Unidades de terapia intensiva neonatal e pediátrica: apontamentos sobre a prática dos terapeutas ocupacionais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18554/refacs.v10i2.6205

Palavras-chave:

Unidades de terapia intensiva, Unidades de terapia intensiva neonatal, Unidades de terapia intensiva pediátrica, Terapia ocupacional

Resumo

Objetivo: caracterizar as práticas dos terapeutas ocupacionais em unidades de terapia intensiva neonatal e pediátrica. Método: estudo quanti-qualitativo, realizado em 2017, com coleta de dados através de questionário online com terapeutas ocupacionais que atuavam com cuidados intensivos. A interpretação foi realizada por meio de estatística descritiva simples e análise temática. Resultados: participaram 15 terapeutas ocupacionais, com pós-graduação; do sexo feminino; com idades entre 24 a 60 anos; com média de 28 anos; a média de tempo de trabalho em ambiente hospitalar e de terapia intensiva ultrapassou a quatro anos. Emergiram quatro categorias: Ações do Terapeuta Ocupacional em UTI; Recursos e técnicas utilizados pelo Terapeuta Ocupacional em UTI; Capacitação dos Terapeutas Ocupacionais para atuar em uma UTI; e Percepções do Terapeuta Ocupacional relacionadas a rotina da UTI e reconhecimento da equipe. As ações concentraram-se em intervenções físicas e cognitivas e orientação aos familiares e pacientes. Conclusão: É necessário ampliar e aprofundar os estudos sobre o trabalho desenvolvido por terapeutas ocupacionais nas unidades de terapia intensiva, visando a criação e o estabelecimento de indicadores que favoreçam a qualificação e consolidação profissional.

Referências

Ministério da Saúde (Brasil). Resolução nº 7, de 24 de fevereiro de 2010. Dispõe sobre os requisitos mínimos para funcionamento de Unidades de Terapia Intensiva e dá outras providências [Internet]. D.O.U., Brasília, 24 fev 2010 [citado em 10 set 2017]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/anvisa/2010/res0007_24_02_2010.html

Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional. Resolução COFFITO nº 371 de 06 de novembro de 2009. Dispõe sobre a alteração do artigo 1º (Reconhecer as seguintes especialidades do profissional terapeuta ocupacional) [Internet]. D.O.U., Brasília, 30 nov 2008 [citado em 10 set 2017]; Seção 1(228):852. Disponível em: https://www.coffito.gov.br/nsite/?p=3134

Barbosa FDS, Reis MCS. O papel da terapia ocupacional nas unidades de terapia intensiva – uma revisão de literatura. Revisbrato [Internet]. 2017 [citado em 14 abr 2018]; 1(2):221-39. Disponível em: https://revistas.ufrj.br/index.php/ribto/article/view/4753/pdf

Dittz ES, Rocha LLB. Terapia Ocupacional em Unidade de Terapia Intensiva Neonatal. In: de Carlo MRP, Kudo AM., organizadoras. Terapia Ocupacional em Contextos Hospitalares e Cuidados Paliativos. São Paulo: Editora Payá; 2018. p. 311- 328.

Franco MP, Kudo AK. Intervenção de Terapia Ocupacional em Unidade de Terapia Pediátrica. In: de Carlo MRP, Kudo AM., organizadoras. Terapia Ocupacional em Contextos Hospitalares e Cuidados Paliativos. São Paulo: Editora Payá; 2018. p. 329- 349.

Matsuo CM. Terapia Ocupacional e a produção de cuidado em uma unidade de cuidados intermediários neonatais no município de São Paulo. [tese]. São Paulo, SP: Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo; 2016. 213p.

Bombarda TB, Lanza AL, Santos CAV, Joaquim RHVT. Terapia ocupacional na unidade de terapia intensiva (UTI) adulto e as percepções da equipe. Cad Bras Ter Ocup. [Internet]. 2016 [citado em 14 abr 2018]; 24(4):827-35. DOI: https://doi.org/10.4322/0104-4931.ctoRE0861

Santos CAV. Desafios da Atuação da Terapia Ocupacional junto ao Paciente Crítico – UTI. In: Anais do I Congresso de Terapia Ocupacional em Contextos e Cuidados Paliativos, 2014, Ribeirão Preto. Ribeirão Preto: Revista da faculdade de Medicina de Ribeirão Preto. 2014. p. 27-28.

