SITUAÇÕES DE VULNERABILIDADE PROGRAMÁTICA VIVENCIADAS POR GESTANTES NO PRÉ-NATAL

Anne Jacob de Souza Araújo, Jeane Freitas de Oliveira, Priscilla Nunes Porto

Resumo


Objetivo: Identificar situações de vulnerabilidade programática vivenciadas por gestantes no acompanhamento do pré-natal. Métodos: Realizaram-se entrevistas semiestruturadas com oito gestantes. Os dados foram analisados segundo a técnica Análise de Conteúdo. Resultados: A partir dos relatos das gestantes entrevistadas, depreende-se que estas vivenciam significativas situações de vulnerabilidade. Estão inseridas em um contexto socioeconômico desfavorável. O acompanhamento gestacional realiza-se exclusivamente no Sistema Único de Saúde, mediante de ações do Programa de pré-natal. Entretanto, o acesso a essas ações revela-se incipiente, o que é evidenciado pelos relatos de peregrinação em busca de uma unidade de saúde pública para o acompanhamento do pré-natal. Conclusão: As situações de vulnerabilidade programática identificadas revelam fragilidades no atendimento aos princípios de integralidade, regionalização e humanização da assistência a gestantes e apontam desafios para a qualificação da rede pública de saúde e das ações desenvolvidas no Sistema Único de Saúde. 

Palavras-chave: Saúde da mulher; gravidez; vulnerabilidade em saúde; enfermagem.

 


Texto completo:

PDF PDF ENGLISH

Referências


Ayres JRCM. Risco, vulnerabilidade e práticas de prevenção e promoção da saúde. In: Tratado de saúde coletiva. Campos GWS et al., org. Tratado de Saúde Coletiva. São Paulo: Hucitec, 2006; p. 375-417.

Takahashi RF. Marcadores de vulnerabilidade a infecção, adoecimento e morte por HIV e aids. [Tese de Doutorado]. São Paulo (SP): Escola de Enfermagem/USP; 2006.

Ayres JRCMl. O conceito de vulnerabilidade e as práticas de saúde: novas perspectivas e desafios. In: Promoção de Saúde: conceitos, reflexões, tendências. org. Czeresnia D. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2003; p.117-139.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Área Técnica de Saúde da Mulher. Pré-natal e Puerpério: atenção qualificada e humanizada – manual técnico/Ministério da Saúde. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2005.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Políticas de Saúde. Programa de Humanização no Pré-natal e Nascimento (PHPN). Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2000.

Ministério da Saúde (BR). Saúde da Família terá reforço de US$ 166,9 milhões [Internet]. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2009 [citado 2012 Ago 22]. Disponível em: http://portal.saude.gov.br/portal/aplicacoes/noticias/default.cfm?pg=dspDetalheNoticia&id_area=124&CO_NOTICIA=10524. Acesso em 12.01.2016.

Dias-da-Costa JS, Cesar JÁ, Haag CB, Watte G, Vicenzi K, Schaefer R. Inadequação do pré-natal em áreas pobres no Nordeste do Brasil: prevalência e alguns fatores associados. Rev. Bras. Saúde Matern. Infant. Recife, 2013;13 (2): 101-109.

Coutinho T, Teixeira MTB, Dain S, Sayd JD, Coutinho LM. Adequação do Processo de Assistência Pré-natal entre as Usuárias do Sistema Único de Saúde em Juiz de Fora-MG. RBGO. 2003; 25(10).

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção a Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Gestação de alto risco: manual técnico/Ministério da Saúde. Brasília (DF); 2010.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Atenção ao pré-natal de baixo risco. Brasília (DF); 2012.

Bardin L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011. 223p.

Ministério da Saúde (BR). Histórico da Cobertura de Saúde da Família. [Internet]. 2013. [acesso em 10.01.16]. Disponível em: http://dab.saude.gov.br/dab/historico_cobertura_sf/historico_cobertura_sf_relatorio.php

Tsunechiro M, Bonadio IC, Oliveira VMO. Acolhimento: fator diferencial no cuidado pré-natal. [Dissertação de Mestrado] “Um lugar no cuidado pré-natal: possibilidades e opções das gestantes”. São Paulo (SP): Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo; 2001.

Hass CN, Teiseira LB, Beghetto MG. Adequabilidade da assistência pré-natal em uma estratégia de saúde da família de Porto Alegre-RS. Rev Gaúcha Enferm. 2013;34(3): 22-30.

Ministério da Saúde (BR). Portaria n. 1.459, de 24 de junho de 2011. Institui, no âmbito do Sistema Único de Saúde - SUS, a Rede Cegonha [Internet]. Brasília; 2011 [acesso em 10.12.13]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt1459_24_06_2011.html

Moura ERF, Rodrigues MSP, Silva RM. Percepcões de enfermeiros e gestantes sobre a assistência pré-natal: uma análise á luz de king. Rev Cubana Enfermer [online]. 2003;19(3).

Bertone TB, Ribeiro APS, Guimarães J. Considerações sobre o Relacionamento Interpessoal Enfermeiro-Paciente. Rev Fafibe On Line. 2007; (3). [acesso em 12.12.13]. Disponível em: http://www.unifafibe.com.br/revistasonline/arquivos/revistafafibeonline/sumario/11/19042010141352.pdf

Saito E, Gualda DMR. O profissional de saúde frente à vivência da dor de parto pela mulher. Rev Técnico-científico de Enferm. 2003; Curitiba, 1(1): 31-36.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Política nacional de atenção integral à saúde da mulher: princípios e diretrizes. Brasília (DF): Ministério da Saúde, 2004.

Cabral FB, Hirt LM, Sand ICPVD. Atendimento pré-natal na ótica de puérperas: da medicalização à fragmentação do cuidado. Rev Esc Enferm USP. 2013; 47(2): 281-287.




DOI: https://doi.org/10.18554/reas.v6i2.2092

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


URL da licença: https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0/