0011_07_01_2015.html

Ministério da Saúde (Br). Portaria nº 569 de 1º de junho de 2000. Institui o Programa de Humanização no. Pré-natal e Nascimento, no âmbito do Sistema Único de Saúde [Internet]. D.O.U., Brasília, DF, 8 jun 2000 [citado em 20 out 2017]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2000/prt0569_01_06_2000_rep.html

Ministério da Saúde (Br). Portaria nº 1459 de 24 de junho de 2011. Institui no sistema Único de Saúde a Rede Cegonha [Internet]. D.O.U., Brasília, DF, 27 jun 2011 [citado em 20 out 2017]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt1459_24_06_2011.html.

Brasil. Lei n. 11.108, de 7 de abril 2005. Altera a Lei n. 8080, de 19 de setembro de 1990, para garantir às parturientes o direito à presença de acompanhante durante o trabalho de parto, parto e pós-parto imediato, no âmbito do sistema Único de Saúde – SUS [Internet]. D.O.U., Brasília, DF, 8 abr 2005 [citado em 25 jan 2018]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2005/lei/l11108.htm

Ministério da Saúde (Br). Secretaria de Atenção à Saúde. Parto e nascimento domiciliar assistidos por parteiras tradicionais: o Programa Trabalhando com Parteiras Tradicionais e experiências exemplares. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2010.

Janssen PA, Saxell L, Page LA, Klein MC, Liston RM, Lee SK. Outcomes of planned home birth with registered midwife versus planned hospital birth with midwife or physician. Can Med Assoc J. 2009; 181(6-7):377-83.

Olsen O, Clausen JA. Planned hospital birth versus planned home birth. Cochrane Database Syst Rev. [Internet]. 2012; 9(CD000352). DOI: 10.1002/14651858.CD000352.pub2

Zielinski, L, Ackerson, K, Low, LK. Planned home birth: benefits, risks, and opportunities. Int J Womens Health. 2015; 7:361-77.

Hospital Sofia Feldman. Sofia comemora um ano de parto domiciliar [Internet]. Belo Horizonte: Hospital Sofia Feldman; 2015 [citado em 28 nov 2017]. Disponível em: http://www.sofiafeldman.org.br/2015/01/05/sofia-comemora-um-ano-de-parto-domiciliar/.

Colacioppo PM, Koiffman MD, Riesco MLG, Schneck CA, Osava RH. Parto domiciliar planejado: resultados materno e neonatais. Rev Enferm. 2010; 3(2):81-90.

Medeiros RMK, Santos IMM, Silva LL. A escolha pelo parto domiciliar: história de vida de mulheres que vivenciaram esta experiência. Esc Anna Nery Rev Enferm. 2008; 12(4):765-72.

Koeter JG, Brüggemann OM, Dufloth RM, Knobel R, Monticelli M. Resultado de partos domiciliares atendidos por enfermeiras de 2005 a 2009 em Florianópolis, SC. Rev Saúde Pública. 2012; 46(4):747-50.

Carneiro RG. Cenas de parto e políticas do corpo: uma etnografia de práticas femininas de parto humanizado. [tese]. Campinas: Universidade Estadual de Campinas; 2011. 341f.

Spink MJ, organizadora. Práticas discursivas e produção de sentidos no cotidiano: aproximações teóricas e metodológicas. São Paulo: Cortez; 1999.

Cabruja T, Iñiguez-Vasquez L. Cómo construimos el mundo: relativismo, espacios de relación y narratividad. Anàlisis. 2000; 25:61-94.

Muylaert CJ, Júnior VS, Gallo PR, Neto MLR, Reis AOA. Entrevistas narrativas: um importante recurso em pesquisa qualitativa. Rev Esc Enferm USP. 2014; 48(Esp2):193-9.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo 2010. Rio de Janeiro: IBGE; [201-] [citado em 30 nov 2017]. Disponível em: https://censo2010.ibge.gov.br/

Portal da Saúde (Br). Sistema Nacional de Informações sobre Nascidos Vivos (SINASC). Brasília, DF: DATASUS; [201-] [citado em 30 nov 2017]. Disponível em: www.datasus.gov.br.

Nichiata LYI, Bertolozzi MR, Takahashi RF, Fracolli LA. A utilização do conceito de “vulnerabilidade” pela enfermagem. Rev Latinoam Enferm. [Internet]. 2008; [citado em 30 mar 2017]; 16(5):923-928. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rlae/v16n5/pt_20.pdf

Moore ER, Anderson GC, Bergman N. Early skin-to-skin contact for mothers and their healthy newborn infants. Cochrane Database Syst Rev. [Internet]. 2007; 3(CD003519). Disponível em: http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1002/14651858.CD003519.pub2/epdf. DOI: 10.1002/14651858.CD003519.pub2

Kendall-Tackett KA. Violence Against women and the perinatal period. the impact of lifetime violence and abuse on pregnancy, postpartum, and breastfeeding. Trauma Violence Abuse. 2007; 8(3):344-53.

Fundação Perseu Abramo. Mulheres brasileiras e gênero nos espaços públicos e privados: pesquisa de opinião pública [Internet]. São Paulo: Fundação Perseu Abramo; 2010 [citado em 30 mar 2017]. Disponível em: http://csbh.fpabramo.org.br/sites/default/files/pesquisaintegra.pdf

Castro CM. Os sentidos do parto domiciliar planejado para mulheres do município de São Paulo, São Paulo. Cad Saúde Coletiva. 2015; 23(1):69-75. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/cadsc/v23n1/1414-462X-cadsc-23-01-00069.pdf. DOI: 10.1590/1414-462X201500010012




DOI: https://doi.org/10.18554/refacs.v6i1.2794

Apontamentos

  • Não há apontamentos.