Conhecimento e satisfação dos usuários de uma unidade básica sobre os serviços de saúde

Gilda Mayumi Garcez da Silva Honda, Jéssica Carvalho Lima, Marilita Falangola Accioly, Lislei Jorge Patrizzi Martins, Suraya Gomes Novais Shimano, Isabel Aparecida Porcatti de Walsh

Resumo


Este é um estudo quantitativo, realizado em 2015, com o objetivo de verificar o conhecimento e satisfação dos usuários de uma Unidade Básica de Saúde do Município de Uberaba, MG sobre os serviços do Sistema Único de Saúde. Foi aplicado um questionário semiestruturado a usuários que aguardavam atendimento na sala de espera. Participaram 370 usuários, sendo 273 (73,8%) mulheres, com idades idade entre 18 e 99 (45,19±16,47) anos. A média de satisfação com os serviços em uma escala de 0 a 10 foi de 7,26±2,21. A investigação do conhecimento dos participantes sobre a os serviços oferecidos pela Unidade Básica de Saúde indicou que a vacinação (88,4%), acompanhamento pré-natal (81,6%), tratamento dentário (81,4%), saúde bucal (75,4%) e exame preventivo para câncer de colo de útero (74,3%) foram os mais reconhecidos. A maioria desconhece o serviço de acompanhamento para cessação tabágica (53%). Na avaliação do conhecimento dos serviços da Rede de Atenção à saúde (55,1%) e que cuidados de baixa complexidade e gravidade poderiam ser resolvidas na Unidade Básica (60,8%) responderam adequadamente. Os usuários são esclarecidos quanto: à universalidade e a gratuidade, ações de prevenção de doenças e promoção da saúde, mas demonstraram dificuldade em associar a atenção básica como assistência integral à saúde.


Palavras-chave


Atenção Primária à Saúde; Sistema Único de Saúde; Atenção à Saúde; Estratégia de Saúde da Família

Referências


Ministério da Saúde (Br). Portaria no 4.279/GM/MS de 30 de dezembro. Estabelece diretrizes para a organização da Rede de Atenção à Saúde no âmbito do Sistema Único de Saúde. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2010. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2010/prt4279_30_12_2010.html

Ministério da Saúde (Br). Portaria no 3390/GM/MS de 30 de dezembro. Institui a Política Nacional de Atenção Hospitalar. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2013. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2017/MatrizesConsolidacao/comum/13147.html

Ministério da Saúde (Br). Portaria no 2436 de 21 de setembro. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2017. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2017/prt2436_22_09_2017.html

Ministério da Saúde (Br). Série E. Legislação em Saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2012 [citado em 29 jan 2016]. Disponível em: http://189.28.128.100/dab/docs/publicacoes/geral/pnab.pdf

Ministério da Saúde (Br). Portaria no2.048/GM/MS de 5 de novembro de 2002. [Aprova o Regulamento Técnico dos Sistemas Estaduais de Urgência e Emergência]. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2002. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2002/prt2048_05_11_2002.html

Cotta RMM, Azeredo CM, Schott M, Martins PC, Franceschini SCC, Priore SE. Sobre o conhecimento e a consciência sanitária brasileira: o papel estratégico dos profissionais e usuários no sistema sanitário. Rev Med Minas Gerais [Internet]. 2006 [citado em 06 fev 2020]; 16(1):2-8. Disponível em: http://rmmg.org/artigo/detalhes/243

Godoi VCG, Ganassin GS, Inoue KC, Gil NLM. Acolhimento com classificação de risco: caracterização da demanda em unidade de pronto atendimento. Cogitare Enferm. [Internet]. 2016 [citado em 06 fev 2020]; 21(3):1-8. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/cogitare/article/view/44664. DOI: http://dx.doi.org/10.5380/ce.v21i3.44664

Caccia-Bava MCG, Pereira MJB, Rocha JSY, Martinez EZ. Pronto-atendimento ou atenção básica: escolhas dos pacientes no SUS. Medicina (Ribeirão Preto) [Internet]. 2011 [citado em 06 fev 2020]; 44(4):347-54. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/rmrp/article/view/47446. DOI: https://doi.org/10.11606/issn.2176-7262.v44i4p347-354

