O perfil do desenvolvimento motor de crianças praticantes e não praticantes do futsal

Gustavo Armando Aparecido da Silva Pereira, Vitor Luiz de Andrade

Resumo


Objetivo: O estudo objetivou avaliar o desempenho psicomotor de crianças praticantes e não praticantes do futsal e verificar o eventual benefício do esporte. Métodos: Participaram do estudo 20 crianças do sexo masculino de 7 anos distribuídas em dois grupos. O grupo que não pratica futsal (GNP) foi selecionado em uma escola pública de ensino fundamental I, as crianças praticantes de futsal foram recrutadas em projeto social (GP). Os dados foram coletados através da bateria de testes psicomotores proposta por Rosa Neto. Resultados: O GP (100,8 ± 6,2 meses) é significativamente melhor na idade motora geral em relação ao GNP (92,6 ± 3,2 meses; t = 1,734; p = 0,0003). Os resultados sugerem que o esporte contribui positivamente para o desenvolvimento psicomotor das crianças. Conclusões. Mesmo sendo praticado de forma sistematizada e com movimentos específicos do esporte, o futsal oferece diversidade de movimentos, com alto índice de estímulo neuromuscular, o que pode justificar a diferença entre os grupos.


Palavras-chave


desenvolvimento motor, psicomotricidade, futsal

Texto completo:

P.41-43

Referências


Lussac RMP. Psicomotricidade: história, desenvolvimento, conceitos, definições e intervenção profissional. efdeportes Revista Digital - Buenos Aires. 2008; 13(126).

Oliveira GCC. Psicomotricidade: educação e reeducação em um enfoque psicopedagógico. Petrópolis: Vozes; 1997.

Santos S, Dantas L, Oliveira JA. Desenvolvimento motor de crianças, de idosos e de pessoas com transtornos na coordenação. Rev paul Educ Fís. 2004; 18.

Ferreira V. Educação física, interdisciplinaridade, aprendizagem e inclusão. Rio de Janeiro: Sprint; 2006.

Rodrigues D. A Educação Física perante a Educação Inclusiva: reflexões conceptuais e metodológicas. Boletim da Sociedade Portuguesa de Educação Física. Lisboa; 2001. p. 73-81.

Bernink MJ, Erich WB, Peltenburg AL, Zonderland ML, Huisveld IA. Height, body composition, biological maturation and training in relation to socio-economic status in girl gymnasts, swimmers, and controls. Growth. 1983; 47(1): 1-12.

Falgairette G, Bedu M, Fellmann N, Van-Praagh E, Coudert J. Bio-energetic profile in 144 boys aged from 6 to 15 years with special reference to sexual maturation. Europeanjournalofappliedphysiologyandoccupationalphysiology. 1991; 62(3): 151-6.

Lazzoli JK, Nóbrega ACLd, Carvalho Td, Oliveira MABd, Teixeira JAC, Leitão MB, et al. Atividade física e saúde na infância e adolescência. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. 1998; 4: 107-9.

Leandro ALGC. Contributo da reeducação psicomotora para ultrapassar as dificuldades de aprendizagem de um aluno com dislexia. (Estudo de Caso). Lisboa: Escola Superior de Educação João de Deus; 2013.

Rosa Neto F. Manual de Avaliação Motora. Porto Alegre: ARTMED; 2002.

Gallahue DL, Ozmun JC, Goodway JD. Compreendendo o Desenvolvimento Motor - 7ed: Bebês, Crianças, Adolescentes e Adultos: AMGH Editora; 2013.

Filgueira FM. Futebol: uma visão da iniciação esportiva: Ribergráfica; 2004.

Fechio JJ, Cichowicz FDA, Castro NM, Alves H. Especialização esportiva precoce: uma revisão. EFdeportes, Revista Digital Buenos Aires 2012; 17(169).




DOI: https://doi.org/10.17648/aces.v6n1.2168

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

 

Licença Creative Commons
Arquivos de Ciências do Esporte de Universidade Federal do Triângulo Mineiro está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.
Baseado no trabalho disponível em http://seer.uftm.edu.br/revistaeletronica/index.php/aces.
Podem estar disponíveis autorizações adicionais às concedidas no âmbito desta licença em http://seer.uftm.edu.br/revistaeletronica/index.php/aces.