Reabilitação de fisioterapia e terapia ocupacional na doença rara Marchiafava-Bignami

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18554/refacs.v10i2.6141

Palavras-chave:

Doença de Marchiafava-Bignami, Reabilitação, Fisioterapia, Terapia Ocupacional

Resumo

Objetivo: relatar os efeitos da reabilitação interdisciplinar de Fisioterapia e Terapia Ocupacional em uma paciente diagnosticada com Doença de Marchiafava-Bignami, em um Centro Especializado de Reabilitação. Método: estudo de caso realizado entre 2018 a 2019, que utilizou avaliações pré e pós intervenções. Resultados: paciente do sexo feminino de 60 anos, solteira, ex-etilista (consumo excessivo até 2006), ex-tabagista e com hipertensão arterial sistêmica. Realizou-se 14 sessões, nas quais verificou-se: Medida de Independência Funcional – Pré = 65 / Pós = 89; Escala para Avaliação e Graduação de Ataxia - Pré = 29.5/ Pós = 22.5; Medida de Habilidade Manual - Pré = - 0.119 logits / Pós = 0.263 logits; Medida Canadense de Desempenho Ocupacional - Desempenho Pré = 4.2 / Pós = 5.5 e Satisfação Pré = 3.5 / Pós = 5.5. Conclusão: O programa de reabilitação interdisciplinar favoreceu a aquisição da função manual, equilíbrio, da mobilidade funcional e do autocuidado

Biografia do Autor

Jonaina Fiorim Pereira de Oliveira, Centro de Reabilitação Física do Espírito Santo

Doutora em Ciências Fisiológicas. Centro de Reabilitação Física do Espírito Santo, Vila Velha/ES

Aline Caus Zuqui, Centro de Reabilitação Física do Espírito Santo

Mestranda em Saúde Coletiva pela Universidade Federal do Espírito Santo. Centro de Reabilitação Física do Espírito Santo, Vila Velha/ES

Kellen Valladão Schiavo, Centro de Reabilitação Física do Espírito Santo

Mestranda em Psicologia pela Universidade Federal do Espírito Santo. Centro de Reabilitação Física do Espírito Santo, Vila Velha/ES

Crystian Moraes Silva Gomes, Centro de Reabilitação Física do Espírito Santo

Doutorando em Psicologia pela Universidade Federal do Espírito Santo. Centro de Reabilitação Física do Espírito Santo, Vila Velha/ES

Referências

Carrilho PEM, Santos MBM, Piasecki L, Jorge AC. Marchiafava-Bignami disease: a rare entity with a poor outcome. Rev Bras Ter Intensiva [Internet]. 2013 [citado em 13 dez 2019]; 25(1): 68-72. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-507X2013000100013

Takahashi N, Kawamura M, Kobayashi Y. A case of nonalcoholic marchiafava-bignami disease with left-right differential agraphia of chinese characters. Case Rep Neurol. [Internet]. 2018 [citado em 13 dez 2019]; 10(2):232-41. DOI: https://doi.org/10.1159/000492528

Marchi F, Tondo G, Verrasi C, Cantello R. Marchiafava-Bignami disease: uncertain MRI predictors of outcome. J Neurol Neurosci. [Internet]. 2017 [citado em: 18 ago 2021]; 8(1):1-3. Disponível em: https://www.jneuro.com/neurology-neuroscience/marchiafavabignami-disease-uncertain-mri-predictors-of-outcome.php?aid=18442

Melo AL, Barata SP, Rodrigues D, Serra M. Marchiafava Bignami disease: the importance of early diagnosis and treatment by a multidisciplinary team. Revista Portuguesa de Psiquiatria e Saúde Mental [Internet]. 2020 [citado em 18 ago 2021]; 6(1):31-5. Disponível em: https://www.revistapsiquiatria.pt/index.php/sppsm/article/view/120

Soto GR, Rangel CC, Rayo AC. Enfermedad de Marchiafava-Bignami en dos pacientes mexicanos: hallazgos histopatológicos y correlación clínico-radiológica. Med Interna Méx. [Internet]. 2010 [citado em 13 dez 2019]; 26(6): 619-24. Disponível em: https://www.medigraphic.com/cgi-bin/new/resumen.cgi?IDARTICULO=28444

