Jogos e acidente vascular cerebral: perspectivas da terapia ocupacional no campo da reabilitação neuropsicológica

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18554/refacs.v10i2.6137

Palavras-chave:

Acidente Vascular Cerebral, Cognição, Jogos Recreativos

Resumo

Objetivo: avaliar a eficácia dos jogos lúdicos pedagógicos como recurso de reabilitação neuropsicológica em pessoas acometidas por acidente vascular cerebral. Método: pesquisa clínica de caráter pré experimental de caso único, durante a qual um grupo é exposto a um tratamento seguido de uma medida de resultado, realizado entre março de 2017 a agosto de 2018 no Centro Especializado em Reabilitação, vinculado à Universidade Estado do Pará. Utilizou-se o Montreal Cognitive Assessment para identificação de alterações cognitivas e o Direct Assessment Fuctional Scale para detecção de alterações funcionais. Os participantes foram divididos em 3 grupos e, cada grupo recebeu intervenções de Terapia Ocupacional duas vezes por semana, com duração de 1h cada atendimento, totalizando 10 sessões grupais. Utilizou-se os seguintes jogos: Jogo da mesada, Kaleidos, Super Lince, Bingo das letras, Hora certa, e Uno. Resultados: houve a participação de oito homens e seis mulheres, num total de 14. A idade foi de 49.5 anos (+ 8.7). Destes seis foram inclusos no Grupo 1, cinco no Grupo 2 e três no Grupo 3. A avaliação realizada com o MoCA mostrou que os domínios cognitivos que apresentaram maiores alterações foram: memória, função viso-espacial e executiva, linguagem e atenção. Verificou-se aumento estatisticamente significativo dos escores totais do Direct Assessment Fuctional Scale (79.4+17.5 na avaliação para 84.9+12.9 na reavaliação). Conclusão: observou-se eficácia dos jogos como recurso na reabilitação de pacientes com sequelas de acidente vascular cerebral.

Biografia do Autor

Fernanda Castro Feitosa, Clínica Cuidare

Terapeuta Ocupacional da Clínica Cuidare, Palmas, TO

Glória Gomes dos Santos, Terapeuta Ocupacional

Terapeuta Ocupacional. Especialista em Saúde da Família e da Criança. Belém/PA

Suelem Pereira Santos, Terapeuta Ocupacional

Terapeuta Ocupacional. Belém/PA

Ápio Nazareth Dias, Universidade do Estado do Pará

Universidade do Estado do Pará, Belém, PA

Camila Nunes da Silva, Universidade Federal do Pará

Universidade Federal do Pará

Alna Carolina Mendes Paranhos, Universidade do Estado do Pará

Universidade do Estado do Pará, Belém/PA

Referências

Faria ACA, Martins MMFPS, Schoeller SD, Matos LO. Care path of person with stroke: from onset to rehabilitation. Rev Bras Enferm. [Internet]. 2017 May/Jun [citado em 08 mar 2020]; 70(3): 495-503. DOI: https://doi.org/10.1590/0034-7167-2016-0579

Costa TF, Gomes TM, Viana LRC, Martins KP, Costa KNFM. Acidente vascular encefálico: características do paciente e qualidade de vida de cuidadores. Rev Bras Enferm. [Internet]. 2016 set/out [citado em 08 jul 2021]; 60(5). DOI: https://doi.org/10.1590/0034-7167-2015-0064

Botelho TS, Neto CDM, Araújo FLC, Assis SC. Epidemiologia do acidente vascular cerebral no Brasil. Temas em Saúde [Internet]. 2016 [citado em 9 jun 2019]; 16(2):361-77. Disponível em: http://temasemsaude.com/wp-content/uploads/2016/08/16221.pdf

Leão KF, Zanini DS. Alterações neuropsicológicas em indivíduos acometidos por acidente vascular encefálico. Cadernos de Pós-Graduação em Distúrbios do Desenvolvimento [Internet]. 2015 [citado em 08 mar 2020]; 15(1):30-40. Disponível em: http://editorarevistas.mackenzie.br/index.php/cpgdd/article/view/11267

Teixeira HP, Coelho LP. Neuropsicologia e reabilitação cognitiva em pacientes acometidos de acidente vascular encefálico. Revista Transformar [Internet]. 2018 [citado em 08 mar 2020]; 12(1):1-25. Disponível em: http://www.fsj.edu.br/transformar/index.php/transformar/article/view/141

