Vivências socioeducativas para promoção da saúde em idosos: avaliando a intervenção

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18554/refacs.v7i2.2676

Palavras-chave:

Saúde do idoso, Processos grupais, Promoção da saúde, Serviços de saúde para idosos, Atenção Primária a Saúde

Resumo

Este estudo tem como objetivo analisar o desenvolvimento de vivências socioeducativas para promover a saúde de um grupo de idosos e avaliar seus impactos. Trata-se de estudo de caso por métodos mistos pela perspectiva transformativa sequencial. Composto pelas fases: relato qualitativo da elaboração e condução da intervenção socioeducativa, abordagem exploratória quantitativa sobre características sociodemográficas e Integração dos Resultados. Foram implementados cinco grupos (média de 22,2 participantes) sendo maioria de mulheres, com baixa escolaridade e sem relacionamento estável. De forma geral os resultados dos grupos oportunizaram: convívio com colegas (26,2%), conhecimento de lugares inéditos (15%), recreação/lazer (15%). Obtendo como principais contribuições: ganhos para a saúde (22,9%), suporte emocional (29,8%), disposição/energia (10,0%), autopercepção de mente ativa (10,0%). A implementação de vivências socioeducativas nos grupos possibilitou reconfigurações dos ganhos para a saúde percebidos pelos idosos. Assim, considera-se que o grupo de vivência apresentou-se como alternativa assistencial que contribuiu para abordagem ampliada ao envelhecimento nos serviços saúde.


Biografia do Autor

Francielle Thaisa Morais Martins, Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM)

Fisioterapeuta. Especialista pelo programa de Residência Integrada Multiprofissional em Saúde, Área de Concentração Saúde do Idoso da Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM).

Fernanda Carolina Camargo, Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM)

Enfermeira. Doutora em Atenção à Saúde. Epidemiologista Clínica da Gerência de Ensino e Pesquisa do Hospital de Clínicas (GEP-HC) da Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM).

Ana Luisa Nunes Marques, Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM)

Enfermeira. Especialista pelo programa de Residência Integrada Multiprofissional em Saúde, Área de Concentração Saúde do Idoso da Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM).

Hayanny Pires Netto Guimarães, Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM)

Nutricionista. Especialista pelo programa de Residência Integrada Multiprofissional em Saúde, Área de Concentração Saúde do Idoso da Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM).

Luana Rodrigues Rosseto Felipe, Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM)

Fisioterapeuta. Especialista pelo programa de Residência Integrada Multiprofissional em Saúde, Área de Concentração Saúde do Idoso da Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM).

Matheus Marques e Marques, Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM)

Fisioterapeuta. Especialista pelo programa de Residência Integrada Multiprofissional em Saúde, Área de Concentração Saúde do Idoso da Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM).

Simone Almeida dos Santos, Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM)

Enfermeira. Especialista pelo programa de Residência Integrada Multiprofissional em Saúde, Área de Concentração Saúde do Idoso da Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM).

Referências

European Commission. Relatório sobre a proposta de decisão do Parlamento Europeu e do Conselho relativa à participação da União no programa de investigação e desenvolvimento «Envelhecimento ativo, vida autónoma e assistida» executado conjuntamente por vários Estados-Membros (COM (2013) 0500 – C7-0219/2013 – 2013/0233 (COD)) [Internet]. 2014 [citado em 5 dez 2018]. Disponível em: http://www.europarl.europa.eu/sides/getDoc.do?pubRef=-//EP//TEXT+REPORT+A7-2014-0076+0+DOC+XML+V0//PT

Nogueira ALG, Munari DB, Santos LF, Oliveira LMAC, Fortuna CM. Therapeutic factors in a group of health promotion for the elderly. Rev Esc Enferm USP. 2013; 47(6):1350-6.

Costa SRD, Castro EAB. Autocuidado do cuidador familiar de adultos ou idosos dependentes após a alta hospitalar. Rev Bras Enferm. 2014; 67(6):979-86.

Silva DM, Silva MAC, Oliveira DS, Alves M. Cotidiano de agentes comunitários de saúde com idosos segundo o referencial de CERTEAU. Cogitare Enferm. [Internet]. 2017 [citado em 05 dez 2018]; (22)4: e50436. Disponível em: http://docs.bvsalud.org/biblioref/2017/12/876437/50436-217953-1-pb.pdf

Machado ARM, Santos WS, Dias FA, Tavares DMS, Munari DB. Potencializando um grupo de terceira idade de uma comunidade rural. Rev Esc Enferm USP. 2015; 49(1):96-103.

Assunção KR. Vivência como uma ferramenta contemporânea: suas contribuições sob a perspectiva dos alunos para o processo de aprendizagem no ensino superior. In: Farias IMS, Lima MSL, Cavalcante MMD, Sales JAM, organizadores. Didática e prática de ensino na relação com a formação de professores. Fortaleza: EdUECE; 2015. p.01-05.

Ferreira VF, Lopes MMV. Health education: challenges for an innovative practice. Rev Enferm UFPE on line [Internet]. 2013 [citado em 05 dez 2018]; 7(esp):5834-6. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaenfermagem/article/view/11867/14313

Nogueira ALG, Munari DB, Santos LF, Oliveira LMAC, Fortuna CM. Fatores terapêuticos identificados em um grupo de Promoção da Saúde de Idosos. Rev Esc Enferm USP. 2013; 47(6):1352-8.

