Perfil sociodemográfico e acesso à assistência pré-natal das puérperas de um hospital público

Márcia Regina Campos Costa da Fonseca, Paola Visnardi, Maria Cristina Traldi

Resumo


Este estudo tem como objetivo verificar a associação entre perfil sociodemográfico e acesso ao pré-natal de puérperas que tiveram seus partos em um hospital público do interior de São Paulo. Trata-se de estudo descritivo, transversal, quantitativo, realizado com 261 puérperas, no segundo semestre de 2016, das quais: 99,6% tiveram acesso ao pré-natal, 87,3% iniciaram o acompanhamento durante o primeiro trimestre da gestação e 91,9% realizaram seis ou mais consultas. As puérperas sem ocupação no mercado de trabalho tiveram menor acesso às consultas pré-natal. A participação de ações de educação em saúde se deu apenas com 18% das pesquisadas. O acesso ao pré-natal caminha para a universalização nos aspectos da captação precoce e número de consultas. Persistem desigualdades no acesso em grupos específicos, exigindo ações estratégias efetivas para inclusão desses contingentes.


Palavras-chave


Saúde da mulher; Cuidado pré-natal; Fatores socioeconômicos; Saúde materno-infantil; Educação em saúde

Referências


Ministério da Saúde (Br). Assistência pré-natal: manual técnico. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2000.

Gonçalves MLC, Silva HO, Oliveira TA, Rodrigues LV, Campos ALA. Perfil sociodemográfico e obstétrico de puérperas assistidas no município de Iguatu – CE, Brasil. Rev Bras Promoç Saúde. 2012; 25(Supl2):33-9.

Macdonald M, Starrs A. La atencion calificada durante el parto: un cuaderno informativo para salvar la vida de las mujeres y mejorar la salud de los recén nacidos [Internet]. New York: Family Care Internacional; 2003 [citado em 11 maio 2016]. Disponível em: http://www.familycareintl.org/UserFiles/File/Skilled%20Care%20Info%20Kit%20PDFs/Spanish/spanish%20policy.pdf

Ministério da Saúde (Br), Secretaria Executiva. Programa humanização do parto: humanização no pré-natal e nascimento. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2002.

Ministério da Saúde (Br), Secretaria de Atenção à Saúde. Pré-natal e puerpério: atenção qualificada e humanizada. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2005.

Ministério da Saúde (Br). Portaria 1459 de 24 de Junho de 2011. Institui, no âmbito do Sistema Único de Saúde - SUS - a Rede Cegonha. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2011.

Cruz RSBLC, Caminha MFC, Batista Filho M. Aspectos históricos, conceituais e organizativos do pré-natal, Brasil. Rev Bras Ciênc Saúde. 2014; 18(1):87-94.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, Coordenação de Trabalho e Desenvolvimento. Pesquisa nacional de saúde: 2013: ciclos de vida: Brasil e grandes regiões. Rio de Janeiro: IBGE; 2015.

Neumann NA, Tanaka OY, Victora CG, Cesar JA. Qualidade e eqüidade da atenção ao pré-natal e ao parto em Criciúma, Santa Catarina, Sul do Brasil. Rev Bras Epidemiol. 2003; 4(1):307-18.

Trevisan MR, Lorenzi DRS, Araújo NM, Ésber K. Perfil da assistência pré-natal entre usuárias do Sistema Único de Saúde em Caxias do Sul. Rev Bras Ginecol Obstet. 2002; 24(5):293-9.

Coimbra LC, Silva AAM, Mochel EG, Alves MTSSB, Ribeiro VS, Aragão VMF, et al. Fatores associados à inadequação do uso da assistência pré-natal. Rev Saúde Pública. 2003; 37(4):456-62.

Viellas EF, Domingues RMSM, Dias MAB, Gama SGN, Theme Filha MM, Costa JV, et al. Assistência pré-natal no Brasil. Cad Saúde Pública. 2014; 30:S85-S100.

Ministério da Saúde (Br). DATASUS. Informações de Saúde. Nascidos vivos por residência da mãe segundo regiões e unidade de federação 2004-2014 [Internet]. Brasília, DF: Ministério da Saúde; [201-] [citado em 11 out 2016]. Disponível em: http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/tabcgi.exe?sinasc/cnv/nvuf.def

Oliveira SC, Ferreira JG, Silva PMP, Ferreira JM, Seabra RA, Fernando VCN. A participação do homem/pai no acompanhamento da assistência pré-natal. Cogitare Enferm. 2009; 14(1):73-8.