Lima RF, Alves RJR, Silva FCP, Azoni CAS, Ciasca SM. Efeitos de uma reabilitação neuropsicológica para pacientes com dislexia. Rev Bras Ter Cogn. [Internet]. 2017 jan/jun [citado em 08 mar 2020]; 13(1):39-48. Disponível em:

http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1808-56872017000100007&lng=pt&nrm=iso

Raymundo TM, Pinheiro, CSP, Bernado LD. Terapia ocupacional e as intervenções cognitivas: conceitos e a experiência de uma oficina de reminiscências. In: Bernado LD, Raymundo TM, organizadores. Terapia ocupacional e gerontologia: interlocuções e práticas. 1ed. Curitiba: APPRIS; 2018. v. 1, p. 371-386.

Ramos DK, Rocha NL, Rodrigues K, Rosenberg BB. O uso de jogos cognitivos no contexto escolar: contribuições às funções executivas. Psicol Esc Educ. [Internet]. 2017 ago [citado em 08 mar 2020]; 21(2):265-75. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-85572017000200265

Zanela, FB. Um exercício de co-design: esboço de projeto de um jogo de estímulo de função cognitiva para práticas terapêuticas. [dissertação]. Rio de Janeiro, RJ: Universidade Federal do Rio de Janeiro. 190p. Disponível em: http://objdig.ufrj.br/60/teses/coppe_m/FernandaBenevidesZanela.pdf

Bataglion GA, Marinho A. Lúdico em contexto de saúde: inter-relações com as práticas humanizadas. Motrivivência (Florianópolis) [Internet]. 2019. [citado em 09 jul 2021]; 31(57):1-19. Disponível em:

https://periodicos.ufsc.br/index.php/motrivivencia/article/view/2175-8042.2019e54349/39006

Nunes FLS, Costa RMEM, Machado LS, Moraes RM. Realidade virtual para saúde no Brasil: conceitos, desafios e oportunidades. Rev Bras Eng Bioméd. [Internet]. 2011 dez [citado em 23 mar 2021]; 27(4): 243-58. DOI: http://dx.doi.org/10.4322/rbeb.2011.020

Lara DD, Gulartt V, Chicon PMM, Quaresma CRT. A contribuição dos jogos para o estímulo cognitivo e social em idosos. In: XXII Seminário Interinstitucional de Ensino Pesquisa e Extensão: redes e territórios; 2017; Cruz Alta, RS: UNICRUZ; 2017. Disponível em: https://home.unicruz.edu.br/seminario/anais/anais-2017/XXII%20SEMIN%C3%81RIO%20INTERINSTITUCIONAL%202017%20-%20ANAIS/GRADUA%C3%87%C3%83O%20-%20TRABALHOS%20COMPLETOS_CI%C3%8ANCIAS%20EXATAS,%20AGR%C3%81RIAS%20E%20ENGENHARIAS/A%20CONTRIBUI%C3%87%C3%83O%20DOS%20JOGOS%20PARA%20O%20EST%C3%8DMULO%20COGNITIVO.pdf

Dutra HS, Reis VN. Desenhos de estudos experimentais e quase-experimentais: definições e desafios na pesquisa em enfermagem. Rev Enferm UFPE on line [Internet]. 2016 [citado em 08 mar 2020]; 10(6):2230-41. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaenfermagem/article/download/11238/12841

Amatneeks TM. Montreal Cognitive Assessment for cognitive assessment in chronic kidney disease: a systematic review. J Bras Nefrol. [Internet]. 2019 Jan/Mar [citado em 08 mar 2020]; 41(1):2112-123. DOI: https://doi.org/10.1590/2175-8239-jbn-2018-0086

Cecato JF, Montiel JM, Bartholomeu D, Martinelli JE. Poder preditivo do MoCa na avaliação neuropsicológica de pacientes com diagnóstico de demência. Rev Bras Geriatr Gerontol. [Internet]. 2014 Oct/Dec [citado em 9 jun 2019]; 17(4):707-19. DOI: https://doi.org/10.1590/1809-9823.2014.13123

Pereira FS. Funções executivas e funcionalidade no envelhecimento normal, comprometimento cognitivo leve e doença de Alzheimer. [dissertação]. São Paulo: Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. 2010. 179p. Disponível em: https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/5/5142/tde-10052010-134912/publico/FernandaSPereira.pdf