Machado ARM, Santos WS, Dias FA, Tavares DMS, Munari B. Potencializando um grupo de terceira idade de uma comunidade rural. Rev Esc Enferm USP. 2015; 49 (1):96-102.

Tavares DMS, Dias FA, Munari DB. Qualidade de vida de idosos e participação em atividades educativas grupais. Acta Paul Enferm. 2012; 25(4):601-6.

Silva LS, Cotta RMM, Rosa COB. Estratégias de promoção da saúde e prevenção primária para enfrentamento das doenças crônicas: revisão sistemática. Rev Panam Salud Pública. 2013; 34(5):343-9.

Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares, Gerência de Ensino e Pesquisa. Pesquisa e Inovação tecnológica [Internet]. Uberaba, MG: EBSERH; [201-] [citado em 05 dez 2018]. Disponível em: http://www.ebserh.gov.br/web/hc-uftm/setor-de-gestao-da-pesquisa-e-inovacao-tecnologica

Dias FA, Tavares DMS. Fatores associados à participação de idosos em atividades educativas grupais. Rev Gaúch Enferm. 2013; 34(2):70-7.

Silva HO, Carvalho MJAD, Lima FEL, Rodrigues LV. Perfil epidemiológico de idosos frequentadores de grupos de convivência no município de Iguatu, Ceará. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2011; 14(1):123-33.

Santos JLG, Erdmann AL, Meirelles BHS, Lanzoni GMM, Cunha VP, Ross R. Integração entre dados quantitativos e qualitativos em uma Perfil epidemiológico de idosos frequentadores de grupos de convivência no município de Iguatu pesquisa de médodos mistos. Texto & Contexto Enferm. 2017; 26(3):1-9.

Lorenzini E. Pesquisa de métodos mistos nas Ciências da Saúde. Rev cuid. 2017; 8(2):1549-60.

Fortuna CM, Mishima SM, Matumoto S, Pereira MJB. O trabalho em equipe no programa de saúde da família: reflexões a partir de conceitos do processo grupal e de grupos operativos. Rev Latinoam Enferm. 2005; 13(2):262-8.

Camargo FC, Iwamoto, HH, Monteiro DAT, Goulart MB, Garcia LAA, Augusto ALDS, et al. Técnicas empreendidas para difusão da prática baseada em evidências entre enfermeiros hospitalares. REME Rev Min Enferm. [Internet]. 2017 [citado em 05 dez 2018]; 21:e1003. Disponível em: http://www.reme.org.br/artigo/detalhes/1139

Conselho Nacional de Saúde (Brasil). Resolução 466, de 12 de dezembro de 2012. Dispõe sobre diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos [Internet]. D.O.U., Brasília, DF, 13 jul 2013 [citado em 05 dez 2018]. Disponível em: http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2012/reso466.pdf

Fernandes AP, Andrade ACS, Ramos CGC, Friche AAS, Xavier CC, Proietti, FA, et al. Atividade física de lazer no território das academias da Cidade, Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil: o efeito da presença de um programa de promoção da saúde na comunidade. Cad Saúde Pública. 2015; 31(Suppl):S1-S13.

Benedetti TRB, Mazo GZ, Borges LJ. Condições de saúde e nível de atividade física em idosos participantes e não participantes de grupos de convivência de Florianópolis. Ciênc Saúde Colet. 2012; 17(8):2087-93.

Miranda LCV, Soares SM, Silva PAB. Qualidade de vida e fatores associados em idosos de um Centro de Referência à Pessoa Idosa. Ciênc Saúde Colet. 2012; 21(11):3533-44.

Andrade NA, Nascimento MMP, Oliveira MMD, Queiroga RM, Fonseca FLA, Lacerda SNB, et al. Percepção de idosos sobre grupo de convivência: estudo na cidade de Cajazeiras-PB. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2014; 17(1):39-48.

Gil PR, Streit IA, Contreira AR, Naman M, Mazo GZ. Hábitos de lazer e atividade física durante o curso de vida em idosos praticantes de dança. Rev Kairós. 18(2):227-45.

Pitkala KH, Blomquist L, Routasalo P, Saarenheimo M, Karvinen E, Oikarinen U, et al. Leading groups of older people: a description and evaluation of the education of professionals. Educ Gerontol. 2004; 30(10):821-33.

Santos SC, Tonhom SFR, Komatsu RS. Saúde do idoso: reflexões acerca da integralidade do cuidado. Rev Bras Promoç Saúde. 2016; 29:118-27.

Fabris F. A noção de tarefa, pré-tarefa e trabalho na teoria de E. Pichon-Rivière. Cad Psicol Soc Trab. 2014; 17(1):111-17.

European Commission. A pocket guide on the innovation union [Internet]. Luxemburgo: European Commission; 2014 [citado em 05 dez 2018]. 20p. Disponível em: http://ec.europa.eu/research/innovation-union/index_en.cfm

Landeiro MJL, Peres HHC, Martins TV. Avaliação da tecnologia educacional “Cuidar de pessoas dependentes” por familiares cuidadores na mudança e transferência de paciente e alimentação por sonda. Rev Latinoam Enferm. [Internet]. 2016 [citado em 05 dez 2018]; 24:e2774. Disponivel em: http://www.scielo.br/pdf/rlae/v24/pt_0104-1169-rlae-24-02774.pdf

Publicado

2019-05-14

Edição

Seção

Artigos originais