Traldi MC, Galvão P, Fonseca MRCC. Avaliação do pré-natal de gestantes da região de Jundiaí-SP, Brasil: índice de Kotelchuck. Rev Saúde UnG [Internet]. 2014 [acesso em 26 set 2015]; 8:(1/2). Disponível em: http://revistas.ung.br/index.php/saude/article/view/1727/1530

Gomes RMT, César JA. Perfil epidemiológico de gestantes e qualidade do pré-natal em unidade básica de saúde em Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2013; 8(27):80-9.

Peixoto CR, Lima TM, Costa CC, Freitas LV, Oliveira AS, Damasceno AKC. Perfil das gestantes atendidas no serviço de pré-natal das unidades básicas de saúde de Fortaleza-CE. REME Rev Min Enferm. 2012; 16(2):171-7.

Ribeiro CDS, Souza JCO, Cunha KJB, Santos TMG, Moura MEB. Caracterização sócio demográfica das mães dos recém-nascidos admitidos na UTI de uma maternidade pública de Teresina-PI. Rev Interdisciplin NOVAFAPI [Internet]. 2011 [citado em 26 set 2015]; 4(2):46-50. Disponível em: https://revistainterdisciplinar.uninovafapi.edu.br/revistainterdisciplinar/v4n2/pesquisa/p7_v4n2..pdf

Lima MLLT, Assis ABR, Mercês GB, Barros PF, Griz SMS. Triagem auditiva: perfil socioeconômico de mãe. Rev CECAF [Internet]. 2008 [citado em 26 set 2015]; 10(2):254-60. [Citado em 14 out 2016]. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rcefac/v10n2/a16v10n2

Fonseca MRCC, Laurenti R, Marin CR, Traldi MC. Ganho de peso gestacional e peso ao nascer do concepto: estudo transversal na região de Jundiaí, São Paulo, Brasil. Ciênc Saúde Colet. 2014; 19(5):1401-7.

Leite FMC, Barbosa TKO, Mota JS, Nascimento LCN, Amorim MHC, Primo CC. Perfil socioeconômico e obstétrico de puérperas assistidas em uma maternidade filantrópica. Cogitare Enferm. 2012; 18(2):334-50.

Domingues RMSM, Viellas EF, Dias MAB, Torres JA, Theme-Filha MM, Gama SGN, et al. Adequação da assistência pré-natal segundo as características maternas no Brasil. Rev Panam Salud Pública. 2015; 37(3):140-7.

Paris GF, Pelloso SM, Martins PM. Qualidade da assistência pré-natal nos serviços públicos e privados. Rev Bras Ginecol Obstet. 2013; 35(10):447-52.

Cicuto AG, Belisário CRL, Tavares BB. A satisfação das puérperas com o seu parto. Invest Educ Enferm. 2012; 30(2):208-14.

Pereira PHG, Antón AGS, Vieira Junior WS, Domingues RAD, Melo AL, Farias CS, et al. Fatores associados ao acesso tardio ao pré-natal do Centro de Saúde n° 1 do Paranoá, 2005. Comun Ciênc Saúde. 2006; 17(2):101-10.

Bastos FI, Bertoni N, organizadores. Pesquisa nacional sobre o uso de crack: quem são os usuários de crack e/ou similares do Brasil? Quantos são nas capitais brasileiras? [Internet]. Rio de Janeiro: ICICT/FIOCRUZ; 2014 [citado em 13 jul 2017]. Disponível em: http://www.icict.fiocruz.br/sites/www.icict.fiocruz.br/files/Pesquisa%20Nacional%20sobre%20o%20Uso%20de%20Crack.pdf

Vilas Boas LMFM, Araújo MBS, Timóteo RPS. A prática gerencial do enfermeiro no PSF na perspectiva da sua ação pedagógica educativa: uma breve reflexão. Ciênc Saúde Colet. 2008; 13(4):1355-60.

Rios CTF, Vierira NFC. As ações educativas no pré-natal: reflexões sobre a consulta de enfermagem como um espaço para educação em saúde. Ciênc Saúde Colet. 2007; 12(2):477-86.

Marcondes MM, Pinheiro L, Queiroz C, Querino AC, Valverde D, organizadoras. Dossiê mulheres negras: retrato das condições de vida das mulheres negras no Brasil [Internet]. Brasília: IPEA; 2013 [citado em 15 jul 2017]. Disponível em: http://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/livros/livros/livro_dossie_mulheres_negras.pdf




DOI: https://doi.org/10.18554/refacs.v7i1.3535

Apontamentos

  • Não há apontamentos.