O'Donnell MJ, Xavier D, Liu L, Zhang H, Chin SL, Rao-Melacini P, et al. Risk factors for ischaemic and intracerebral haemorrhagic stroke in 22 countries (the INTERSTROKE study): a case-control study. Lancet (Lond.) [Internet]. 2010 Jul [citado em 08 mar 2020]; 376(9735):112-23. DOI: 10.1016/S0140-6736(10)60834-3

Béjot Y, Daubail B, Jacquin A, Durier J, Osseby GV, Rouaud O, et al. Trends in the incidence of ischaemic stroke in young adults between 1985 and 2011: the Dijon Stroke Registry. J Neurol Neurosurg Psychiatry [Internet]. 2014 May [citado em 08 mar 2020]; 85(5):509-13. DOI: 10.1136/jnnp-2013-306203

Dias KC, Duarte MANM, Silva NB, Lopes MIR, Nogueira MARJ. Caracterização do paciente acometido por acidente vascular encefálico atendido no Centro de Reabilitação Lucy Montoro de São José dos Campos. Acta Fisiátrica [Internet]. 2017 [citado em 9 jun 2019]; 24(1):13-6. DOI: 10.5935/0104-7795.20170003

Green CS, Bavelier D. Action videogame training for cognitve enhancement. Curr Opin Behav Sci. [Internet]. 2015 [citado em 23 mar 2022]; 4:103-8. Disponível em:

https://greenlab.psych.wisc.edu/wp-content/uploads/sites/280/2017/07/Action_video_game_training_for_cognitive_enhancement.pdf

Griffiths MD, Kuss DJ, Gortori ABO. Videogames as therapy: an updated selective review of the medical and psychological literature. [Internet]. 2017 [citado em 25 mar 2021]; Int J Priv Health Inf Manag. [Internet]. DOI: http://doi.org/10.4018/IJPHIM.2017070105 5(2):71-96.

Ramos DK, Rocha NL, Rodrigues K, Roisenberg BB. O uso de jogos cognitivos no contexto escolar: contribuições às funções executivas. Psicol Esc Educ. [Internet]. 2017 ago [citado em 08 jul 2021]; 21(2):265-75. DOI: https://doi.org/10.1590/2175-3539201702121113

Dias NM, Seabra AG. Funções executivas: desenvolvimento e intervenção. Temas Desenvolv. [Internet]. 2013 [citado em 23 mar 2021]; 19(107):206-12. Disponível em: https://www.researchgate.net/profile/Natalia-Dias-13/publication/281177320_funcoes_executivas_desenvolvimento_e_intervencao/links/5604497408ae8e08c089ac7f/funcoes-executivas-desenvolvimento-e-intervencao.pdf

Rivero TS, Querino EHG, Starling-Alves I. Videogame: seu impacto na atenção, percepção e funções executivas. Revista Neuropsicologia LatinoAmericana [Internet]. 2012 [citado em 23 mar 2021]; 4(3):38-52. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/rnl/v4n3/v4n3a04.pdf

Dias TS, Conceição KF, Oliveira AIA, Silva RLM. The contributions of game therapy concerning motor performance of individual with cerebral palsy. Cad Bras Ter Ocup. [Internet]. 2017 [citado em 23 mar 2021]; 25(3):575-84. DOI: https://doi.org/10.4322/2526-8910.ctoAO0934

Caiana TL, Nogueira TL, Lima ACD. A realidade virtual e seu uso como recurso terapêutico ocupacional. Cad Bras Ter Ocup. [Internet]. 2016 [citado em 23 mar 2021]; 24(3):575-89. DOI: https://doi.org/10.4322/0104-4931.ctoAR0619

Chariglione IPF, Janczura GA. Contribuições de um treino cognitivo para a memória de idosos institucionalizados. Psico USF. [Internet]. 2013 [citado em 16 set 2019]; 18(1):13-22. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/pusf/v18n1/v18n1a03.pdf

Mendes LM, Neves RF, Ribeiro KSQSR, Brito GEG, Lucena EMF, Lopes HR, et al. Estado cognitivo dos usuários com AVE na atenção primária à saúde em Joao Pessoa – PB. Acta Fisiátrica [Internet]. 2011 [citado em 20 jun 2019]; 18(4):169-74. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/actafisiatrica/article/view/103659

Publicado

2022-06-01

Edição

Seção

Artigos originais