Dong X, Bai C, Nao J. Clinical and radiological features of Marchiafava–Bignami disease. Medicine [Internet]. 2018 [citado em 13 dez 2019]; 97 (5). DOI: https://doi.org/10.1097/MD.0000000000009626

Ministério da Saúde (Brasil). Glossário temático: gestão do trabalho e da educação na saúde [Internet]. 2ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2012 [citado em 13 dez 2019]. 44 p. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/glossario_tematico_gestao_trabalho_educacao_saude_2ed.pdf

World Health Organization. International classification of functioning, disability and health (ICF) [Internet]. Geneva: World Health Organization; 2001 [citado em 13 dez 2019]. Disponível em: https://www.who.int/standards/classifications/international-classification-of-functioning-disability-and-health

Moreira ML, Fontes SV, Almeida TF, Fukujima MM. Abordagem fisioterapêutica nas manifestações neurológicas decorrentes do alcoolismo. Rev Neurociênc. [Internet]. 1999 [citado em 13 dez 2019]; 7 (3):104-7. DOI: https://doi.org/10.34024/rnc.1999.v7.10311

Deitz JC. Single-Subject Research. In: Kielhofner, G, organizador. Research in occupational therapy: Methods of inquiry for enhancing practice. Philadelphia: FA Davis Company; 2006, p.141-154

Riberto M, Miyazaki MH, Jucá SSH, Sakamoto H, Pinto PPN, Battistella LR. Validação da versão brasileira da Medida de Independência Funcional. Acta Fisiátrica [Internet]. 2004 [citado em 13 dez 2019]; 11(2):72-6. DOI: https://doi.org/10.5935/0104-7795.20040003

Braga-Neto P, Godeiro-Junior C, Dutra LA, Pedroso JL, Barsottini OGP. Translation and validation in to brazilian version of the scale of the assessment and rating of ataxia (SARA). Arq Neuropsiquiatr. [Internet]. 2010 [citado em 13 dez 2019]; 68(2):228-30. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0004-282X2010000200014

Basilio ML, Faria-Fortini I, Magalhães LC, Assumpção FSN, Carvalho AC, Teixeira-Salmela LF. Cross-cultural validity of the brazilian version of the ABILHAND questionnaire for chronic stroke individuals, based on Rasch analysis. J Rehabil Med. [Internet]. 2016 [citado em 13 dez 2019]; 48(1):6-13. DOI: https://doi.org/10.2340/16501977-2044

Law M, Baptiste S, Carswell A, Mccoll MA, Polatajko H, Pollock N. Aplicação do teste e procedimentos de pontuação. Belo Horizonte: Editora UFMG; 2009. Medida canadense de desempenho ocupacional (COPM). p.22-23.

Conselho Nacional de Saúde (Brasil). Resolução Nº 466, de 12 de dezembro de 2012 [Internet]. D.O.U Brasília, 13 jun 2013 [citado em 13 dez 2019]; Seção 1. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cns/2013/res0466_12_12_2012.html

Conselho Nacional de Saúde (Brasil). Resolução Nº 510, de 7 de abril de 2016 [Internet]. D.O.U Brasília, 24 maio 2016 [citado em 13 dez 2019]; Seção 1. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cns/2016/res0510_07_04_2016.html

Bertoldi ALS, Israel VL, Ladewig I. O papel da atenção na fisioterapia

neurofuncional. Fisioter Pesqui. [Internet]. 2011 [citado em 13 dez 2019]; 18:195-200. Disponível em: https://www.scielo.br/j/fp/a/Q335FmbqQZTnmqXhfnyfPsP/?lang=pt

American Occupational Therapy Association. Estrutura da prática da Terapia Ocupacional: domínio & processo. Rev Ter Ocup. [Internet]. 2015 [citado em 13 dez 2019]; 26(Esp):1-49 . Disponível em: https://www.revistas.usp.br/rto/article/view/97496

World Health Organization. Marco para ação em educação interprofissional e prática colaborativa. Genebra: WHO; 2010 [citado em 03 fev 2021]. Disponível em: http://untref.edu.ar/uploads/Marco%20formacion%20interprofesional%20OMS-portugues.pdf

Ceccim, RB. Conexões e fronteiras da interprofissionalidade: forma e formação. Interface (Botucatu, Online) [Internet]. 2018 [citado em 03 fev 2021]; 22(Supl 2):1739-49. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1414-32832018000601739&script=sci_abstract

Publicado

2022-06-01