Assistência ao parto sob a ótica de enfermeiras obstétricas

Larissa de Oliveira Peripolli, Marcelexandra Rabelo, Silvana Regina Rossi Kissula Souza, Marilene Loewen Wall, Tatiane Herreira Trigueiro, Karin Madeleine Godarth

Resumo


O objetivo deste estudo foi avaliar a atuação da enfermeira obstétrica em uma maternidade de risco habitual por meio de indicadores de assistência obstétrica, bem como conhecer a visão destas sobre a sua inserção no processo de parto. Trata-se de pesquisa avaliativa, descritiva, de abordagem mista, realizada a partir dos indicadores de assistência referentes ao período de maio de 2014 a dezembro de 2015, e de entrevistas realizadas com cinco enfermeiras obstétricas atuantes na assistência ao parto em maternidade de risco habitual de Curitiba, Paraná. A coleta ocorreu entre agosto e outubro de 2016. Os indicadores foram analisados através de estatística simples e as entrevistas por meio de análise temática. A inserção da enfermeira obstétrica promoveu redução de práticas consideradas prejudiciais na assistência ao parto, gerando impacto positivo na mudança do modelo de atenção da instituição.


Palavras-chave


Enfermagem Obstétrica; Cuidados de enfermagem; Parto humanizado; Humanização da assistência; Obstetrícia

Referências


Ministério da Saúde (Br). Universidade Estadual do Ceará. Humanização do parto e do nascimento [Internet]. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2014 [citado em 26 fev 2016]. 465p. (Caderno HumanizaSUS; v. 4). Disponível em: http://www.redehumanizasus.net/sites/default/files/caderno_humanizasus_v4_humanizacao_parto.pdf

Ministério da Saúde (Br), Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher: princípios e diretrizes. 2ed. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2011 [citado em 15 ago 2016]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nac_atencao_mulher.pdf

Ministério da Saúde (Br). Portaria nº 1.459, de 24 de junho de 2011. Institui no âmbito do Sistema Único de Saúde - SUS - a Rede Cegonha [Internet]. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2011 [citado em 26 fev 2016]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt1459_24_06_2011.html

Organização Mundial da Saúde. Maternidade segura: guia prático para o parto normal. Genebra: OMS; 1996.

Conselho Federal de Enfermagem (Brasil). Resolução nº 0516/2016. Normatiza a atuação e a responsabilidade do Enfermeiro, Enfermeiro Obstetra e Obstetriz na assistência às gestantes, parturientes, puérperas e recém-nascidos nos Serviços de Obstetrícia, Centros de Parto Normal e/ou Casas de parto e outros locais onde ocorra essa assistência; estabelece critérios para registro de títulos de Enfermeiro Obstetra e Obstetriz no âmbito do Sistema COFEN/Conselhos Regionais de Enfermagem, e dá outras providências [Internet]. Brasília, DF: COFEN; 2016 [citado em 02 abr 2017]. 7 p. Disponível em: http://www.cofen.gov.br/wp-content/uploads/2016/06/RES.-COFEN-516-2016.pdf

Creswell JW, Clark VLP. Pesquisa de métodos mistos. 2ed. Porto Alegre: Penso; 2013.

Bardin L. Análise de conteúdo. Reimpr. 1ed Lisboa: Edições 70; 2016. 282p.

Presidência da República (Brasil). Lei nº 11.108, de 7 de abril de 2005. Altera a Lei 8.080, de 19 de setembro de 1990, para garantir às parturientes o direito à acompanhante durante o trabalho de parto, parto e pós parto imediato, no âmbito do Sistema Único de Saúde-SUS [Internet]. D.O.U., Brasília, DF, 8 abr 2005 [citado em 02 abr 2017]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2005/Lei/L11108.htm

Ministério da Saúde (Br). Portaria nº 371, de 7 de maio de 2014. Institui diretrizes para a organização da atenção integral e humanizada ao recém-nascido (RN) no Sistema Único de Saúde (SUS) [Internet]. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2014 [citado em 02 abr 2017]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/sas/2014/prt0371_07_05_2014.html

Mercer JS, Erickson-Owens DA, Graves B, Haley MM. Práticas baseadas em evidências para a transição de feto a recém-nascido. Tempus [Internet]. 2010 [citado em 07 jan 2017]; 4(4): p.173-89. Disponível em:

http://www. tempusactas.unb.br/index.php/tempus/article/viewFile/845/808

Porto AMF, Amorim MMR, Souza ASR. Assistência ao primeiro período do parto baseada em evidências. Femina. [Internet]. 2010 [citado em 18 nov 2016]; 38(10):527-37. Disponível em: http://bhpelopartonormal.pbh.gov.br/estudos_cientificos/arquivos/artigo_femina_assistencia_ao_parto_parte_I.pdf

Leal MC, Pereira APE, Domingues RMSM, Theme Filha MM, Dias MAB, Nakamura-Pereira M, et al. Intervenções obstétricas durante o trabalho de parto e parto em mulheres brasileiras de risco habitual. Cad Saúde Pública. [Internet]. 2014 [citado em 02 abr 2017]; 30(Supl):17-47. DOI: 10.1590/0102-311X00151513

Verheijen EC, Raven JH, Hofmeyr GJ. Fundal pressure during the second stage of labour. Cochrane Database Syst Rev. [Internet]. 2009 [citado em 02 abr 2017]; 4(CD006067). Disponível em: https://www.cochranelibrary.com/cdsr/doi/10.1002/14651858.CD006067.pub2/epdf/full. DOI: 10.1002/14651858.CD006067.pub2

