Efeito agudo do protocolo Tabata com saltos múltiplos sobre os níveis de glicose e triglicerídeos

Dayanne Sampaio Antonio, Susana Padoin, Júlia de Gois Quevedo, Jean Christian Rita Geisel, Mônica Raquel Sbeghen, Patrick Zawadzki

Resumo


Objetivo: o objetivo deste estudo foi avaliar a principal fonte energética durante a aplicação do protocolo Tabata com múltiplos saltos. Métodos: Participaram do estudo doze acadêmicos, homens, saudáveis e fisicamente ativos, divididos aleatoriamente em grupo intervenção (GI, n=8) e grupo controle (GC, n=4). O protocolo consistiu em oito séries de vinte segundos em intensidade subjetiva máxima de múltiplos saltos com contra movimento, com dez segundos de descanso passivo. As coletas sanguíneas ocorreram antes e após 40 minutos do término do teste para o GI e apenas pré-teste para o GC. Resultados: Observou-se no GI uma elevação nos níveis de glicose de 3 mg/dL (pré=76,5 ± 11,34 mg/dL; pós=79,5 ± 12,28 mg/dL) e redução de 7,5 mg/dL nos níveis de triglicerídeos (pré=61 ± 25,16 mg/dL; pós=53,5 ± 19,34 mg/dL). Entretanto, nenhum resultado apresentou diferença significativa (p>0,05). Conclusão: Conclui-se que os níveis de glicose e triglicerídeos não sofrem alterações de forma significativa após uma única sessão do protocolo Tabata com múltiplos saltos, discute-se como motivos o curto período de aplicação do protocolo e observação do estudo, e a pequena amostra de coletas sanguíneas.


Palavras-chave


glicose, triglicerídeos, treinamento intervalado de alta intensidade

Texto completo:

P.149-151

Referências


Kater DP et al. Anabolismo pós-exercício: influência do consumo de carboidratos e proteínas. Coll Vitae, 2011; 3(2): 34-43.

Batacan RB Jr. et al. Effects of high-intensity interval training on cardiometabolic health: a systematic review and meta-analysis of intervention studies. Sports Med, 2017; 51: 494-503.

Burgomaster, KA et al. Divergent response of metabolite transport proteins in human skeletal muscle after sprint interval training and detraining. Am J Physiol Cell Physiol, 2007; 292: 1970-1976.

Ferguson, Michael A. et al. Effects of four different single exercise sessions on lipids, lipoproteins, and lipoprotein lipase. J Appl Physiol, 1998; 85(3): 1169-74.

Collrisco I et al. Effects of interval aerobic training combined with strength exercise on body composition, glycaemic and lipid profile and aerobic capacity of obese rats. J Sports Sci, 2015; 34(15): 1-9.

Tsekouras YE et al. High-intensity interval aerobic training reduces hepatic very low-density lipoprotein-triglyceride secretion rate in men. Am J Phys End Met, 2008; 295(4): 851-858.

Whyte LJ et al. Effects of single bout of very high-intensity exercise on metabolic health biomarkers in overweight/obese men. Metabolism, 2013; 62(2): 212-219.

Durstine JL et al. Lipids, lipoproteins, and exercise. J Cardiopulm Rehabil, 2002; 22(6): 385-398.

Barrile SR et al. Efeito agudo do exercício aeróbio na glicemia em diabéticos 2 sob medicação. Rev Bras Med Esporte, 2015; 21(5): 360-363.

Lima-Silva AE et al. Metabolismo do glicogênio muscular durante o exercício físico: mecanismos de regulação. Rev Nutrição, 2007; 20(4): 417-429.

Tabata I et al. Effects of moderate-intensity endurance and high-intensity intermittent training on anaerobic capacity and VO2max. Med & Sci Sports & Exerc, 1996; 28(10): 1327-1330.

Towler MC, Hardie G. AMP-Activated protein kinase in metabolic control and insulin signaling. Circulation Res, 2007; 100: 328–341.

Horowitz JF, Klein S. Lipid metabolism during endurance exercise. Am J Clin Nutr, 2000; 72(2): 558-563.

Kessler HS, Sisson SB, Short KR. The potential for high-intensity interval training to reduce cardiometabolic disease risk. Sports Med, 2012; 42(6): 489-509.

Babraj JA et al. Extremely short duration high intensity interval training substantially improves insulin action in young healthy males. BMC Endocr Disord, 2009; 9(3): 1-8.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

 

Licença Creative Commons
Arquivos de Ciências do Esporte da Universidade Federal do Triângulo Mineiro está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.
Baseado no trabalho disponível em http://seer.uftm.edu.br/revistaeletronica/index.php/aces.
Podem estar disponíveis autorizações adicionais às concedidas no âmbito desta licença em http://seer.uftm.edu.br/revistaeletronica/index.php/aces.