ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL QUALIFICADA: AS ATRIBUIÇÕES DO ENFERMEIRO

Lilian Donizete Pimenta Nogueira, Gabriela da Silva Oliveira

Resumo


A morte materna é um grande desafio à saúde pública brasileira; uma das principais formas de prevenção destas é o pré-natal, disponibilizado pela rede pública de saúde. Para que este ocorra com qualidade existem procedimentos básicos a serem realizados. Delineamos como objeto deste estudo as atribuições do enfermeiro no atendimento pré-natal, com destaque para a assistência qualificada e as competências essenciais para o exercício da obstetrícia dos profissionais de enfermagem. Trata-se de um levantamento bibliográfico. As bases consultadas foram MEDLINE, LILACS e SciELO, utilizando os descritores: pré-natal, mortalidade materna, competência profissional e enfermagem obstétrica. Verificamos que o papel do enfermeiro é de grande relevância no que diz respeito às ações voltadas ao pré-natal, pois sem ele, as consultas se restringem a um modelo biomédico. Neste contexto, faz-se necessário um acervo de profissionais qualificados e habilitados para realizar o pré-natal, e consequentemente reduzir os números de morte materna.


Texto completo:

PDF PDF ENGLISH

Referências


Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Manual dos comitês de mortalidade materna. 3a ed. Brasília (DF): Ministério da Saúde (BR); 2007.

Riquinho DL, Correia SG. Mortalidade materna: perfil sócio-demográfico e causal. Rev. bras. enferm. [Internet]. 2006 [acesso em 26 jan 2014]; 59(3): 303-307. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-71672006000300010&lng=en.

Santos APV, Coelho EAC, Rodrigues LSA, Paiva MS. Produção cientifica sobre mortalidade materna em periódicos de enfermagem. Rev. Baiana de enfermagem. 2010; 24(1): 81-86.

Dias-da-Costa JS, Cesar JA, Haag CB, Watte G, Vicenzi K, Schaefer R. Inadequacy of prenatal care in underprivileged parts of the Northeast of Brazil: prevalence and some associated factors. Rev Bras Saúde Matern Infant. 2013; 13:101-9.

Coimbra LC, Silva AAM, Mochel EG, Alves MTSSB, Ribeiro VS, Aragão VMF et al. Fatores associados à inadequação do uso da assistência pré-natal. Rev. Saúde Pública [Internet]. 2003 Ago [acesso em 26 jan 2014]; 37(4): 456-462. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-89102003000400010&lng=en.

Marques RG, Prado SRLA. Consulta de enfermagem no pré-natal. Rev Enferm UNISA 2004; 5: 33-6.

World Health Organization. Making pregnancy safer: the critical role of the skilled attendant: a joint statement by WHO, ICM and FIGO. Geneva: World Health Organization; 2004.

GIL AC. Como elaborar um projeto de pesquisa. São Paulo: Atlas; 2010. 200p.

Duarte SJH, Mamede MV. Estudo das competências essenciais na atenção pré-natal: ações da equipe de enfermagem em Cuiabá, MT. Enfermagem em Foco. 2012; 3(2): 75-80.

Narchi NZ. Atenção pré-natal por enfermeiros na Zona Leste da cidade de São Paulo, Brasil. Rev Esc Enferm USP 2010; 44(2):266-273.

Ministério da Saúde, Secretaria de Políticas de Saúde, Área Técnica de Saúde da Mulher. Pré-natal e puerpério: atenção qualificada e humanizada. Brasília (DF): Ministério da Saúde (BR); 2006.

Rios CTF, Vieira NFC. Ações educativas no pré-natal: reflexão sobre a consulta de enfermagem como um espaço para educação em saúde. Ciênc. saúde coletiva. 2007; 12(2): 477-486.

Silva JRM. A competência técnica das enfermeiras na assistência à Mulher no pré-natal no município do Rio de Janeiro [dissertação]. Rio de Janeiro: Escola de Enfermagem Anna Nery/UFRJ; 2011. 156p.

Riesco MLG, Tsunechiro MA. Formação profissional de obstetrizes e enfermeiras obstétricas: velhos problemas ou novas possibilidades? Rev Estudos Feministas. 2002; 10(2): 449-459.

Furllerton JT, Thompson JB. Examining the evidence for the International Confederation of Midwives' essential competencies for midwifery practice. Midwifery. 2005; 21(1): 2-13.

Barbosa TLA, Gomes LMX, Dias OV. O Pré-natal realizado pelo enfermeiro: A satisfação das gestantes. Cogitare Enferm. 2011; 16(1):29-35.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Cadernos de Atenção Básica, n° 32. Atenção ao pré-natal de baixo risco. Brasília; 2012.

Benigna MJC, Nascimento WG, Martins JL. Pré-natal no Programa de Saúde da Família (PSF) com a palavra, os enfermeiros. Cogitare Enferm.2004; 9(2): 23-31.

Cunha MA, Mamede MV, Dotto LMG, Mamede FV. Assistência pré-natal: competências essenciais desempenhadas por enfermeiros. Esc. Anna Nery [Internet]. 2009 [Acesso em: 10 Jan 2015]; 13(1): 145-153. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-81452009000100020&lng=en.

Rodrigues EM, Nascimento RG, Araújo A. Protocolo na assistência pré-natal: ações, facilidades e dificuldades dos enfermeiros da Estratégia de Saúde da Família. Rev. esc. enferm. USP [Internet]. 2011 [Acesso em: 10 Jan 2015]; 45(5): 1041-1047. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0080-62342011000500002&lng=en.




DOI: https://doi.org/10.18554/reas.v6i1.1538

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


URL da licença: https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0/