American Society of Anesthesiologists Tasks Force on Obstetric Anesthesia. Practice Guidelines for Obstetric Anesthesia: an updated report by the American Society of Ansthesiologists Task Force on Obstetric Anesthesia. Anesthesiology. [Internet]. 2007 [citado em 02 abr 2017]; 106(4):843-63. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/17413923. DOI: 10.1097/01.anes.0000264744.63275.10

American Society of Anesthesiologists. Most Healthy women would benefit from light meal during labor [Internet]. News. San Diego; nov 6, 2015 [citado em 31 ago 2015]. Disponível em: http://www.asahq.org/about-asa/newsroom/news-releases/2015/11/eating-a-light-meal-during-labor

Anim-Somuah M, Smyth RM, Jones L. Epidural versus non-epidural or no analgesia in labour. Cochrane Database Syst Rev. [Internet]. 2011 [citado em 02 abr 2017]; 12(CD000331). Disponível em: https://www.cochranelibrary.com/cdsr/doi/10.1002/14651858.CD000331.pub3/full. DOI: 10.1002/14651858.CD000331.pub3

Amorim MMR, Porto AMF, Souza ASR. Assistência ao segundo e terceiro períodos do trabalho de parto baseada em evidências. Femina. [Internet]. 2010 [citado em 18 nov 2016]; 38(11):583-91. Disponível em: http://files.bvs.br/upload/S/0100-7254/2010/v38n11/a583-591.pdf

Sousa AMM, Souza KV, Rezende EM, Martins EF, Campos D, Lansky S. Práticas na assistência ao parto em maternidades com inserção de enfermeiras obstétricas, em Belo Horizonte, Minas Gerais. Esc Anna Nery Rev Enferm. [Internet]. 2016 [citado em 18 nov 2016]; 20(2):324-31. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ean/v20n2/1414-8145-ean-20-02-0324.pdf

Silva FMB, Paixão TCR, Oliveira SMJV, Leite JSL, Riesco MLG, Osava RH. Assistência em um centro de parto segundo as recomendações da Organização Mundial da Saúde. Rev Esc Enferm USP. [Internet]. 2013 [citado em 02 abr 2017]; 47(5):1031-8. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v47n5/pt_0080-6234-reeusp-47-05-1031.pdf. DOI: 10.1590/S0080-623420130000500004

Smith CA, Levett KM, Collins CT, Crowther CA. Relaxation techniques for pain management in labour. Cochrane Database Syst Rev. [Internet]. 2018 [citado em 02 abr 2017]; 3(CD009514). Disponível em: https://www.cochranelibrary.com/cdsr/doi/10.1002/14651858.CD009514.pub2/epdf/full DOI: 10.1002/14651858.CD009514

Guyton AC, Hall JE. Tratado de fisiologia médica. 11ed. São Paulo: Elsevier; 2006. p. 1009.

Fernandes RMF. O sono normal. Medicina, Ribeirão Preto. [Internet]. 2006 [citado em 03 jan 2017]; 39(2):157-68. Disponível em: http://revista.fmrp.usp.br/2006/vol39n2/1_o_sono_normal1.pdf

Maganhin CC, Carbonel AAF, Hatty JH, Fuchs LFP, Oliveira-Júnior IS, Simões MJ, et al. Efeitos da melatonina no sistema genital feminino: breve revisão. Rev Assoc Med Bras. [Internet]. 2008 [citado em 03 jan 2017]; 54(3):267-71. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ramb/v54n3/a22v54n3.pdf

Vogt SE, Silva KS, Dias MAB. Comparação de modelos de assistência ao parto em hospitais públicos. Rev Saúde Pública. [Internet]. 2014 [citado em 18 nov 2016]; 48(2):304-13. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rsp/v48n2/0034-8910-rsp-48-2-0304.pdf. DOI: 10.1590/S0034-8910.2014048004633

Balaskas J. Parto Ativo: guia prático para o parto natural - a história e a filosofia de uma revolução... 3ed. São Paulo: Ground; 2015.

Rabelo M. Reorganização da gestão e do modelo de assistência obstétrica em uma maternidade de risco habitual. [Dissertação]. Curitiba: Universidade Federal do Paraná; 2015 [citado em 5 dez 2016]. Disponível em: http://acervodigital.ufpr.br/bitstream/handle/1884/41796/R%20-%20D%20-%20MARCELEXANDRA%20RABELO.pdf?sequence=2&isAllowed=y

Davis-Floyd R. The technocratic, humanistic, and holistic paradigms of childbirth. Int J Gynaecol Obstet. [Internet]. 2001 [citado em 23 dez 2016]; 75(2001):S5-23. Disponível em: http://bhpelopartonormal.pbh.gov.br/estudos_cientificos/arquivos/the_technocratic_humanistic_and_holistic_paradigms_of_childbirth.pdf

Brüggemann OM, Monticelli M. Modelos de atenção no processo do nascimento. In: Brüggemann OM, Oliveira ME, Santos EKA, organizadoras. Enfermagem na atenção obstétrica e neonatal. Florianópolis: Progressiva; 2011. p. 29.

Pereira ALF, Bento AD. Autonomia no parto normal na perspectiva das mulheres atendidas na casa de parto. Rev RENE. [Internet]. 2011 [citado em 03 jan 2017]; 12(3):471-7. Disponível em: http://www.saude.sp.gov.br/resources/humanizacao/biblioteca/artigos-cientificos/a017_-_autonomia_no_parto_normal_na_perspectiva_das_mulheres_atendidas_na_casa_de_parto_-_rene_2011.pdf




DOI: https://doi.org/10.18554/refacs.v7i3.3749

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.