Feijó VBR, Cordoni Junior L, Souza RKT, Dias AO. Análise da demanda atendida em unidade de urgência com classificação de risco. Saúde Debate [Internet]. 2015 [citado em 06 fev 2020]; 39(106):627-36. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/sdeb/v39n106/0103-1104-sdeb-39-106-00627.pdf

Oliveira GN, Silva MFN, Araujo IEM, Carvalho Filho MA. Perfil da população atendida em uma unidade de emergência referenciada. Rev Latinoam Enferm. [Internet]. 2011 [citado em 06 fev 2020]; 19(3):548-56. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rlae/v19n3/pt_14

Pontes APMO, Cesso RGD, Oliveira DC, Gomes AMT. O princípio de universalidade do acesso aos serviços de saúde: o que pensam os usuários? Esc Anna Nery Rev Enferm. [Internet]. 2009 [citado em 06 fev 2020]; 13(3):500-7. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ean/v13n3/v13n3a07.pdf. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1414-81452009000300007

Passero LG, Giordani JMA, Hugo FN, Torman VBL, Camey SA, Hilgert JB. Contextual and individual factors associated with dissatisfaction with the Brazilian Unified National Health System, 2011-2011. Cad Saúde Pública [Internet]. 2016 [citado em 06 fev 2020]; 32(10):e00065015. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csp/v32n10/1678-4464-csp-32-10-e00065015.pdf. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0102-311X00065015

Rodríguez del Águila MM; González-Ramírez AR. Sample size calculation. Allergol Immunopathol. [Internet]. 2014 [citado em 06 fev 2020]; 42(5):485-92. Disponível em: https://pdfs.semanticscholar.org/1e2f/7c3d526c1bcde70cac7d62a569fa4fe918f4.pdf. DOI: https://pdfs.semanticscholar.org/1e2f/dx.doi.org/10.1016/j.aller.2013.03.008

Harzheim E, Oliveira MMC, Agostinho MR, Hauser L, Stein AT, Gonçalves MR, et al. Validação do instrumento de avaliação da atenção primária à saúde. PCATool-Brasil adultos. Rev Bras Med Fam Comunidade [Internet]. 2013 [citado em 06 fev 2020]; 8(29):274-84. Disponível em: https://www.rbmfc.org.br/rbmfc/article/view/829. DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc8(29)829

Carneiro MSM, Melo DMS, Gomes JM, Pinto FJM, Silva MGC. Avaliação do atributo coordenação da Atenção Primária à Saúde: aplicação do PCATool a profissionais e usuários. Saúde Debate [Internet]. 2014 [citado em 06 fev 2020]; 38(esp):279-95. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/sdeb/v38nspe/0103-1104-sdeb-38-spe-0279.pdf. DOI: 10.5935/0103-1104.2014S021

Martins PC, Cotta RMM, Mendes FF, Priore SE, Franceschinni SCC, Cazal MM, Batista RS. De quem é o SUS? Sobre as representações sociais dos usuários do Programa Saúde da Família. Cien Saude Colet. [Internet]. 2011 [citado em 06 fev 2020]; 16(3):1933-42. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v16n3/27.pdf

Levorato CD, Mello LM, Silva AS, Nunes AA. Fatores associados à procura por serviços de saúde numa perspectiva relacional de gênero. Ciên Saúde Colet. [Internet]. 2014 [citado em 06 fev 2020]; 19(4):1263-74. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v19n4/1413-8123-csc-19-04-01263.pdf. DOI: 10.1590/1413-81232014194.01242013

Gouveia GC, Souza WV, Luna CF, Szwarcwald CL, Souza Júnior PRB. Satisfação dos usuários com a assistência de saúde no estado de Pernambuco. Ciên Saúde Colet. [Internet]. 2011 [citado em 06 fev 2020]; 16(3):1849-61. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v16n3/20.pdf

Ministério da Saúde (Br), Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2015.

