Comparação da força de tronco, resistência abdominal e potência de membro superior e inferior de alunos de 5ª a 8ª série do ensino fundamental de escola pública e particular

Fernando Nazário de Rezende, Wesley Rodrigues da Costa, Thiago Montes Fidale, Guilherme Goulart de Agostini, Junara Paiva Marcacini, Rafael de Paula Lana, Moacir Marocolo-Júnior

Resumo


Objetivo: comparar a aptidão física de alunos de 5ª, 6ª, 7ª e 8ª série do ensino fundamental de escola pública e particular através de testes específicos (força de tronco, resistência abdominal e potência de membro superior e inferior). Métodos: Para obtenção dos resultados foram utilizados o teste de resistência abdominal, com o maior número de repetições por minuto, força de tronco, com a utilização de um dinamômetro, teste de força explosiva de membros superiores, com o arremesso de medicineball, força explosiva de membros inferiores, através do Salto vertical “contra-movimento”, com a utilização de um aparelho Jump Test. Resultados: Com a análise estatística dos dados obtidos nos testes estabelecida em (p<0,05), foi verificado que somente a 5ª e 6ª séries apresentaram resultados significantes nos testes de resistência abdominal (5ª p=0,007 e 6ª p=0,019), arremesso de medicineboll (5ª p=0,014), e salto vertical contra-movimento (6ª p=0,018), sendo os maiores valores obtidos pelos alunos da escola particular. Conclusão: Os resultados do presente estudo indicaram que a atividade física extra-escolar pode ter influenciado na diferença encontrada na comparação entre as duas escolas.

Palavras-chave


comparação, escola pública, escola particular, força, potência, resistência

Texto completo:

P.10-15

Referências


Ronque ERV, Cyrino ES, Dórea V, Serassuelo JH, Galdi EHG, Arruda M. al. Diagnóstico da aptidão física em escolares de alto nível socioeconômico: avaliação referenciada por critérios de saúde. Rev Bras Med Esporte. 2007;13(2):71-76.

Damsgaard R, Bencke J, Matthiesen G, Petersen JH, Muller J. Is prepubertal growth adversely affected by sport? Med. Sci. Sports Exerc. 2000;32(10):1698–1703.

Silva RCR, Malina RM. Nível de atividade física em adolescentes do Município de Niteroi. Rio de Janeiro, Brasil. Cad. Saúde Pública. 2000;16(4):1091-1097.

Darido SC. A educação física na escola e o processo de formação dos não praticantes de atividade física. Rev. bras. educ. fís. esporte. 2004;18(1):61-80.

Bordignon O, Olivoto R. Diagnóstico do nível de aptidão física em crianças escolares de ambos os sexos com idade cronológica entre 8 a 10 anos. Revista Digital. 2004;10.

Guedes DP, Guedes JEP. Crescimento, composição corporal e desempenho motor de crianças e adolescentes. São Paulo: CLR Balieiro; 1997.

Martins FOS. Avaliação das qualidades físicas de crianças através do Eurofit. Rio de Janeiro: Universidade Castelo Branco; 1998.

Albergaria MB. Análise do desempenho motor de crianças de 5 a 8 anos de escolas municipais e particulares do município do Rio de Janeiro. [Mestrado em Educação Física]. Rio de Janeiro(RJ): Universidade Gama Filho;1992.

Machado FA, Guglielmo LGA, Denadai BS. Velocidade de corrida associada ao consumo máximo de oxigênio em meninos de 10 a 15 anos. Rev Bras Med Esporte. 2002;8(1):231-237.

Oliveira AR, Lopes AG, Risso S. Elaboração de Programas de Treinamento de Força para Crianças. Semina: Ciências Biológicas e da Saúde. 2003;24:85-96.

Schneider P, Benetti G, Meyer F. Força muscular de atletas de voleibol de 9 a 18 anos através da dinamometria computadorizada. Rev Bras Med Esporte. 2004;10(2):85-91.

Gurjão ALD, Cyrino ES, Caldeira LFS, Nakamura FY, Oliveira AR, Salvador EP, et al. Variação de força muscular em testes repetitivos de 1- RM em crianças pré-púberes. Rev Bras Med Esporte. 2005;11(6):292-296.

Krebs RJ, Macedo FO. Desempenho da aptidão física de crianças e adolescentes. Revista Digital. 2005;10(85).

Nazario-de-Rezende, F. Estudo Eletromiográfico dos Músculos Deltóide (Porção Média), Peitoral Maior (Porção Clavicular) e Tríceps do Braço (Cabeça Longa) de Nadadores, Durante Contrações Unilaterais e Bilaterais em Exercício Multiarticular. [Trabalho de monografia]. Uberlândia (MG):UNITRI; 2004.

Marins JCB, Giannnichi RS. Avaliação e Prescrição de Atividade Física. Guia prático 3ª Edição. Rio de Janeiro: Shap; 2003.

Komi PV, Bosco C. Utilization of elastic energy in jumping and its relation to skeletal muscle fiber composition in man. In: Biomechanics VIA. E. Asmussen, K. Jorgensen, eds. Baltimore,MD: University Park Press, 1978. pp. 79–85.

Graner, E. A. Estatística. Ed. São Paulo: Melhoramentos; 1966.

Siegel, S. Estatística não-paramétrica, para as ciências do comportamento. Trad. Alfredo Alves de Farias. Ed. São Paulo: McGraw-Hill do Brasil; 1975.

Tourinho Filho H, Tourinho LSPR. Crianças, Adolescentes e Atividade Física: Aspectos Maturacionais e Funcionais. Rev. bras. educ. fís. esporte. 1998;12(1):71-84.

Lazzoli JK, Nóbrega ACL, Carvalho T, Oliveira MAB, Teixeira JAC, Leitão MB, et al. Atividade física e saúde na infância e adolescência. Rev Bras Med Esporte. 1998;4(4):107-9.

Malina, R.M. Physical activity and fitness of children and youth: questions and implications. Medicine, Exercise, Nutrition and Health 1995;4:123-35.

Machado H, Michelin A, Brum V, Campos V. Relação entre potência anaeróbia e aeróbia de meninos pré- puberes e púberes. Revista Digital. 2008;13(121).


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

 

Licença Creative Commons
Arquivos de Ciências do Esporte da Universidade Federal do Triângulo Mineiro está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.
Baseado no trabalho disponível em http://seer.uftm.edu.br/revistaeletronica/index.php/aces.
Podem estar disponíveis autorizações adicionais às concedidas no âmbito desta licença em http://seer.uftm.edu.br/revistaeletronica/index.php/aces.