O abatimento mecanizado de rochas instáveis e segurança no trabalho em mina subterrânea de ouro

Mario Parreiras de Faria, Ada Ávila Assunção

Resumo


Nos últimos anos, a introdução de um equipamento chamado de scaler buscou controlar a exposição ao risco de acidentes durante a atividade de abatimento de “choco”. Os objetivos deste artigo são analisar as vantagens e limitações da tecnologia de abatimento mecanizado de rochas instáveis; identificar as dificuldades e os riscos para os operadores e as estratégias utilizadas no desempenho da atividade. Realizou-se pesquisa qualitativa, combinando análise documental e entrevistas com seis trabalhadores durante quatro sessões coletivas, utilizando roteiro prévio. O uso do scaler trouxe benefícios para a segurança e minimizou o esforço físico necessário na atividade. Fatores organizacionais e a concepção do equipamento agravam a situação, uma vez que não levam em conta as características físicas e psicológicas dos operadores e a gestão implicada na atividade.


Palavras-chave


Mineração; Saúde do trabalhador; Prevenção de acidentes

Referências


Peake AV, Ashworth SGE. Factors influencing the detections of unsafe hanging wall conditions: final project report [Internet]. [Pretória]: CSIR, SIMRAC; Out 1996 [citado em: 10 ago 2016]. (GAP 202). Disponível em: http://www.mhsc.org.za/sites/default/files/GAP_2021.pdf

Trotter DA, Kopeschny FV. Cap lamp improvement in canadian mines. Appl Occup Environ Hyg. 1997; 12(12):859-63.

Gyekye SA. Causal attributions of Ghanaian industrial workers for accident occurrence: miners and non-miners perspective. J Safety Res. 2003; 34(5):533-8.

Ghosh AK, Bhattacherje A, Chau N. Relationships of working conditions and individual characteristics to occupational Injuries: a case-control study in coal miners. J Occup Health. 2004; 46(6):470-8.

Vingård E, Elgstrand K. Safety and health in mining. In: Elgstrand K, Vingård E, editores. Occupational safety and health in mining: anthology on the situation in 16 mining countries [Internet]. Gothenburg: University of Gothenburg; 2013 [citado em: 17 ago 2016]. p. 1-14. (Arbete och Hälsa; vol 47; n 2). Disponível em: https://gupea.ub.gu.se/bitstream/2077/32882/1/gupea_2077_32882_1.pdf

Hull BP, Leigh J, Driscoll TR, Mandryk J. Factors associated with occupational severity in New South Wales underground coal mining industry. Saf Sci. 1996; 21(3):191-204.

Duzgun HSB, Einstein HH. Assessment and management of roof falls risks in underground coal mines. Saf Sci. 2004; 42(1):23-41.

Leger J. Trends and causes of fatalities in South African mines. Saf Sci. 1991; 14(3):169-85.

Jaku EP, Toper AZ, Jager AJ. Updating and maintaining accident database: final project report [Internet]. [Pretória]: CSIR, SIMRAC; Mar. 2001 [citado em: 17 ago 2016]. (GAP 727). Disponível em: http://researchspace.csir.co.za/dspace/bitstream/10204/1819/1/GAP727.pdf

Mark C, Iannacchione AT. Best practices to mitigate injuries and fatalities from rock falls. In: Annual Institute of Mining Health, Safety and Research; 31; 2000; Blacksburg. Proceedings … Blacksbourg: Virginia Polytechnic Institute and State University; 2000. p.115-130.

Grau III RH, Prosser LJ Scaling accidents in underground stone mines. In: Rock Products. p. 39-41.

Ottermann RW, Burger NDL, Wielligh AJ, Handley MF, Fourie GA. Investigate a possible system for ‘making safe’: final project report. [Internet]. [Pretória]: CSIR, SIMRAC; Feb 2002 [citado em: 18 ago 2016]. (GEN 801). Disponível em: http://www.mhsc.org.za/sites/default/files/Gen801_report_final.pdf

Vicente KJ. Homens e máquinas: como a tecnologia pode revolucionar a vida cotidiana. Estrada MID, tradutora. Rio de Janeiro: Ediouro; 2005.

Bauer MW, Gaskell G. Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. Guareschi PA, tradutor. 2ed. Petrópolis: Vozes; 2002.

Maroy C. A análise qualitativa de entrevistas. In: Albarello L, Digneffe F, Hiernaux J-P, Maroy C, Ruquoy D, Saint-Georges P. Práticas e métodos de investigação em ciências sociais. Lisboa: Gradiva; 1997. p. 117-156.

Faria MP. Fatores intervenientes na segurança do trabalho de abatimento mecanizado de rochas instáveis em uma mina subterrânea de ouro. [dissertação]. Belo Horizonte, MG: Universidade Federal de Minas Gerais; 2008. 66 p.

Faria MP, Dwyer T. Safety and health in mining in Brazil. In: Elgstrand K, Vingård E, editors. Occupational Safety and Health in Mining: anthology on the situation in 16 mining countries [Internet]. Gothenburg: University of Gothenburg; 2013 [citado em: 17 ago 2016]. p. 150-69. (Arbete och Hälsa; vol 47; n 2). Disponível em: https://gupea.ub.gu.se/bitstream/2077/32882/1/gupea_2077_32882_1.pdf

Candia RC, Campos VM, Faria MP. Estudo de acidentalidade na mineração no Estado de Minas Gerais. In: 8° Congresso Brasileiro de Minas a Céu Aberto, 8°Congresso Brasileiro de Mina Subterrânea, Workshop Economia Mineral: Recursos e Reservas [Internet]; 6-8 ago; 2014, Belo Horizonte, Brasil. Belo Horizonte: IBRAM, UFMG; 2014 [citado em: 17 ago 2016]. Disponível em: http://www.ibram.org.br/sites/1300/1382/00005702.pdf

Correa PRL, Assunção AA. A subnotificação de mortes por acidentes de trabalho: estudo de três bancos de dados. Epidemiol Serv Saúde. 2003; 12(4):203-12.

Dwyer, TP. Vida e morte no trabalho: acidentes e a produção social do erro. Brant WC, Amado J, tradutores. Campinas: Unicamp; Rio de Janeiro: Multiação Editorial; 2006.

Schepens F. L’erreur est humaine mais non professionelle: le bücheron et l’accident. Sociologie du Travail. 2005; 47(1):1-16.

Amalberti R. Gestão da segurança: teorias e práticas sobre as decisões e soluções de compromisso necessárias. Mussulini D, tradutora. Botucatu: FMB-UNESP ; 2016.

Diniz EPH, Assunção AA, Lima FAP. Prevenção de acidentes: o reconhecimento das estratégias operatórias dos motociclistas profissionais com base para negociação de acordo coletivo. Ciênc Saúde Colet. 2005; 10(4):905-16.

Fonseca ED, Lima FAP. Novas tecnologias construtivas e acidentes na construção civil: o caso da introdução de um novo sistema de escoramento de formas de laje. Rev Bras Saúde Ocup. 2007; 32(115):63-7.




DOI: https://doi.org/10.18554/refacs.v6i0.3124

Apontamentos

  • Não há apontamentos.