QUALIDADE DE VIDA E ESTRESSE DE AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE DE UMA CIDADE DO INTERIOR DE MINAS GERAIS

Juliana Carrijo Jorge, Ana Luísa Nunes Marques, Renata Maciel Côrtes, Maria Beatriz Guimarães Ferreira, Vanderlei José Haas, Ana Lúcia de Assis Simões

Resumo


Objetivo: caracterizar o perfil sociodemográfico e profissional dos agentes comunitários de saúde, identificar o nível de estresse ocupacional e a qualidade de vida destes profissionais, correlacionando estresse ocupacional e qualidade de vida. Método: estudo seccional, com abordagem quantitativa, realizado com 244 agentes, do município de Uberaba-MG. Os dados foram coletados através de questionário sociodemográfico e profissional, Escala de Estresse no Trabalho e WHOQOL-BREF. Resultados: predominância de mulheres, adultos jovens e casados e presença de estresse moderado. Em relação à qualidade de vida, os domínios social e ambiental receberam melhor e pior escore médio, respectivamente. Houve relação inversamente proporcional, em todos os domínios, entre nível de estresse e qualidade de vida. Conclusão: a atenção deve ser dada aos fatores que perpassam a qualidade de vida destes profissionais e ao estresse ocupacional, evitando-se seu comprometimento e, possivelmente, a qualidade da assistência prestada à população.


Texto completo:

PDF

Referências


Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção Básica, Política Nacional de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde; 2006. [Série Pactos pela Saúde, v.4].

Ursine BL, Trelha CS, Nunes EFPA. O Agente Comunitário de Saúde na Estratégia de Saúde da Família: uma investigação das condições de trabalho e da qualidade de vida. Rev. Bras. Saude Ocup. 2010; 35(122):327-339.

Lino MM, Lanzoni GMM, Albuquerque GL, Schveitzer MC. Perfil socioeconômico, demográfico e de trabalho dos agentes comunitários de saúde. Cogitare Enferm. 2012; 17(1):57-64.

Camelo SHH, Angerami ELS. Riscos psicossociais relacionados ao trabalho das equipes de saúde da família: percepções dos profissionais. R Enferm UERJ 2007; 15(4):502-7.

Kluthcovsky ACGC, Takayanagui AMM, Santos CB, Kluthcovsky FA. Avaliação da qualidade de vida geral de agentes comunitários de saúde: a contribuição relativa das variáveis sociodemográficas e dos domínios da qualidade de vida. Rev. Psiquiatr. Rio Gd. Sul 2007; 29(2):176-83.

Maia LDG, Silva ND, Mendes PHC. Síndrome de Burnout em agentes comunitários de saúde: aspectos de sua formação e prática. Rev. Bras. Saude Ocup. 2011; 36 (123):93-102.

Kurogi MS. Qualidade de vida no trabalho e suas diversas abordagens. Rev. Cienc. Gerenc. 2008; 12(16):49-62.

Sadir MA, Bignotto MM, Lipp MEN. Stress e qualidade de vida: influência de algumas variáveis pessoais. Paidéia (Ribeirão Preto) 2010; 20 (45):73-81.

Paschoal T, Tamayo A. Validação da escala de estresse no trabalho. Estud. psicol. 2004; 9(1):45-52.

Fleck MPA, Louzada S, Xavier M, Chachamovich E, Vieira G, Santos L, Pinzon V. Aplicação da versão em português do instrumento abreviado de avaliação da qualidade de vida WHOQOL-bref. Rev Saúde Pública 2000; 34 (2):178-83.

Trindade LL, Lautert L. Síndrome de Burnout entre os trabalhadores da Estratégia de Saúde da Família. Rev Esc Enferm USP 2010; 44 (2):274-9.

Marqui ABT, Jahn AC, Resta DG, Colomé ICS, Rosa N, Zanon T. Caracterização das equipes de saúde da família e de seu processo de trabalho. Rev Esc Enferm USP 2010; 44(4):956-61.

Medeiros CS, Carvalho RN, Cavalcanti PB, Salvador AR. O processo de (Des)Construção da multiprofissionalidade na atenção básica: Limites e desafios a efetivação do trabalho em equipe na estratégia saúde da família em João Pessoal-PB. Rev. Bras. Cienc. Saude 2011; 15(3):319-28.

Ferraz L, Aerts DRGC. O cotidiano de agentes comunitários de saúde no PSF em Porto Alegre. Cienc. Saude Colet 2005; 10(2):347-355.

Pedraza AM, Beltran CA, Serrano MLP, Abundiz SV. Calidad de Vida Laboral en Trabajadores de la Salud, Tamaulipas, México. Ciencia & Trabajo 2010; 13(39):11-6.

Melo FAB, Goulart BF, Tavares DMS. Gerencia em saúde: a percepção de coordenadores da estratégia saúde da família, em Uberaba – MG. Cienc. cuid. saude. 2011; 10 (3):498-505.

Figueiredo IM, Neves DS, Montanari D, Camelo SHH. Qualidade de vida no trabalho: percepções dos agentes comunitários de equipes de saúde da família. R Enferm UERJ 2009; 17(2):262-67.

Faria HP, Werneck MAF, Santos MA, Teixeira PF. Processo de trabalho em saúde. Belo Horizonte: Nescon/UFMG, Coopmed; 2009.

Fernandes JS, Miranzi SSC, Iwamoto HH, Tavares DMS, Santos CB. A relação dos aspectos profissionais na qualidade de vida dos enfermeiros das equipes Saúde da Família. Rev. Esc Enferm USP 2012; 46(2):404-12.

Lourenço EAS, Bertani IF. Saúde do trabalhador no SUS: desafios e perspectivas frente à precarização do trabalho. Rev. Bras. Saude Ocup. 2007; 32 (115):121-34.




DOI: https://doi.org/10.18554/

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


URL da licença: https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0/