Diagnóstico ambiental e morfometria da microbacia do Córrego Cocal, afluente do Rio Uberaba

Dinamar Márcia da Silva Vieira, Jose Luiz Rodrigues Torres, Simony Monteiro dos Santos

Resumo


As bacias hidrográficas integram uma visão geral de comportamento das condições naturais e atividades humanas nela envolvidas. O objetivo deste estudo foi elaborar o diagnóstico ambiental, avaliar os parâmetros morfométricos e a qualidade da água da microbacia do córrego Cocal, em Uberaba, MG. Visitou-se a área para aplicação de questionários sócio, econômico, tecnológico e ambiental, fez-se a medição de vazão e coletou-se água para avaliação da sua qualidade. Observou-se que  microbacia do córrego Cocal possui índice elevados de deterioração social, econômica, tecnológica e socioeconômica acima de 39%, enquanto que a ambiental (21%) é baixa para a região. Possui área total de 14,8 km2, perímetro de 16,5 km, o comprimento do canal principal de 6,2 km, desnível altimétrico de 123 m, rede de drenagem de 3ª ordem, coeficiente de compacidade (Kc) de 1,2, fator forma (Kf) de 0,36 e densidade de drenagem (Dd) de 1,12 km km-2, que indicam que a microbacia é pequena e possui tendência mediana a enchentes. O coeficiente de rugosidade (RN) de 11,93% indica que a microbacia tem aptidão para agricultura. Nas duas avaliações de vazão do córrego Cocal o volume de água da microbacia eram baixos (0,135 e 0,236m3/s) e água encontrava-se contaminada com coliformes totais e termotolerantes acima dos valores permitidos por lei. 


Palavras-chave


deterioração ambiental; análise morfométrica; vazão; qualidade da água

Texto completo:

PDF

Referências


ABDALA, V.L., Zoneamento Ambiental da Bacia do Alto Curso do Rio Uberaba-MG como Subsídio para a Gestão do Recurso Hídrico Superficial. 2005, 73 p. (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal de Uberlândia- UFU.

ABDALA, V.L. et al. Uso do solo e cobertura vegetal na bacia do alto curso do rio Uberaba, Triângulo Mineiro, sudeste do Brasil. Caminhos da Geografia, v.12, p.258-267, 2011.

ALCANTARA, E. H.; AMORIM, A. J. Análise morfométrica de uma bacia hidrográfica costeira: um estudo de caso. Uberlândia-MG, Caminhos da Geografia, v.7, n.14, p.70 – 77, 2005.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria n. 518, de 25 de março de 2004 , Brasília: Funasa, 2004.

BRASIL. Lei nº. 4.771, de 15 de setembro de 1965. Código Florestal, Brasília, 2005.

CARDOSO, C. A. et al. Caracterização morfométrica da bacia hidrográfica do rio Debossan, Nova Friburgo, RJ. Árvore, v.30, n.2, p.241-248, 2006.

CUNHA, M. R. et al. Análise morfométrica e diagnóstico ambiental da microbacia do córrego Limo em Uberaba – MG. Sociedade & Natureza, n. 26, pg. 31 -36, 2007.

EMBRAPA – Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Serviço Nacional de Levantamento e Conservação de Solos (Rio de Janeiro, RJ). Súmula 10, Reunião Técnica de Levantamento de Solos. Rio de Janeiro (EMBRAPA-SNLCS. Micelânea, 1), 83p., 1979.

EMBRAPA – Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Serviço Nacional de Levantamento e Conservação de Solos – Levantamento de reconhecimento de meia intensidade dos solos e avaliação da aptidão agrícola das terras do Triângulo Mineiro. Rio de Janeiro, 1982. 562p.

FELTRAN FILHO, A.; LIMA, E. F. Considerações morfométricas da bacia do rio Uberabinha – MG. Sociedade & Natureza, v.19, p.65-80, 2007.

FLORÊNCIO, B. A. B.; ASSUNÇÃO, W. L. Análise do uso e ocupação das terras da bacia hidrográfica do Ribeirão Borá-MG. Caminhos de Geografia, v.11, p.81–99, 2010.

FRANCO, E.S. et al. Diagnóstico socioeconômico e ambiental de uma microbacia no município de Boqueirão – PB. Revista Engenharia ambiental, Espírito Santo do Pinhal, v.2, n.1, p.100114, 2005.

LIMA, J.E.F.W.; SILVA, E.M. Recursos hídricos do Bioma Cerrado: importância e situação. In: SANO, S.M. (Org.). Cerrado: ecologia e flora. Brasília: Embrapa Informações Tecnológicas, 2008, p. 89-106.

MAURO, F. Vazão e qualidade da água em manancial degradado do cinturão verde de Ilha Solteira. 2003, 75 P. (Dissertação de Mestrado), São Paulo, UNESP-Ilha Solteira-SP 2003.

MELO, J. A .B. et al. Análise morfométrica da microbacia do Riacho do Tronco, Boa Vista-PB: uma ferramenta ao diagnóstico físico-conservacionista. Revista de Geografia, volume especial VIII SINAGEO, n. 3, p. 331-346, 2010.

NARDINI, R. C. et al. Análise morfométrica e simulação das áreas de preservação permanente de uma microbacia hidrográfica. Irriga, v. 18, n. 4, p. 687-699, 2013.

