O abatimento mecanizado de rochas instáveis e segurança no trabalho em mina subterrânea de ouro

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18554/refacs.v6i0.3124

Palavras-chave:

Mineração, Saúde do trabalhador, Prevenção de acidentes

Resumo

Nos últimos anos, a introdução de um equipamento chamado de scaler buscou controlar a exposição ao risco de acidentes durante a atividade de abatimento de “choco”. Os objetivos deste artigo são analisar as vantagens e limitações da tecnologia de abatimento mecanizado de rochas instáveis; identificar as dificuldades e os riscos para os operadores e as estratégias utilizadas no desempenho da atividade. Realizou-se pesquisa qualitativa, combinando análise documental e entrevistas com seis trabalhadores durante quatro sessões coletivas, utilizando roteiro prévio. O uso do scaler trouxe benefícios para a segurança e minimizou o esforço físico necessário na atividade. Fatores organizacionais e a concepção do equipamento agravam a situação, uma vez que não levam em conta as características físicas e psicológicas dos operadores e a gestão implicada na atividade.

Biografia do Autor

Mario Parreiras de Faria

Médico. Especialista em Medicina do Trabalho. Mestre em Saúde Pública. Auditor Fiscal do Trabalho do Ministério do Trabalho, Brasília, Brasil.

Ada Ávila Assunção

Médica. Especialista em Medicina Preventiva. Especialista em Medicina do Trabalho. Mestre e Doutora em Ergonomia. Pós-Doutorado em Saúde Pública. Professora Associada do Departamento de Medicina Preventiva e Social da Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte MG, Brasil

Referências

Peake AV, Ashworth SGE. Factors influencing the detections of unsafe hanging wall conditions: final project report [Internet]. [Pretória]: CSIR, SIMRAC; Out 1996 [citado em: 10 ago 2016]. (GAP 202). Disponível em: http://www.mhsc.org.za/sites/default/files/GAP_2021.pdf

Trotter DA, Kopeschny FV. Cap lamp improvement in canadian mines. Appl Occup Environ Hyg. 1997; 12(12):859-63.

Gyekye SA. Causal attributions of Ghanaian industrial workers for accident occurrence: miners and non-miners perspective. J Safety Res. 2003; 34(5):533-8.

Ghosh AK, Bhattacherje A, Chau N. Relationships of working conditions and individual characteristics to occupational Injuries: a case-control study in coal miners. J Occup Health. 2004; 46(6):470-8.

Vingård E, Elgstrand K. Safety and health in mining. In: Elgstrand K, Vingård E, editores. Occupational safety and health in mining: anthology on the situation in 16 mining countries [Internet]. Gothenburg: University of Gothenburg; 2013 [citado em: 17 ago 2016]. p. 1-14. (Arbete och Hälsa; vol 47; n 2). Disponível em: https://gupea.ub.gu.se/bitstream/2077/32882/1/gupea_2077_32882_1.pdf

Hull BP, Leigh J, Driscoll TR, Mandryk J. Factors associated with occupational severity in New South Wales underground coal mining industry. Saf Sci. 1996; 21(3):191-204.

Duzgun HSB, Einstein HH. Assessment and management of roof falls risks in underground coal mines. Saf Sci. 2004; 42(1):23-41.

Leger J. Trends and causes of fatalities in South African mines. Saf Sci. 1991; 14(3):169-85.

Jaku EP, Toper AZ, Jager AJ. Updating and maintaining accident database: final project report [Internet]. [Pretória]: CSIR, SIMRAC; Mar. 2001 [citado em: 17 ago 2016]. (GAP 727). Disponível em: http://researchspace.csir.co.za/dspace/bitstream/10204/1819/1/GAP727.pdf

Mark C, Iannacchione AT. Best practices to mitigate injuries and fatalities from rock falls. In: Annual Institute of Mining Health, Safety and Research; 31; 2000; Blacksburg. Proceedings … Blacksbourg: Virginia Polytechnic Institute and State University; 2000. p.115-130.

Grau III RH, Prosser LJ Scaling accidents in underground stone mines. In: Rock Products. p. 39-41.

Ottermann RW, Burger NDL, Wielligh AJ, Handley MF, Fourie GA. Investigate a possible system for ‘making safe’: final project report. [Internet]. [Pretória]: CSIR, SIMRAC; Feb 2002 [citado em: 18 ago 2016]. (GEN 801). Disponível em: http://www.mhsc.org.za/sites/default/files/Gen801_report_final.pdf

Vicente KJ. Homens e máquinas: como a tecnologia pode revolucionar a vida cotidiana. Estrada MID, tradutora. Rio de Janeiro: Ediouro; 2005.

Bauer MW, Gaskell G. Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. Guareschi PA, tradutor. 2ed. Petrópolis: Vozes; 2002.

Maroy C. A análise qualitativa de entrevistas. In: Albarello L, Digneffe F, Hiernaux J-P, Maroy C, Ruquoy D, Saint-Georges P. Práticas e métodos de investigação em ciências sociais. Lisboa: Gradiva; 1997. p. 117-156.

Faria MP. Fatores intervenientes na segurança do trabalho de abatimento mecanizado de rochas instáveis em uma mina subterrânea de ouro. [dissertação]. Belo Horizonte, MG: Universidade Federal de Minas Gerais; 2008. 66 p.

Faria MP, Dwyer T. Safety and health in mining in Brazil. In: Elgstrand K, Vingård E, editors. Occupational Safety and Health in Mining: anthology on the situation in 16 mining countries [Internet]. Gothenburg: University of Gothenburg; 2013 [citado em: 17 ago 2016]. p. 150-69. (Arbete och Hälsa; vol 47; n 2). Disponível em: https://gupea.ub.gu.se/bitstream/2077/32882/1/gupea_2077_32882_1.pdf

Candia RC, Campos VM, Faria MP. Estudo de acidentalidade na mineração no Estado de Minas Gerais. In: 8° Congresso Brasileiro de Minas a Céu Aberto, 8°Congresso Brasileiro de Mina Subterrânea, Workshop Economia Mineral: Recursos e Reservas [Internet]; 6-8 ago; 2014, Belo Horizonte, Brasil. Belo Horizonte: IBRAM, UFMG; 2014 [citado em: 17 ago 2016]. Disponível em: http://www.ibram.org.br/sites/1300/1382/00005702.pdf

Correa PRL, Assunção AA. A subnotificação de mortes por acidentes de trabalho: estudo de três bancos de dados. Epidemiol Serv Saúde. 2003; 12(4):203-12.

Dwyer, TP. Vida e morte no trabalho: acidentes e a produção social do erro. Brant WC, Amado J, tradutores. Campinas: Unicamp; Rio de Janeiro: Multiação Editorial; 2006.

Schepens F. L’erreur est humaine mais non professionelle: le bücheron et l’accident. Sociologie du Travail. 2005; 47(1):1-16.

Amalberti R. Gestão da segurança: teorias e práticas sobre as decisões e soluções de compromisso necessárias. Mussulini D, tradutora. Botucatu: FMB-UNESP ; 2016.

Diniz EPH, Assunção AA, Lima FAP. Prevenção de acidentes: o reconhecimento das estratégias operatórias dos motociclistas profissionais com base para negociação de acordo coletivo. Ciênc Saúde Colet. 2005; 10(4):905-16.

Fonseca ED, Lima FAP. Novas tecnologias construtivas e acidentes na construção civil: o caso da introdução de um novo sistema de escoramento de formas de laje. Rev Bras Saúde Ocup. 2007; 32(115):63-7.

Publicado

2018-08-13

Edição

Seção

Artigos originais