Avaliação do arco plantar de corredoras e correlação com a função dos músculos do assoalho pélvico.

Rafaela de Melo Silva, Kamilla Bárbara Arruda Duarte, Letícia Souza Franqueiro, Frederico Tadeu Deloroso, Maita Poli Araújo, Marair Gracio Ferreira Sartori, Ana Paula Magalhães Resende

Resumo


Objetivo: O presente estudo tem como objetivo mensurar o arco plantar de mulheres corredoras e correlacionar com a função dos músculos do assoalho pélvico. Métodos: Trata-se de um estudo transversal, descritivo e observacional, aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa na Universidade Federal de Uberlândia (No. 1451984/2016). Foram incluídas 26 atletas corredoras no estudo. O protocolo de pesquisa foi dividido em duas etapas. Inicialmente foi realizada a avaliação dos músculos do assoalho pélvico por palpação vaginal (graduada pela Escala de Oxford) e posteriormente pela manometria de pressão, utilizando um perineômetro. Em seguida, foi realizada a fotopodoscopia, com os pés descalços, apoio bipodal e postura ortostática com braços ao longo do corpo, sendo a imagem da impressão plantar refletida no espelho foi capturada por uma câmera. Resultados: Não foram encontradas correlações entre o tamanho do arco plantar e a função dos músculos do assoalho pélvico. As atletas apresentaram baixa força muscular de assoalho pélvico mensurada pela manometria de pressão (pico de contração: 46,10(29,34) cmH2O). Ainda, foi encontrada alta prevalência de incontinência urinária entre as atletas (9 mulheres relataram perda involuntária de urina durante a prática da corrida, o que representa 34,6% da amostra). Conclusão: Não foi encontrada correlação entre o arco plantar e a função dos músculos do assolho pélvico de atletas corredoras.


Palavras-chave


assoalho pélvico, esportes, atletas, fisioterapia

Texto completo:

P.33-36

Referências


Van Middelkoop M, Kolkman J, Bierma-Zeinstra SM, Koes B. Prevalence and incidence of lower extremity injuries in male marathon runners. Scand J Med Sci Sports 2008; 18(2):140-4.

Kanstrup, IL. Women and sports-still fewer restrictions and something to be learned for both sexes? Scand J Med Sci Sports 2005;15(2):67-8.

Luginbuehl H, Greter C, Gruenenfelder D, Baeyens JP, Kuhn A, Radlinger L. Intra-session test–retest reliability of pelvic floor muscle electromyography during running. Int Urogynecol J 2013; 24(9):1515-22.

Junior EA, Bella ZIJD, Zanetti MRD, Araújo MP, Petricelli CD, Martins WP, Alexandre SM, Nakamura MU. Assessment of pelvic floor of women runners by three-dimensional ultrasonography and surface electromyography. A pilot study. Med Ultrason 2014; 16(1): 21-6.

Haylen BT, de Ridder D, Freeman RM, Swift SE, Berghmans B, Lee J, Monga A, Petri E, Rizk DE, Sand PK, Schaer GN. An International Urogynecological Association (IUGA/International Continence Society (ICS) joint report on the terminolgy for female pelvic floor dysfunction. Neurol Urodyn 2010; 29(1):4-20.

Almeida MBA, Barra AA, Figueiro EM, Velloso FSB, Silva AL, Monteiro MVC, Rodrigues AM. Disfunções de assoalho pélvico em atletas. Femina 2011; 39(8):395-402.

Barros JD, Lucena ACT, Anselmo CWSF. Incontinência urinária de esforço em atletas do sexo feminino: uma revisão da literatura. An. Fac. Med. Univ. Fed. Pernamb 2007; 52(2):173-180.

Ferreira S, Ferreira M, Carvalhais A, Santos PC, Rocha P, Brochado G. Reeducation of pelvic floor muscles in volleyball athletes. Rev Assoc Med Bras 2014; 60(5):428-433.

Bricot, B. Posturologia. 3. ed. São Paulo: Ícone, 2004.

Weber, B. Posturologia: regulação e distúrbios da posição ortostática. 2. ed. São Paulo: Manole, 2000.

Nygaard IE, Thompson FL, Svengalis SL, Albright JP. Urinary incontinence in elite nulliparous athletes. Obstet Gynecol 1994; 84(2):183-7.

Bennell K, Crossley K, Jayarajan J, Walton E, Warden S, Kiss ZS, Wrigley T. Ground reaction forces and bone parameters in females with tibial stress fracture. Med Sci Sports Exerc 2004; 36(3):397-404.

