O “FENÔMENO CRACK” E SUAS CONSEQUÊNCIAS: UMA REFLEXÃO NECESSÁRIA PARA MUDANÇAS NAS PRÁTICAS ASSISTENCIAIS

Fernanda Matos Fernandes Castelo Branco, Ana Valéria Gomes Araújo, Bruna Oliveira Diniz, Charlene Dipaula da Costa Martins, Tancredo Castelo Branco Neto

Resumo


Objetivo: analisar o “fenômeno crack” e suas consequências na atualidade. Método: Trata-se de um ensaio teórico-reflexivo baseada em textos que versam sobre a temática investigada. Resultados: é possível constatar que os usuários estão mais expostos à situação de violência e de vulnerabilidade, aumentando os fatores de risco para a saúde do indivíduo e da população, portanto um problema de saúde pública, inclusive desafiando profissionais a compreenderem o perfil do usuário, em vista das dificuldades de manejo e abordagem do problema. Conclusão: é necessário que os programas de atendimento e as políticas desenvolvidas sejam mais embasadas nas evidencias cientificas já disponíveis sobre o tratamento das dependências químicas para serem mais efetivas, bem como refletir como o profissional de saúde pode ajudar na recuperação, prevenção e promoção da saúde. Busca-se a partir deste estudo uma ressignificação das práticas do cuidado em saúde, das condutas profissionais diante das pessoas usuárias de crack. 


Texto completo:

PDF PDF ENGLISH

Referências


Moreira FG, Silveira DX, Andreoli SB. Redução de danos do uso indevido de drogas no contexto da escola promotora de saúde. Ciênc. saúde coletiva [on-line]. 2006 set. [citado em 28 jul 2017]; 11(3): 807-816. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-81232006000300028&script=sci_abstract&tlng=pt

Kessler F, Pechansky F. Uma visão psiquiátrica sobre o fenômeno do crack na atualidade. Rev. psiquiatr. Rio Gd. Sul [on-line]. 2008 ago [citado em 30 ago 2017]; 30(2): 96-98. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rprs/v30n2/v30n2a03

Ribeiro LA, Sanchez ZM, Nappo AS. Estratégias desenvolvidas por usuários de crack para lidar com os riscos decorrentes do consumo da droga. J. bras. psiquiatr [on-line] 2010 [citado 28 de jul 2017]; 59(3): 210-218. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0047-20852010000300007&script=sci_abstract&tlng=pt

Neves ACL, Miasso AI. “Uma força que atrai”: o significado das drogas para usuários de uma ilha de Cabo Verde. Rev. Latino-Am. Enfermagem [on-line]. 2010 jun. [citado 12 de set 2017]; 18(spe): 589-597. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104-11692010000700015&script=sci_abstract&tlng=pt

Vargens RW, Cruz MS, Santos MA. Comparação entre usuários de crack e de outras drogas em serviço ambulatorial especializado de hospital universitário. Rev. Latino-Am. Enfermagem [on-line] 2011mai-jun [citado em 27 de jul 2017]; 19(spe): 804-812. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-11692011000700019

São Paulo. Secretaria Nacional Antidrogas. (2006). II Levantamento domiciliar sobre o uso de drogas psicotrópicas no Brasil: estudo envolvendo as 108 maiores cidades do país: 2005 / E. A. Carlini. (supervisão) [et. al.]. São Paulo: CEBRID - Centro Brasileiro de Informação sobre Drogas Psicotrópicas - UNIFESP - Universidade Federal de São Paulo. São Paulo; 2006.

Silva FJG, Monteiro CFS. Experiencia fenomenológica de la entrevista con consumidores de crack: un relato de experiencia Cultura de los cuidados [on-line]. 2012. [citado 10 de janeiro de 2018]; 16(3): 152-153. Disponível em: https://culturacuidados.ua.es/article/view/2012-n32-vivencia-da-entrevista-fenomenologica-com-usuarios-de-crack-um-relato-de-experiencia

Bastos FIPM, Bertoni N. Pesquisa Nacional sobre o uso de crack: quem são os usuários de crack e/ou similares do Brasil? Quantos são nas capitais brasileiras? Rio de Janeiro: ICICT: 2014

Sanchez ZV, Nappo AS. Sequência de drogas consumidas por usuários de crack e fatores interferente. Rev Saúde Pública [on-line].2002 [cited 20 nov 2017]: 36(4): 420-430. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0034-89102002000400007&script=sci_abstract&tlng=pt

Crack e exclusão social / organização, Jessé Souza. -- Brasília : Ministério da Justiça e Cidadania, Secretaria Nacional de Política sobre Drogas, 2016. 360 p.




DOI: https://doi.org/10.18554/reas.v7i2.3365

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


URL da licença: https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0/