PERFIL SOCIODEMOGRÁFICO, CAPACIDADE FUNCIONAL E QUALIDADE DE VIDA DE HOMENS IDOSOS RESIDENTES NA ZONA RURAL

Darlene Mara dos Santos Tavares, Ariana Barbosa Arduini, Flavia Aparecida Dias, Pollyana Cristina dos Santos Ferreira, Elimar Adriana de Oliveira

Resumo


Objetivou-se com este trabalho descrever as características sociodemográficas, a capacidade funcional e a qualidade de vida (QV) dos homens idosos residentes na zona rural. Trata-se de inquérito domiciliar, transversal, observacional e descritivo. Foram entrevistados 449 homens idosos no domicílio com instrumento estruturado. Os dados foram submetidos à análise descritiva. O maior percentual tinha entre 60├70 anos, morava com companheira em casa própria, possuía de 4├8 anos de estudo, renda de um salário mínimo, não apresentava incapacidades funcionais para realizar as atividades básicas e instrumentais da vida diária, assistia à TV e ouvia rádio como passatempo, estavam satisfeito com o lazer e era sedentário. O maior escore de QV foi no domínio relações sociais e na faceta morte e morrer, e os menores foram para o meio ambiente e participação social. Melhorias de infraestrutura, acesso aos serviços de saúde e ampliação da possibilidade de atividades sociais podem contribuir para melhoria da QV dos homens idosos.

Descritores: Saúde do homem; Idoso; População rural; Enfermagem geriátrica.

 


Texto completo:

PDF

Referências


Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Síntese de indicadores sociais uma análise das condições de vida da população brasileira. Rio de Janeiro; 2010. [Acesso em 05/12/2011] Disponível em http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/condicaodevida/indicadoresminimos/sinteseindicsociais2010/SIS_2010.pdf.

Martins CR, Albuquerque FJB, Gouveia CNNA, Rodrigues CFF, Neves MTS. Avaliação da qualidade de vida subjetiva dos idosos: uma comparação entre os residentes em cidades rurais e urbanas. Estud. interdiscip. envelhec. 2007; 11:135-154.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Sinopse dos resultados do Censo 2010. Rio de Janeiro; 2012. [Acesso em 07/02/2012] Disponível em: http://www.censo2010.ibge.gov.br/sinopse/webservice/default.php?cod1=0&cod2=&cod3=&frm=pr_hom_mul.

Travassos C, Viacava F. Acesso e uso de serviços de saúde em idosos residentes em áreas rurais. Cad. Saúde Pública. 2007; 23(10):2490-502.

Whoqol Group. The development of the World Health Organization Quality of Life Assessment Instrument (the WHOQOL). In: Orley J, Kuyken W. Quality of life assessment: international perspectives. Heidelberg: Springer Verlag; 1994. p. 41-60.

Rigo II, Paskulin LMG, Morais EP. Capacidade funcional de idosos de uma comunidade rural do Rio Grande do Sul. Rev Gaúcha Enferm. 2010; 31(2):254-61.

Thies VG, Peres E. Quando a escrita ressignifica a vida: diários de um agricultor: uma prática de escrita “masculina”. Rev. Bras. Educ. 2009; 14(41):216-31.

Santos KA, Koszuoski R, Dias da Costa JS, Pattussi MP. Fatores associados com a incapacidade funcional em idosos do Município de Guatambu, Santa Catarina, Brasil. Cad. Saúde Pública. 2007; 23(11):2781-88.

Arslantas D, Unsal A, Metintas S, Koc F, Arslantas A. Life quality and daily life activities of elderly people in rural areas, Eskisehir (Turkey). Archives of Gerontology and Geriatrics. 2009; 48(2):127-31.

Bertolucci PHF, Brucki SMD, Campacci SR, Juliano Y. O mini-exame do estado mental em uma população geral: impacto da escolaridade. Arquivo de Neuropsiquiatria. 1994; 52:1-7.

Ramos LR. Growing old in São Paulo, Brazil. Assessment of Health status and family support of the elderly of different socio-economic strata living in the community. [theses doctor]. England: London School of Hygiene and Tropical Medicine; 1987. 327 p.

Lino VTS, Pereira SEM, Camacho LAB, Ribeiro Filho ST, Buksman S. Adaptação transcultural da Escala de Independência em Atividades de Vida Diária (Escala de Katz). Cad Saúde Pública. 2008; 24(1):103-12.

Freitas EV, Miranda RD. Parâmetros clínicos do envelhecimento e Avaliação Geriátrica Ampla. In: Freitas EV, Py L, Neri AL, Cançado FAXC, Gorzoni ML, Doll J. Tratado de Geriatria e Gerontologia. Rio de Janeiro: Guanabara-Koogan; 2006. p. 900-9.

Fleck MPA, Louzada S, Xavier M, Chachamovich E, Vieira G, et al. Aplicação da versão em português do instrumento abreviado de avaliação da qualidade de vida “WHOQOL-bref”. Rev Saude Publica. 2000; 34(2):178-83.

Fleck MPA, Chachamovich E, Trentini CM. Desenvolvimento e validação da versão em Português do módulo WHOQOL-OLD. Rev. Saúde Pública. 2006; 40(5):785-91.

Alcântara LR. Idosos rurais: fatores que influenciam trajetórias e acesso a serviços de saúde no município de Santana da Boa Vista/RS [dissertação de mestrado]. Porto Alegre (RS): Escola de Enfermagem da Universidade Federal do Rio Grande do Sul/UFRS; 2009. 156 p.

Departamento Intersindical de Estatística e estudos Socioeconômicos (DIEESE) [Internet]. Salário mínimo nominal e necessário. [Acesso em 03/02/2012] Disponível em: http://www.dieese.org.br/rel/rac/salminMenu09-05.xml.

Del Duca GF, Silva MC, Hallal PC. Incapacidade funcional para atividades básicas e instrumentais da vida diária em idosos. Rev. Saúde Pública. 2009; 43(5):796-805.

Saliba NA, Moimaz SAS, Saliba O, Tiano AVP. Perda dentária em uma população rural e as metas estabelecidas pela Organização Mundial de Saúde. Ciência & Saúde Coletiva. 2010; 15 Supl. 1:1857-64.

Gutierrez BAO, Auricchio AM, Medina MVJ. Mensuração da qualidade de vida de idosos em centros de convivência. J Health Sci Inst. 2011; 29(3):186-90.




DOI: https://doi.org/10.18554/

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


URL da licença: https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0/