Brunieira CAV. Análise biomecânica da locomoção humana: Andar e correr. Treinamento Desportivo 1998; 3(3):54-61.

Viladot P. A Patologia do antepé. 3ª edição. São Paulo: Roca Ltda, 1987. 303 p.

Ribeiro AP, Trombini-Souza F, Iunes DH, Monte-Raso VV. Confiabilidade inter e intra-examinador da fotopodometria e intra-examinador da fotopodoscopia. Rev Bras Fisioter 2006; 10(4): 435-9.

Nygaard IE, Glowacki C, Saltzman CL. Relationship Between foot flexibility and urinary incontinence in nulliparous varsity athletes. Obstet Gynecol 1996; 87(6): 1049-51.

Bo K, Finckenhagen HB. Vaginal palpation of pelvic floor muscle strength: inter-test reproducibility and comparison between palpation and vaginal squeeze pressure. Acta Obstet Gynecol Scand 2001; 80(10):883-7.

Ferreira CH, Barbosa PB, de Oliveira Souza F, Antônio FI, Franco MM, Bo K. Inter-rater reliability study of the modified Oxford Grading Scale and the Peritron manometer. Physiotherapy 2011; 97(2):132-8.

Pereira VS, Hirakawa HS, Oliveira AB, Driusso P. Relationship among vaginal palpation, vaginal squeeze pressure, electromyographic and ultrasonographic variables of female pelvic floor muscles. Braz J Phys Ther 2014; 18(5):428-34.

Laycock J, Jerwood D. Pelvic Floor Muscle Assessment: The PERFECT Scheme. Physiotherapy 2001; 87(12):631- 42.

Staheli LT, Chew DE, Corbett M. The longitudinal arch. J Bone Joint Surg Am 1987; 69(3):426-8.

Cavanagh PR, Rodgers MM. The arch index: an useful measure from footprints. J Biomech 1987; 20(5):547-51.

Bo K, Sherburn M. Evaluation of female pelvic-floor muscle function and strength. Phys Ther 2005; 85:269–82.

Broso R, Subrizi R. Gynecologic problems in female athletes. Minerva Ginecol 1996; 48(3): 99-106.

Bo K. Urinary incontinence, pelvic floor dysfunction, exercise and sport. Sports Med 2004; 34(7):451-64.

Kruger JA, Dietz HP, Murphy BA. Pelvic floor function in elite nulliparous athletes. Ultrasound Obstet Gynecol. 2007;30(1):81-5.

Araújo MP, Oliveira E, Zucchi EVM, Trevisani VFM, Girão MJB, Sartori MGF. Relação entre incontinência urinária em mulheres atletas corredoras de longa distância e distúrbio alimentar. Rev Assoc Med Bras 2008; 54(2): 146-9.

Maia M, Da Roza T, Mascarenhas T. Female athlete pelvic floor–urogynecological overview. O pavimento pélvico da mulher atleta–perspectiva uroginecológica. Acta Obstet Ginecol Port 2015; 9(1): 56-64.

Araujo MP, Parmigiano TR, Negra LGD, Torelli L, Carvalho CG, Wo L, Manito ACA, Girão MJBC, Sartori MGF. Avaliação do assoalho pélvico de atletas: existe relação com a incontinência urinária? Rev Bras Med Esporte 2015; 21(6): 442-6.

Verelest M, Leivseth G. Are fatigue and disturbances in preprogramed activity of pelvic floor muscles associated with female stress urinary incontinence? Neurourol Urodyn 2004; 23(2):143-7.)

Antunes MB, Manso VMC, Andrade NVS. Análise dos sinais e sintomas da incontinência urinária de esforço em mulheres de 25 a 50 anos praticantes de atividades físicas em academias. Ensaios e Ciência 2011; 15(1): 83-95.

Iguana Sports. A primeira pesquisa sobre a corrida feminina no Brasil: Brasil. 2014. Disponível em: . [20 ag 17].




DOI: https://doi.org/10.17648/aces.v7n1.3503

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

 

Licença Creative Commons
Arquivos de Ciências do Esporte da Universidade Federal do Triângulo Mineiro está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.
Baseado no trabalho disponível em http://seer.uftm.edu.br/revistaeletronica/index.php/aces.
Podem estar disponíveis autorizações adicionais às concedidas no âmbito desta licença em http://seer.uftm.edu.br/revistaeletronica/index.php/aces.