Experiências de enfermeiras da atenção primária à saúde no atendimento pré-natal de adolescentes

Patricia Wottrich Parenti, Lucia Cristina Florentino Pereira da Silva, Evelyn Priscila Santinon Sola, Kelly Cristina Pereira Máxima Venâncio, Fernanda Marçal Ferreira, Joyce da Costa Silveira de Camargo

Resumo


Este estudo tem como objetivo conhecer as experiências de enfermeiras da Atenção Primária de Saúde (APS) na assistência pré-natal de adolescentes. Tratou-se de uma pesquisa qualitativa usando entrevistas semiestruturadas com 19 enfermeiras atuantes na APS no atendimento pré-natal de adolescentes, analisadas segundo a Análise de Conteúdo Temática de Bardin. Foram identificadas três subcategorias pertencentes à categoria “Atendimento de pré-natal”: Atenção pré-natal às adolescentes; Enfoque de risco biológico versus risco social; e, Aspectos prioritários para assistência pré-natal. A adolescente não recebe atenção pré-natal específica e direcionada. Há necessidade de mais tempo de consulta, incluindo: acolhimento diferenciado, estimulo a criação do vínculo e de melhoria da qualidade das informações às adolescentes, bem como, medidas para evitar o abandono do pré-natal. As dificuldades citadas foram a adesão ao pré-natal, a falta de diálogo profissional–adolescente, e as situações vividas por essas adolescentes, além das dificuldades sociais.


Palavras-chave


Cuidado Pré-Natal; Gravidez na adolescência; Atenção primária à saúde; Cuidados de enfermagem

Referências


World Health Organization. Pregnant adolescents: delivering on global promises of hope. Geneva: WHO; 2006. 31p.

Ministério da Saúde (Brasil). Pesquisa Nacional de Demografia e Saúde da Criança e da Mulher – PNDS 2006: dimensões do processo reprodutivo e da saúde da criança. Brasília: Ministério da Saúde; 2009.

Mandú ENT. Adolescência: o cuidar nessa fase do ciclo vital. In: Fernandes RAQ, Narchi NZ, organizadores. Enfermagem e saúde da mulher. Barueri: Manole; 2007. p.190-210.

Rosa AJ, Reis AOA, Tanaka ACD´A. Gestações sucessivas na adolescência. Rev Bras Crescimento Desenvolv Hum. [Internet]. 2007 [citado em 30 mar 2017]; 17(1):165-72. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-12822007000100017&lng=pt&nrm=is&tlng=pt.

World Health Organization, Department of Making Pregnancy Safer. Making pregnancy safer: a newsletter of worldwide activity [Internet]. Geneva: WHO; 2007 [citado em 30 mar 2017]. 8 p. Disponível em: http://www.who.int/maternal_child_adolescent/documents/newsletter/mps_newsletter_issue4.pdf.

Secretaria de Estado da Saúde, São Paulo (Estado), Coordenadoria de Planejamento em Saúde, Assessoria Técnica em Saúde da Mulher. Atenção à gestante e à puérpera no SUS – SP: manual técnico do pré natal e puerpério. São Paulo: SES/SP; 2010, 234p.

Parenti PW, Silva LCFP, Melo CRM, Clapis MJ. Cuidado pré-natal às adolescentes: competências das enfermeiras. Rev Baiana Enferm. [Internet]. 2012 [citado em 30 mar 2017]; 26(12):498-509. Disponível em: http://www.portalseer.ufba.br/index.php/enfermagem/article/view/6534.

Governo do Estado de São Paulo, São Paulo (Estado). Lei nº 14.544, de 14 de setembro de 2011. Autoriza o Poder Executivo a instituir o Programa “Rede de Proteção à Mãe Paulista”, e dá outras providências [Internet]. D.O.E-SP., São Paulo, 15 set 2011 [citado em 30 mar 2017]. Disponível em : http://www.legislacao.sp.gov.br/legislacao/dg280202.nsf/ae9f9e0701e533aa032572e6006cf5fd/3a56959eff3d623f8325790d004dad6b?OpenDocument

Prefeitura de São Paulo (Município). Decreto nº46.966, de 02 fevereiro de 2006. Regulamenta a Lei nº 13.211, de 13 de novembro de 2001, estruturando a Rede de Proteção à Mãe Paulistana para a gestão e execução da rede de serviços de saúde de assistência obstétrica e neonatal no Município de São Paulo [Internet]. São Paulo, Secretaria do Governo Municipal; 2006. Disponível em: http://www3.prefeitura.sp.gov.br/cadlem/secretarias/negocios_juridicos/cadlem/integra.asp?alt=03022006D%20469660000.

Ministério de Saúde (Br). Portaria nº 1.459, de 24 de junho de 2011. Institui, no âmbito do Sistema Único de Saúde – SUS – a Rede Cegonha [Internet]. D.O.U., Brasília, DF, 27 jun 2011 [citado em 30 mar 2017]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt1459_24_06_2011.html.

Bardin L. Análise de conteúdo. 7ed. São Paulo: Almedina; 2011. 229p.

Ministério da Saúde (Br), Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. Atenção ao pré-natal de baixo risco. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2013. 318 p. (Cadernos de Atenção Básica; n. 32)

Ministério da Saúde (Br), Secretaria de Políticas de Saúde, Área Técnica da Mulher. Pré-natal e puerpério: atenção humanizada e qualificada. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2006. 163p.

Ministério da Saúde (Br), Secretária de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. Acolhimento à demanda espontânea. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2013. 56 p. (Cadernos de Atenção Básica, n.28).

Ministério da Saúde (Br), Secretária de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Manual de acolhimento e classificação de risco em obstetrícia. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2014.

