Articulação ensino-serviço: estratégia para formação e educação permanente em saúde

Márcia Schott

Resumo


A integração ensino-serviço-comunidade está entre as diretrizes para educação superior e propicia educação permanente para os trabalhadores da saúde no Brasil, no sentido de formar profissionais preparados para atuação no Sistema Único de Saúde (SUS). Este é um relato de experiência que tem como objetivo apresentar a perspectiva integradora de uma prática de ensino numa universidade pública federal. A prática foi intitulada Módulo Prática de Ensino na Comunidade (PEC), tendo como local o Campus Prof. Antônio Garcia Filho da Universidade Federal de Sergipe, em Lagarto. Essa inserção nos serviços de saúde e na comunidade se dá desde o primeiro ano letivo. Trata-se de uma prática educativa que integra o ensino e o serviço tentando fazer com que a educação pelo trabalho possa ser também um caminho promissor para indução da educação permanente no cotidiano dos serviços. Nesse processo destaca-se ainda a criação de vínculos com a comunidade, que fomenta em todos os sujeitos envolvidos a participação popular para transformação social e fortalecimento da cidadania.


Palavras-chave


Educação; Atenção primária à saúde; Participação da comunidade

Referências


Conselho Nacional de Educação. Parecer CNE/CES nº 67, de 3 de novembro de 2003. Referencial para as Diretrizes Curriculares Nacionais - DCN dos Cursos de Graduação [Internet]. Brasília, DF, 2003 [Citado em 17 jan 2016]. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CES0067.pdf.

Freire P. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra; 2010.

Schott M. Educação permanente em saúde - implementação da Política no estado de São Paulo. [tese]. Campinas, SP: Universidade Estadual de Campinas/UNICAMP; 2014. 302f.

Rovere MR. Gestion de la educación permanente: una relectura desde una perspectiva estratégica. Educ Med Salud. 1993; 27(4):489-515.

Ministério da Saúde (Br). 12ª Conferência Nacional de Saúde: Conferência Sérgio Arouca. Relatório Final. Brasília: Conselho Nacional de Saúde; 2004.

Freire P. Ideologia e educação: reflexões sobre a não neutralidade da educação. In: Gadotti M. A educação contra a educação. 3ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra; 1984.

Lima LC. Educação ao longo da vida: entre a mão direita e a mão esquerda de Miró. São Paulo: Cortez; 2007.

Albuquerque GSC, Torres AÁR, Nascimento B, Martin BM, Gracia DFK, Orlando JMM, et al. Educação pelo trabalho para a formação do médico. Trab Educ Saúde. 2013; 11(2):411-30.

Kosik K. Dialética do concreto. 2ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra; 2010.

Konder L. O que é dialética. 27ed. São Paulo. Brasiliense; 2008.

Severino AJ. Fundamentos ético-políticos da educação no Brasil de hoje. In: Lima JCF, Neves LMW. (Org.). Fundamentos da educação escolar do Brasil contemporâneo. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz; 2006. p.289-320.

Frigotto G. Trabalho, conhecimento, consciência e a educação do trabalhador. In: Gomez CM, Frigotto G, Arruda M, Arroyo M, Nosella P. et al. (Org.). Trabalho e conhecimento: dilemas na educação do trabalhador. 6ed. São Paulo: Editora Cortez; 2012. p. 19-38.

Dewey J. Experiência e educação. Tradução de Renata Gaspar. 2ed. Petrópolis: Vozes; 2011.

Moreira COF. Entre o indivíduo e a sociedade: um estudo da filosofia da educação de John Dewey. Bragança Paulista, SP: EDUSF; 2002.

Berbel NAN. Metodologia da problematização: experiências com questões de ensino superior. Londrina: EDUEL; 1998.

Barata RB. Como e por que as desigualdades sociais fazem mal à saúde. Rio de Janeiro: Fiocruz; 2012.




DOI: https://doi.org/10.18554/refacs.v6i2.2825

Apontamentos

  • Não há apontamentos.