Percepção da família acerca do suporte profissional recebido em um serviço de saúde mental infanto-juvenil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18554/refacs.v8i0.4643

Palavras-chave:

Serviços de saúde mental, Adolescente, Família.

Resumo

Este é uma pesquisa qualitativa realizada em Belo Horizonte/MG, ocorrida no primeiro semestre de 2018, com o objetivo de conhecer a percepção da família sobre o suporte profissional recebido em um serviço de saúde mental infanto-juvenil. Os dados foram coletados por entrevista com roteiro semiestruturado e os dados foram analisados por meio da análise de conteúdo proposta por Bardin. Participaram nove familiares de adolescentes em tratamento e três profissionais de saúde. Três categorias foram construídas: Transtorno mental e Adolescência, Transtorno mental e Família e, Tratamento oferecido ao familiar no serviço. Os familiares relatam que gostariam que o serviço desenvolvesse atividades de escuta com mais frequência, uma vez que se sentiam fragilizados e receosos a respeito da condição clínica do adolescente. Em contrapartida, os profissionais de saúde realizam poucos encontros com os familiares devido à sobrecarga de trabalho. Percebe-se a necessidade de ações e atendimentos mais frequentes direcionados aos familiares para aliviar as angústias decorrentes do transtorno mental do adolescente em tratamento.

Biografia do Autor

Ingrid Moreira dos Santos, Curso de Graduação Enfermagem pela Faculdade de Ensino de Minas Gerais

Acadêmica do curso de Graduação Enfermagem pela Faculdade de Ensino de Minas Gerais

Belisa Vieira da Silveira, Programa de Pós-Graduação em Enfermagem Psiquiátrica (PPGEP) da Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (EERP-USP)

Enfermeira. Especialista em Saúde Mental na Prática Contemporânea. Especialista em Docência e Gestão do Ensino Superior. Mestre em Saúde e Enfermagem. Doutoranda Programa de Pós-Graduação em Enfermagem Psiquiátrica (PPGEP) da Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (EERP-USP)

Adaene Alves Machado de Moura, PPGEP-EERP-USP

Enfermeira. Especialista em Prevenção do Uso Indevido de Drogas. Mestre em Ciências da Saúde. Doutoranda Pelo PPGEP-EERP-USP

Sandra Cristina Pillon, PPGEP-EERP-USP

Enfermeira. Especialista em Dependência Química. Mestre em Gastroenterologia. Doutora em Psiquiatria e Psicologia Médica. Professora Titular do PPGEP-EERP-USP

Referências

Savage JE, Rose RJ, Pulkkinen L, Silventoinen K, Korhonen T, Gillespie N, et al. Early maturation and substance use across adolescence and young adulthood: a longitudinal study of Finnish twins. DevPsychopathol. [Internet]. 2017 [citado em 21 fev 2020]; 30(1):79-92. DOI: 10.1017/s0954579417000487

World Health Organization. Health for the World's adolescents: a second chance in the second decade [Internet]. Geneva: WHO; 2014 [citado em 21 fev 2020]. Disponível em: https://www.who.int/maternal_child_adolescent/documents/second-decade/en/

Sawyer SM, Afifi RA, Bearinger LH, Blakemore SJ, Dick B, Ezeh AC, et al. Adolescence: a foundation for future health. Lancet [Internet]. 2012 [citado em 21 fev 2020]; 379(1):1630-40. DOI: 10.1016/s0140-6736(12)60072-5

Organização Mundial da Saúde. OMS: 1 em cada 5 adolescentes enfrenta problemas de saúde mental [Internet]. Brasília, DF: OMS Brasil;2018 [citado em 21 fev 2020]. Disponível em: https://nacoesunidas.org/oms-1-em-cada-5-adolescentes-enfrenta-problemas-de-saude-mental/

Martín Gutiérrez R, Payá González B. Las Psicosis de inicio temprano: una revisión. Rev Psiquiatr Infanto-Juv. [Internet]. 2016 [citado em 21 fev 2020]; 33(4):458-68. DOI: https://doi.org/10.31766/revpsij.v33n4a2

Trotman HD, Holtzman CW, Ryan AT, Shapiro DI, MacDonald AN, Goulding SM, et al. The development of psychotic disorders in adolescence: a potential role for hormones. Horm Behav. [Internet]. 2013 [citado em 21 fev 2020]; 64(2):411-9. DOI: 10.1016/j.yhbeh.2013.02.018

Jaworska N, MacQueen G. Adolescence as a unique developmental period. J Psychiatry Neurosci. [Internet]. 2015 [citado em 21 fev 2020]; 40:291-3. DOI: 10.1503/jpn.150268

Rodríguez-Meirinhos A, Antolín-Suárez L, Oliva A. Support needs of families of adolescents with mental illness: a systematic mixed studies review. Arch PsychiatrNurs. [Internet]. 2018 [citado em 21 fev 2020]; 32:152-63. DOI: https://doi.org/10.1016/j.apnu.2017.09.004

Huang L, Stroul B, Friedman R, Mrazek-Rochester P, Friesen B, Pires S, et al. Transforming mental health care for children and their families. AmPsychol. [Internet]. 2005 [citado em 21 fev 2020]; 60: 615-27. DOI: 10.1037/0003-066X.60.6.615