Solano LC, Bezerra MAC, Medeiros RS, Carlos EF, Carvalho FPB, Miranda FAN. O acesso do homem ao serviço de saúde na atenção primária. Rev Fund Care [Internet]. 2017 [citado em 06 fev 2020]; 9(2):302-8. Disponível em: http://www.seer.unirio.br/index.php/cuidadofundamental/article/view/3270. DOI: http://dx.doi.org/10.9789/2175-5361.rpcfo.v9.3270

Moura EC, Gomes R, pereira GMC. Percepções sobre a saúde dos homens numa perspectiva relacional de gênero, Brasil, 2014. Ciên Saúde Colet. [Internet]. 2017 [citado em 06 fev 2020]; 22(1):291-300. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v22n1/1413-8123-csc-22-01-0291.pdf. DOI: 10.1590/1413-81232017221.17482015

Pires MRGM, Gottems LBD, Cupertino TV, Leite LS, Vale LR, Castro MA, et al. Utilização dos serviços de atenção básica e de urgência no SUS de Belo Horizonte: problema de saúde, procedimentos e escolha dos serviços. Saúde Soc. [Internet]. 2013 [citado em 06 fev 2020]; 22(1):211-22. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/sausoc/v22n1/19.pdf

Silva ZP, Ribeiro MCSA, Barata RB, Almeida MF. Perfil sociodemográfico e padrão de utilização dos serviços de saúde do Sistema Único de Saúde (SUS), 2003-2008. Ciên Saúde Colet. [Internet]. 2011 [citado em 06 fev 2020]; 16(9):3807-16. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v16n9/a16v16n9.pdf. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232011001000016

Castanheira CHC, Pimenta AM, Lana FCF, Malta DC. Utilização de serviços públicos e privados de saúde pela população de Belo Horizonte. Rev Bras Epidemiol. [Internet]. 2014 [citado em 06 fev 2020]; 17(supl Pense):256-66. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbepid/v17s1/pt_1415-790X-rbepid-17-s1-00256.pdf. DOI:10.1590/1809-4503201400050020

Felchilcher E, Araujo G, Traverso MED. Perfil dos usuários de uma unidade básica de saúde do meio-oeste catarinense. Unoesc Ciênc ACBS [Internet]. 2015 [citado em 06 fev 2020]; 6(2):223-30. Disponível em: https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/acbs/article/view/7919

Sala A, Luppi CG, Simões O, Marsiglia RG. Integralidade e Atenção Primária à Saúde: avaliação na perspectiva dos usuários de unidades de saúde do município de São Paulo. Saúde Soc. [Internet]. 2011 [citado em 06 fev 2020]; 20(4):948-60. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/sausoc/v20n4/12.pdf. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-12902011000400012

Pires MRGM, Gottems LBD, Martins CMF, Guilhem D, Alves ED. Oferta e demanda por média complexidade/SUS: relação com atenção básica. Ciên Saúde Colet. [Internet]. 2010 [citado em 06 fev 2020]; 15(supl1):1009-19. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v15s1/007.pdf. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232010000700007

Ramos LR, Malta DC, Gomes GAO, Bracco MM, Florindo AA, Mielke GI, et al. Prevalence of health promotion programs in primary health care units in Brazil. Rev Saúde Pública [Internet]. 2014 [citado em 06 fev 2020]; 48(5):837-44. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rsp/v48n5/0034-8910-rsp-48-5-0837.pdf. DOI: 10.1590/S0034-8910.2014048005249

Silva TR, Motta RF. A percepção dos usuários sobre a política de saúde na atenção básica. Mudanças [Internet]. 2015 [citado em 06 fev 2020]; 23(3):17-25. Disponível em: https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/MUD/article/view/4709. DOI: http://dx.doi.org/10.15603/2176-1019/mud.v23n2p17-25

Almeida PF, Fausto MCR, Giovanella L. Fortalecimento da atenção primária à saúde: estratégia para potencializar a coordenação dos cuidados. Rev Panam Salud Publ. [Internet]. 2011 [citado em 06 fev 2020]; 29(2):84-95. Disponível em: http://www6.ensp.fiocruz.br/repositorio/sites/default/files/arquivos/Fortalecimento.pdf

Uscher-Pines L, Pines J, Kellermann A. Deciding to visit the emergency department for non-urgent conditicions: a systematic review of the literature. Am J Manag Care. [Internet]. 2013 [citado em 06 fev 2020]; 19(1):47-59. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4156292/

Esperidião MA, Vieira-da-Silva LM. Posição social e julgamento dos serviços de saúde pelos usuários. Saúde Soc. [Internet]. 2016 [citado em 06 fev 2020]; 25(2):381-91. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/sausoc/v25n2/1984-0470-sausoc-25-02-00381.pdf. DOI: 10.1590/S0104-12902016148416




DOI: https://doi.org/10.18554/refacs.v8i2.4334

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.