COMPLETUDE DAS CADERNETAS DE GESTANTES: REALIDADE DA REGIÃO NOROESTE DO PARANÁ

Emilli Karine Marcomini, Ana Gabriela Fernande Frank, Natália Namie Mizuguchi, Adalberto Ramon Valderrama Gerbasi, Nanci Verginia Kuster de Paula

Resumo


Objetivo: Este estudo objetivou avaliar a completude do preenchimento das carteiras de gestante, verificando o preenchimento das informações por parte da equipe de saúde. Método: Trata-se de uma pesquisa de campo baseada em documentos de natureza quali-quantitativa, realizada em uma Maternidade do município de Umuarama-PR. Resultados: Realizou-se uma análise nos registros de perfil, antecedentes obstétricos, exame físico, consultas e exames. Os registros incompletos e/ou o não preenchimento das informações, demonstra que existem falhas na assistência oferecida e que o atendimento a gestante não está sendo integralizado. Conclusão: Evidencia-se que a carência de informações nas cadernetas de gestante interfere significativamente no desfecho final do processo gestacional e no resultado de toda assistência, sendo fundamental que os profissionais de saúde estejam em conhecimento da real situação para que possam melhorar a qualidade de atendimento ofertada.


Texto completo:

PDF PDF ENGLISH

Referências


- Pio DAM, Capel MS. Os significados do cuidado na gestação. Revista Psicologia e Saúde. 2015; 7 (1):74-81.

- Balsells MMD, Oliveira TMF, Bernardo EBR, Aquino PS, Damasceno AKC, Castro RCMB et al. Avaliação do processo na assistência pré-natal de gestantes com risco habitual. Acta Paul Enfermagem. 2018; 31 (3):247-254.

- Queiroz DJM, Oliveira KCA, Soares DB. Avaliação da assistência pré-natal: relevância dos exames laboratoriais. Revista Brasileira de Promoção em Saúde. 2015; 28 (4):504-512.

- Oliveira CCSS. Pré-natal: análise dos registros quanto à adequação dos conteúdos na caderneta da gestante de risco habitual. [Monografia]. Universidade Federal do Maranhão. São Luiz-MA; 2018.

- Souza IA, Serinolli MI, Novaretti MCZ, Souza DCC. Compatibilidade entre os dados do cartão da gestante e o sistema informatizado da web sisprenatal. Revista Prisma.com. 2016; 32: 127-147.

- Paraná. Secretaria do Estado da Saúde do Paraná. Linha Guia Rede Mãe Paranaense. Sexta edição, 2017.

- Aldrighi JD, Wall ML, Souza SRRK Vivência de mulheres na gestação em idade tardia. Revista Gaúcha Enfermagem. 2018; 39: 01-09.

- Ribeiro JP, Gomes GC, Silva BT, Cardoso LS, Silva PA, Strefling ISS. Participação do pai na gestação, parto e puerpério: refletindo as interfaces da assistência de enfermagem. Revista espaço para a saúde. 2015; 16 (03): 73-82.

-Ministério da Saúde (Brasil). Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. Departamento de Apoio à Gestão Participativa e ao Controle Social. Política Nacional de Saúde Integral da População Negra. 3ª edição. Brasília: 2017.

-Secretaria Municipal de Saúde (Londrina). Manual do cuidado no pré-natal e puerpério na atenção primária em Saúde. 2ª Edição. Londrina: 2016.

- Lima LFC, Davim RMB, Silva RAR, Costa DARS, Mendonça AEO. Importância do exame físico da gestante na consulta do enfermeiro. Revista enfermagem UFPE online. 2014; 8 (6):1502-9, jun.

- Lopes SGG. Exames no pré-natal: desenvolvimento de cartaz educativo para profissionais de saúde com ênfase na atenção à transmissão vertical de sífilis e HIV. [Monografia]. Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis: 2014.

- Ferreira H, Novelli IA, França AFO, Caldeira S, Silva RMM. Rotina de exames na atenção ao pré-natal após a implantação do programa rede mãe paranaense. Revista Enfermagem UFSM, v.7, n.4, p.685-699, out./dez. 2017.




DOI: https://doi.org/10.18554/reas.v8i2.3578

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


URL da licença: https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0/