Martins PPS, Guanaes-Lorenzi C. Participação da família no tratamento em saúde mental como prática no cotidiano do serviço. Psicol Teor Pesqui. [Internet]. 2016 [citado em 21 fev 2020]; 32(4):1-9. DOI:10.1590/0102.3772e324216

Fernandes CSNNN, Nóbrega MPSS, Angelo M, Torre MI, Chaves SCS. Importância das famílias nos cuidados à pessoa com transtorno mental: atitudes de enfermeiros. Esc Anna Nery Rev Enf. [Internet]. 2018 [citado em 21 fev 2020]; 22(4):1-8. DOI: 10.1590/2177-9465-EAN-2018-0205

Bademli K, Duman ZC. Effects of a family to family support program on mental health and coping strategies of caregivers of adults with mental illness: a randomized controlled study. ArchPsychiatrNurs. [Internet]. 2014 [citado em 21 fev 2020]; 28:392-8. DOI: 10.1016/j.apnu.2014.08.011

Silva EM, Jorge MSB, Queiroz MVO. Perspectiva da família na convivência com o ser portador de esquizofrenia. Rev Rene [Internet]. 2016 [citado em 21 fev 2020]; 4(2):53-60. Disponível em: http://periodicos.ufc.br/rene/article/view/5698/4085

Jiménez L, Hidalgo V, Baena S, León A, Lorence B. Effectiveness of Structural–Strategic Family Therapy in the treatment of adolescents with mental health problems and their families. InterJEnvironResPublic Health [Internet]. 2019 [citado em 21 fev 2020];16(7):1-14. DOI: 10.3390/ijerph16071255

Brasil. Lei Federal 10.216 de 06 de abril de 2001. Dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde mental [Internet]. Brasília, DF; 2001 [citado em 21 fev 2020]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/leis_2001/l10216.htm

Ministério da Saúde (Br). Atenção psicossocial a criança e adolescente no SUS: tecendo redes para garantir direitos [Internet]. Brasília, DF;2014 [citado em 21 fev 2020]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/atencao_psicossocial_criancas_adolescentes_sus.pdf

Eassom E, Giacco D, Dirik A, Priebe S. Implementing family involvement in the treatment of patients with psychosis: a systematic review of facilitating and hindering factors. BMJ Open [Internet]. 2014 [citado em 21 fev 2020]; 4(10):1-12. DOI: 10.1136/bmjopen-2014-006108

Oliveira RMP, Loyola CM. Família do paciente psiquiátrico: o retrato de uma ilustre desconhecida. Acta Sci, Health Sci. [Internet]. 2004 [citado em 21 fev 2020]; 26(1):213-22. DOI: 10.4025/actascihealthsci.v26i1.1679

Gil AC. Como elaborar projeto de pesquisa.5ed. São Paulo: ATLAS S.A.; 2010. 184 p.

Fontanella BJB, Ricas J, Turato ER. Amostragem por saturação em pesquisas qualitativas em saúde: contribuições teóricas. Cad Saúde Públ. [Internet]. 2008 [citado em 21 fev 2020]; 24(1):17-27. DOI: 10.1590/S0102-311X2008000100003

Bardin L. Análise de conteúdo. Pinheiro LA, tradutor. São Paulo: Edições 70; 2016.

Guedes OS, Daros MA. O cuidado como atribuição feminina: contribuições para um debate ético. Serv Soc Rev. [Internet]. 2009 [citado em 21 fev 2020]; 12(1):122-34. DOI: 10.5433/1679-4842.2009v12n1p122

Duarte RA. Configurações familiares e papel da mulher na política de saúde mental no Brasil. Gênero [Internet]. 2015 [citado em 21 fev 2020]; 16(1):155-78. DOI: 10.22409/rg.v16i1.750

Apter G, Bobin A, Genet MC, Gratier M, Devouche E. Update on mental health of infants and children of parents affected with mental health issues. Curr Psychiatry Rep. [Internet]. 2017 [citado em 21 fev 2020]; 19(10):72. DOI: 10.1007/s11920-017-0820-8

World Health Organization. The health and social effects of nonmedical cannabis use [Internet]. Geneva: WHO; 2016 [citado em 21 fev 2020]. Disponível em: https://www.who.int/substance_abuse/publications/msbcannabis.pdf

Pereira MAO, Pereira JA. Transtorno mental: dificuldades enfrentadas pela família. RevEscEnferm USP [Internet]. 2003 [citado em 21 fev 2020]; 37(4):92-100. DOI:101590/S0080-62342003000400011

Avanci JQ, Assis SG, Oliveira RVC, Ferreira RM, Pesce RP. Fatores associados aos problemas de saúde mental em adolescentes. Psicol Teor Pesq. [Internet]. 2007 [citado em 21 fev 2020]; 23(3):287-94. DOI: 10590/S0102-37722007000300007

Thiengo DL, Cavalcante MT, Lovisi GM. Prevalência de transtornos mentais entre crianças e adolescentes e fatores associados: uma revisão sistemática. J Bras Psiquiatr. [Internet]. 2014 [citado em 21 fev 2020]; 63(4):360-72. DOI: 10590/0047-2085000000085

Ministério da Saúde (Br). Legislação em saúde mental: 1990-2004 [Internet]. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2004 [citado em 21 fev 2020]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/legislacao_saude_mental_1990_2004_5ed.pdf

Lebow JL, Stroud CB. Family therapy. New York: American Psychological Association; 2016.

Publicado

2020-06-23