Santos CAV, De Carlo MMRPC. Hospital como campo de práticas: revisão integrativa da literatura e a terapia ocupacional. Cad Bras Ter Ocup. [Internet]. 2013 [citado em 14 abr 2018]; 21(1):99-107. DOI: http://dx.doi.org/10.4322/cto.2013.014

Galheigo SM. Terapia ocupacional, a produção do cuidado em saúde e o lugar do hospital: reflexões sobre a constituição de um campo de saber e prática. Rev Ter Ocup. [Internet]. 2008 [citado em 14 abr 2018]; 19(1):20-8. DOI: https://doi.org/10.11606/issn.2238-6149.v19i1p20-28

Mertens DM, Bazeley P, Bowleg L, Fielding N, Maxwell J, Molina-Azorin JF, et al. Expanding thinking through a kaleidoscopic look into the future: implications of the mixed methods international research association’s task force report on the future of mixed methods. J Mixed Methods Res. [Internet]. 2016 [citado em 14 abr 2018]; 10(3):221-7. DOI: https://doi.org/10.1177/1558689816649719

Freitas HMR, Moscarola J. Da observação à decisão: métodos de pesquisa e de análise quantitativa e qualitativa de dados. RAE-Eletrônica [Internet]. 2002 [citado em 14 abr 2018]; 1(1):1-30. Disponível em: https://www.scielo.br/j/raeel/a/nzhrSTzq6Tm4K6sbKx4Gcqs/?format=pdf&lang=pt

Minayo MCS, Sanches O. Quantitativo-qualitativo: oposição ou complementaridade? Cad Saúde Pública [Internet]. 1993 [citado em 14 abr 2018]; 9(3):239-62. Disponível em: https://www.scielo.br/j/csp/a/Bgpmz7T7cNv8K9Hg4J9fJDb/?format=pdf&lang=pt

Dittz ES, Melo DCC, Pinheiro ZMM. A terapia ocupacional no contexto da assistência à mãe e à família de recém-nascidos internados em unidade de terapia intensiva. Rev Ter Ocup. [Internet]. 2006 [citado em 14 abr 2018]; 17(1):42-7. DOI: https://doi.org/10.11606/issn.2238-6149.v17i1p42-47

Jamnadas B, Burns J, Paul S. Understanding occupational therapy: nursing and physician assistant students: knowledge about occupational therapy. Occup Ther Health Care [Internet]. 2009 [citado em 14 abr 2018]; 14(1):13-25. DOI: 10.1080/J003v14n01_02

Darawsheh WB. Awareness and Knowledge about occupational therapy in Jordan. Occup Ther Int. [Internet]. 2018 [citado em 14 abr 2018]; 1-9. DOI: https://doi.org/10.1155/2018/2493584

Cabral TI, da Silva LG, Martinez CM, Tudella ET. Analysis of sensory processing in preterm infants. Early Hum Dev. [Internet]. 2016 [citado em 14 abr 2018]; 103:77-81. DOI: 10.1016/j.earlhumdev.2016.06.010

Almohalla L, Guerra RMR. Identificação dos sinais neurocomportamentais de bebês pré-termo por profissionais que atuam na Unidade de Terapia Intensiva Neonatal (UTIN). Rev Ter Ocup. [Internet]. 2011 [citado em 14 abr 2018]; 22(2):117-26. DOI: https://doi.org/10.11606/issn.2238-6149.v22i2p117-126

Pelissari DC, Palhares, MS. O registro da intervenção no prontuário pelo terapeuta ocupacional em um ambulatório infanto-juvenil. Cad Bras Ter Ocup. [Internet]. 2015 [citado em 14 abr 2018]; 23(4):711-22. DOI: https://doi.org/10.4322/0104-4931.ctoAO0497

Olaoye OA, Emechete AAI, Onigbinde AT, Mbada CE. Awareness and knowledge of occupational therapy among Nigerian medical and health sciences undergraduates. Hong Kong J Occup Ther. [Internet]. 2016 [citado em 14 abr 2018]; 27:1-6. DOI: https://doi.org/10.1016/j.hkjot.2016.02.001

Publicado

2022-06-01

Edição

Seção

Artigos originais