PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DAS VÍTIMAS DE ARMA BRANCA E DE FOGO EM UM HOSPITAL DE EMERGÊNCIA

Ruth França Cizino da Trindade, Michell Alencar Alves Correia

Resumo


Objetivo: estabelecer o perfil das vítimas e das agressões por projétil de arma de fogo e arma branca, internadas em um hospital público do estado de Alagoas. Método: trata-se de um estudo ecológico, retrospectivo, com dados coletados no Sistema de Arquivo Médico. Foram realizadas análises estatísticas descritivas. Resultados: entre janeiro e dezembro de 2011 foram internadas na área vermelha da Unidade de Emergência, 592 vítimas de agressão por arma branca e de fogo. Observou-se que o sexo masculino foi o mais acometido, com 90,4%; e predomínio de vítimas jovens, na faixa etária de 15 a 39 anos (83,5%). A maioria das internações aconteceu por arma de fogo (70,9%) e 16,4% das vítimas foram a óbito. Conclusão: Desta forma, observa-se que, a violência gera um impacto social e nas instituições de saúde, pois há necessidade de um cuidado especializado dos profissionais de saúde.


Texto completo:

PDF

Referências


Phebo L. Impacto da arma de fogo na saúde da população no Brasil. Viva Rio/Iser. 2007. Pág 15-19.

Waiselfisz JJ. Mapa de violência 2012: Os novos padrões da violência homicida no Brasil. Instituto Sangari. 1º Edição. São Paulo 2011.

IBGE. Indicadores de Sociodemográficos e de Saúde no Brasil. Rio de Janeiro. 2009.

Waiselfsz JJ. Mapa da violência 2013: Mortes Matadas por Armas de Fogo. Rio de Janeiro: CEBELA; FLACSO. 2013

Central LX. CID – 10: Classificação Internacional de Doenças. Última alteração 29 de Outubro de 2012.

Augusto A. Apostila Epi Info – Programa de Pós – Graduação em Saúde Coletiva. UFMA, 22 de Outubro de 2006. Pág1.

Nachif MCA. O homicídio como problema de saúde pública no município de Campo Grande, MS. Psicologia e Sociedade, Porto Alegre, v. 18, n. 2, p. 99-104, 2006.

Leites GTI, Meneghel SN, Hirakata VN. Homicídios femininos no Rio Grande do Sul, Brasil. Rev. bras. epidemiol. [p 18(2), 99-104 18(2), 99-104 eriódico na Internet]. 2014 Set [citado 2014 Dez 07]; 17(3): 642-653. Disponível em: http://www.scielo.br/

Guimarães JMX, Vasconcelos EE, Cunha RS, Melo RD, Pinto LF. Estudo epidemiológico da violência por arma branca no município de Porto Grande, Amapá. Ciênc. saúde coletiva. 2005 Apr [acesso em Junho 2015] ;10( 2 ): 441-451. 10.

Trindade FCT, Moura Costa FAM, Costa da Silva PPA, Caminiti GB, Santos CB. Mapa dos homicídios por arma de fogo: perfil das vítimas e das agressões. Rev. esc. enferm. USP. 2015, (no prelo)

Chalub Miguel, Telles Lisieux E de Borba. Álcool, drogas e crime. Rev. Bras. Psiquiatr. [Internet]. 2006 Oct [cited 2015June 08] ; 28( Suppl 2 ): s69-s73. Disponível em: http://www.scielo.br/

Costa FAMM, Trindade RFC, Santos CB. Deaths from homicides: a historical series. Rev. Latino-Am. Enfermagem [Internet]. 2014 Dec [acesso 2015 Apr 04] ; 22( 6 ): 1017-1025. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-11692014000601017&lng=en. Epub Dec 2014.

Waiselfsz JJ. Mortes matadas por arma de fogo no Brasil. UNESCO. Brasília, Junho de 2005.

Brasil. Departamento de informática do SUS. Ministério da Saúde - DATASUS. 2014. Disponível em www.datasus.gov.br

Sanches S. Caracterização das vítimas de ferimentos por arma de fogo, atendidas pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência em Campo Grande-MS. Saúde e Sociedade.vol.18. Nº.1.São Paulo Jan./Mar. 2009.




DOI: https://doi.org/10.18554/

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


URL da licença: https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0/