PEREIRA, T.; S. C., LIMA, Plano conservacionista para a bacia do córrego dos Bambus em Grupiara-MG. Caminhos da Geografia v.15, n.17, p.167-175, 2006.

PETERS, N.E.; M., MEYBECK, Water quality degradation effects on freshwater availability: impacts to human activities. Water International, v.25, n.2, p.214-21, 2000.

PISSARRA, T. C. T. et al. Avaliação de características morfométricas na relação solo-superfície da bacia hidrográfica do córrego rico, Jaboticabal (SP). Revista Brasileira de Ciência do Solo, v.28, n.2, p.297-305, 2004.

PISSARRA, T. C. T. et al. Análise morfométrica da microbacia hidrográfica do Córrego Rico, região nordeste do Estado de São Paulo. Revista Científica, v.34, n.2, p.170-177, 2006.

ROCHA, J. S. M.; S. M. J. M., KURTS, Manual de manejo integrado de bacias hidrográficas. 4ª ed. Santa Maria: UFSM/CCR, 2001. 120 p.

ROCHA, J. S. M.; S. M. J. M., KURTS, Curso de Manejo Integrado de

Bacias Hidrográficas: aplicações técnicas avançadas em diagnósticos físicos conservacionista, sócio-econômico, ambiental. Santa Maria: Universidade Federal de Santa Maria – UFSM, 2003.

RODRIGUES, F. M. et al. Caracterização morfométrica da microbacia hidrográfica do córrego da fazenda da Glória, município de Taguaritinga-SP. Irriga, v.13, n.3, p.310-322, 2008.

SANTOS, C. A.; SOBREIRA, F. G. Análise morfométrica como subsídio ao zoneamento territorial: o caso das bacias do Córrego Carioca, Córrego do Bação e Ribeirão Carioca na região do Alto Rio das Velhas-MG. Revista Escola de Minas, v.61, n.1, p.77-85, 2008

SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE (SEMEA). Diagnóstico Ambiental da Área de Proteção Ambiental (APA) do Rio Uberaba, 2004, 127 p.

SILVA, A. M. M.; SACOMANI, L. B. Using chemical and physical parameters to define the quality of Pardo River water (Botucatu – SP – Brazil). Water research, v. 35, n. 6, p. 1609 – 16, 2000.

SILVA, R. C. A. A.; ARAUJO, T. M. Qualidade da água do manancial

subterrâneo em áreas urbanas de Feira de Santana (BA). Ciência saúde coletiva, v. 8, n. 4, 2003.

STRAHLER, A .N. Hypsometric analysis of erosional topography. Geological Society. America Bulletin, v.63, n.11, p.1117 -1142, 1952.

TONELLO, K. C. et al. Morfometria da bacia hidrográfica da Cachoeira das Pombas, Guanhães-MG. Árvore, v.30, n.5, p.849-857, 2006.

TORRES, J. L. R. et al. Diagnósticos socioeconômico, ambiental e avaliação das características morfométricas da microbacia do córrego Alegria, em Uberaba-MG. Uberlândia-MG. Sociedade & Natureza, v.2, p. 89-102, 2007.

TORRES, J. L. R. et al. A deterioração da ambiência numa microbacia da área de Proteção ambiental do rio Uberaba. Revista Global Science and Technology, v.2, p.7-21, 2009.

TORRES, J. L. R. et al. Avaliação das características morfológicas e hidrológicas da microbacia do córrego Buracão, afluente do rio Uberaba. Revista Caminhos da Geografia, v.11, p.157-167, 2010.

TORRES, J. L. R. et al. Análise das características quantitativas e qualitativas da microbacia do Córrego Barreiro, afluente do rio Uberaba. Árvore, n.4, v.35, p.931-939, 2011.

TORRES, J. L. R.; VIEIRA, D.M.S. Análise socioeconômica, ambiental e morfológica da microbacia do córrego dos Pintos, afluente do rio Uberaba. Enciclopédia Biosfera, v.9, n.16, p.243-258, 2013.

VALLE JUNIOR, R.F.; PASSOS, A.O.; ABDALA, V.L.; RAMOS, T.G. Determinação das áreas de preservação permanente na bacia hidrográfica do rio Uberaba-MG, utilizando o sistema de informação geográfica (SIG). Revista Global Science and Technology, v.3, n.1, p.19-29, 2010.

VALLE JÚNIOR, R.F.; GUIDOLINI, J.F.; SIQUEIRA, H.E.; ABDALA, V.L.; MACHADO, M.F. Diagnóstico das áreas de preservação permanente na microbacia hidrográfica do córrego Lageado-Uberaba-MG. Enciclopédia Biosfera, v.8, n.15; p.662-271, 2012.

VIEIRA, D. M. S. et al. Avaliação quantitativa das características geomorfológicas das microbacias hidrográficas que compõem a área de proteção ambiental do rio Uberaba. Irriga, v.17, n.3, p.313-326, 2012.

VILLELA, S. M.; A., MATTOS, Hidrologia aplicada. São Paulo: McGraw-Hill do Brasil, 1975. 245p.

ZANATA, M. et al. Influência da escala na análise morfométrica de

microbacias hidrográficas. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v.15, p.1062–1067, 2011.




DOI: https://doi.org/10.18554/rbcti.v3i1.3102

Apontamentos

  • Não há apontamentos.