Confecção e tentativa de inserção da luva terapêutica em contexto hospitalar: relato de caso

Fabiana Silva Alves Corrêa, Karina Piccin Zanni, Luana Rodrigues Oliveira Tosta

Resumo


O objetivo deste estudo é apresentar a construção, experiência e tentativa de inserção do recurso da luva terapêutica em contexto hospitalar com recém nascido pré-termo. Trata-se da descrição de uma experiência desenvolvida em contexto hospitalar, no período de abril a dezembro do ano de 2016. A narrativa tem o enfoque de descrever o início dos testes das luvas com os recém nascido pré-termo, destacando os resultados iniciais em um hospital publico. A luva terapêutica é um dispositivo de posicionamento que, aliado ao aroma materno, tem seu efeito terapêutico potencializado. Nos testes inicias desta experiência, foi possível observar a mudança comportamental do bebê após se aconchegar na luva terapêutica, mesmo sem a introdução do aroma materno, bem como a diversidade de posicionamentos presumíveis com o uso da luva terapêutica. Por sua vez, verificou-se dificuldade de inserção de novas alternativas terapêuticas em contexto hospitalar.


Palavras-chave


RRecém-nascido; Humanização da assistência; Equipamentos e provisões

Referências


Organização Mundial de Saúde. Meeting of advisory group on maternal nutrition and low birthweight [Internet]. Genebra: OMS; 2002 [citado em 20 de set. 2018]. 43p. Disponível em: https://www.who.int/nutrition/publications/advisory_group_lbw.pdf

Bragheto ACM, Vilela AJ. Suporte psicológico às mães de prematuros em uma UTI neonatal: relato de experiência. Saúde Trasnform Soc. [Internet]. 2011 [Citado em 5 out 2018]; 1(3):174-8. Disponível em: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=265319573022

Governo do Brasil. Brasil está entre os dez países com o maior número de partos prematuros, aponta OMS [Internet]. Brasília, 23 dez 2017 [citado em 16 set 2018]. Disponível em: http://www.brasil.gov.br/noticias/saude/2012/05/brasil-esta-entre-os-dez-paises-com-o-maior-numero-de-partos-prematuros-aponta-oms

Datasus. Informações de saúde (TABNET): estatísticas vitais [Internet]. Brasília, DF: DATASUS; [200-] [citado em 29 ago 2018]. Disponível em: http://www2.datasus.gov.br/DATASUS/index.php?area=0205&id=23253854&VObj=http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/deftohtm.exe?sim/cnv/evita10

Ministério da Saúde (Br). Atenção à saúde do recém-nascido: guia para os profissionais de saúde. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2011.

Araújo BBM, Rodrigues BMRD. Vivências e perspectivas maternas na internação do filho prematuro em unidade de tratamento intensivo neonatal. Rev Esc Enferm USP. [Internet]. 2010 [citado em 10 nov 2018]; 44(4):865-72. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v44n4/02.pdf DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0080-62342010000400002

Morais GS. Intervenções não farmacológicas para alívio da dor em prematuros: uma revisão integrativa. [Monografia]. Brasília, DF: Universidade de Brasília; 2013.

Deslandes SF. Análise do discurso oficial sobre a humanização da assistência hospitalar. Ciênc Saúde Colet. [Internet]. 2004 [citado em 22 out 2018]; 9(1):7-14. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v9n1/19819.pdf. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232004000100002

Ministério da Saúde (Br). Atenção humanizada ao recém-nascido de baixo peso: método mãe canguru. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2002.

Gontijo TL, Xavier CC, Freitas MIF. Avaliação da implantação do método canguru por gestores, profissionais e mães de recém-nascidos. Cad Saúde Pública [Internet]. 2012 [citado em 25 set 2018]; 28(5):935-44. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csp/v28n5/12.pdf DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2012000500012

Winnicott DW. Natureza humana. Rio de Janeiro: Imago; 1990.

Silva SG. Do feto ao bebê: Winnicott e as primeiras relações materno-infantis. Psicol Clín. 2016; 28(2):29-54.

Lamy ZC, Gomes MASM, Gianini NOM, Hennig MAS. Atenção humanizada ao recém-nascido de baixo peso - método canguru: a proposta brasileira. Ciênc Saúde Colet. [Internet]. 2005 [citado em 10 jan 2017]; (3):659-68. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v10n3/a22v10n3.pdf

Winnicott DW. Da pediatria à psicanálise: obras escolhidas. Bogomoletz, DL, tradutor. Rio de Janeiro: Imago; 2000.

Russell K, Weaver B, Vogel R. Neuroprotective core measure 2: partnering with families - effects of a weighted maternally-scented parental simulation device on premature infants in neonatal intensive care. Newborn Infant Nurs Rev. 2015; 15(3):97-103.

Ministério da Saúde (Br), Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas, Coordenação Geral de Saúde da Criança e Aleitamento Materno. Nota Técnica nº 08/2017. Utilização do “octupus” nas unidades neonatais [Internet]. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2017. Disponível em: http://www.corensc.gov.br/wp-content/uploads/2017/09/Nota-Tecnica-n-8-de-2017.pdf

Ivo F. Dispositivo inventado por grupo da UFMG desvenda necessidades de recém-nascidos. Hoje em Dia [Internet], Belo Horizonte, 27 nov 2017 [citado em 15 maio 2018]. Disponível em: http://hojeemdia.com.br/horizontes/dispositivo-inventado-por-grupo-da-ufmg-desvenda-necessidades-de-rec%C3%A9m-nascidos-1.576680

Tronco CS, Padoin SMM, Paula CC, Terra MG, Rodrigues AP, Aldrighi JD. “Não esperava que nascesse antes” – vivência materna diante da internação na unidade de terapia intensiva neonatal. Cogitare Enferm. [Internet]. 2015 [citado em 10 jan 2017]; 20(1):53-9. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/cogitare/article/view/38141/24839

Belo F, Scodeler K. A importância do brincar em Winnicott e Schiller. Tempo Psicanál. [Internet]. 2013 [citado em 10 maio 2018]; 45(1):91-101. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/tpsi/v45n1/v45n1a07.pdf




DOI: https://doi.org/10.18554/refacs.v7i2.3159

Apontamentos

  • Não há apontamentos.