Coutinho LRP, Barbieri AR, Santos MLM. Acolhimento na atenção primária à saúde: revisão integrativa. Saúde Debate [Internet]. 2015 [citado em 30 mar 2017]; 39(105):514-24. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/sdeb/v39n105/0103-1104-sdeb-39-105-00514.pdf

Reis ABF, Silva JLL, Andrade M. Assistência das adolescentes gestantes na estratégia de saúde da família. Informe-se em Promoção da Saúde [Internet]. 2009 [citado em 30 mar 2017]; 5(2):23-5 Disponível em: http://www.uff.br/promocaodasaude/adolescentes%20gestantes8.pdf

Santos DR, Maraschin MS, Caldeira S. Percepção dos enfermeiros frente à gravidez na adolescência. Ciênc Cuid Saúde [Internet]. 2007 [citado em 30 mar 2017]; 6(4):479-85 Disponível em: http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/CiencCuidSaude/article/view/3684.

Anversa ETR, Bastos GAN, Nunes LN, Dal Pizzol TS. Qualidade do processo da assistência pré-natal: unidades básicas de saúde e unidades de Estratégia Saúde da Família em município no Sul do Brasil. Cad Saúde Pública [Internet]. 2012 [citado em 02 mar 2017]; 28(4):789-800. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2012000400018.

Guanabens MFG, Gomes AM, Mata ME, Reis ZSN. Gravidez na adolescência: um desafio à promoção da saúde integral do adolescente. Rev Bras Educ Méd. [Internet]. 2012 [citado em 30 mar 2017]; 36(1, Supl2):20-4. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbem/v36n1s2/a04v36n1s2.pdf.

Ministério da Saúde (Brasil). Manual técnico de assistência pré-natal. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2000. 66p.

Silva JLP, Surita FGC. Gravidez na adolescência: situação atual. Rev Bras Ginecol Obstet. [Internet]. 2012 [citado em 30 mar 2017]; 34(8):347-50. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0100-72032012000800001.

Oliveira M, Coimbra V, Pereira A. Complicações na gravidez adolescente em situação de risco social. Rev E-Psi. [Internet]. 2015 [citado em 30 mar 2017]; 5(2):35-50. Disponível em: https://revistaepsi.com/wp-content/uploads/artigos/2015/Ano5-Volume2-Artigo3.pdf.

Nader PRA, Cosme LA. Parto prematuro de adolescentes: influência de fatores sociodemográficos e reprodutivos, Espírito Santo, 2007. Esc Anna Nery Rev Enferm. [Internet]. 2010 [citado em 30 mar 2017]; 14(2):338-45. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S1414-81452010000200018

Enkin M, Keirse M, Neilson J, Crowther C, Duley L, Hodnett E, et al. Guide to effective care in pregnancy and childbirth. 3ed. Oxford: Oxford University Press; 2000.

Araújo RLD, Rodrigues ES, Oliveira GG, Sousa KMO. Gravidez na adolescência: consequências centralizadas para a mulher. Temas Saúde [Internet]. 2016 [citado em 30 mar 2017]; 16(2):567-87. Disponível em: http://temasemsaude.com/wp-content/uploads/2016/08/16231.pdf

Deprá AS, Heck RM, Thum M, Ceolin T, Vanini M, Lopes CV, et al. Gravidez de adolescentes na unidade de saúde da família. Rev Enferm Cent-Oest Min. 2011; (1):59-69.

Elias PE, Ferreira CW, Alves MCGóis, Cohn A, Kishima V, Escrivão Jr A, et al. Atenção básica em saúde: comparação entre PSF e UBS por estrato de exclusão social no município de São Paulo. Ciênc saúde coletiva. [Internet]. 2006 [citado em 02 mar 2017]; 11(3):633-41. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232006000300012

Van Stralen CJ, Belisário SA, Van Stralen TBS, Lima ÂMD, Massote AW, Oliveira CL. Percepção dos usuários e profissionais de saúde sobre atenção básica: comparação entre unidades com e sem saúde da família na Região Centro-Oeste do Brasil. Cad Saúde Pública [Internet]. 2008 [citado em 02 mar 2017]; 24( Suppl 1 ):s148-s58. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2008001300019.

Teixeira IR, Amaral RMS, Magalhães SR. Assistência de enfermagem ao pré natal: reflexão sobre a atuação do enfermeiro para o processo educativo na saúde gestacional da mulher. e-Scientia [Internet]. 2010 [citado em 30 mar 2017]; 3(2):26-31. Disponível em: http://revistas.unibh.br/index.php/dcbas/article/view/166.

Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia. Manual de ginecologia infanto juvenil. São Paulo: FEBRASGO; 2014. 182p.

Barbaro MC, Lettiere A, Nakano AMS. Assistência pré-natal à adolescente e os atributos da Atenção Primária à Saúde. Rev Latinoam Enferm. [Internet]. 2014 [citado em 02 mar 2017]; 22(1):108-14. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/0104-1169.3035.2390.

Buendgens BB, Zampieri MFM. A adolescente grávida na percepção de médicos e enfermeiros da atenção básica. Esc Anna Nery Rev Enferm. [Internet]. 2012 [citado em 02 mar 2017]; 16(1):64-72. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S1414-81452012000100009.

Moreira TMM, Viana DS, Queiroz MVO, Jorge MSB. Conflitos vivenciados pelas adolescentes com a descoberta da gravidez. Rev Esc Enferm USP. [Internet]. 2008 [citado em 02 mar 2017]; 42(2): 312-20. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0080-62342008000200015




DOI: https://doi.org/10.18554/refacs.v6i1.2796

Apontamentos

  • Não há apontamentos.