Avaliação morfométrica e vazão da microbacia do Córrego do Inhame, em Uberaba-MG

Dinamar Márcia da Silva Vieira, Jose Luiz Rodrigues Torres, Antonio Carlos Barreto

Resumo


O método da análise morfométrica tem sido utilizado para estudar as características das diversas formas de relevo de uma microbacia, do ponto de vista quantitativo, onde os parâmetros utilizados revelam indicadores físicos para determinado local. O objetivo deste estudo foi analisar os parâmetros morfométricos e determinar a vazão da microbacia do Córrego do Inhame, em Uberaba-MG. Foi feita a caracterização morfométrica da área e a medição da vazão do córrego entre os meses de outubro e novembro de 2007, que foi realizada sobre uma carta topográfica do IBGE (Folha Uberaba) na escala 1:100.000, utilizando o programa computacional Autocad 2010 para realização das medições. O comprimento do canal principal tem 3,83 km, é pouco ramificado e tem padrão dendrítico; O formato alongado e a declividade média baixa indicam que a microbacia é propensa a enchentes. Não foi possível medir a vazão, pois o Córrego do Inhame encontrava-se seco durante o período de amostragem.


Palavras-chave


Deterioração ambiental; morfometria; uso e ocupação do solo.

Texto completo:

PDF

Referências


ABDALA, V.L. et al. Uso do solo e cobertura vegetal na bacia do alto curso do rio Uberaba, Triângulo Mineiro, sudeste do Brasil. Caminhos da Geografia, v.12, p.258-267, 2011.

BARACUHY, J. G. V. et al. Deterioração físico-conservacionista da microbacia hidrográfica do riacho Paus Brancos, Campina Grande-PB. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v.7, p.159-164, 2003.

CARDOSO, C. A. et al. Caracterização morfométrica da bacia hidrográfica do rio Debossan, Nova Friburgo, RJ. Árvore, v.30, n.2, p.241-248, 2006.

CARELLI, L.; LOPES, P.P. Caracterização fisiográfica da bacia Olhos D’água em Feira de Santana/BA: geoprocessamento aplicado à análise ambiental. Boletim Goiano de Geografia, v.31, n.2, p. 43-54, 2011.

COUTINHO, L.M.; CECÍLIO, R.A.; XAVIER, A.C.; ZANETTI, S.D.; GARCIA, G.O. Caracterização morfométrica da bacia hidrográfica do rio da Prata, Castelo-ES. Irriga, v.16, n.4, p. 369-381, 2011.

EMBRAPA – Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Serviço Nacional de Levantamento e Conservação de Solos (Rio de Janeiro, RJ). Súmula 10, Reunião Técnica de Levantamento de Solos. Rio de Janeiro (EMBRAPA-SNLCS. Micelânea, 1), 83p., 1979.

EMBRAPA – Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Serviço Nacional de Levantamento e Conservação de Solos – Levantamento de reconhecimento de meia intensidade dos solos e avaliação da aptidão agrícola das terras do Triângulo Mineiro. Rio de Janeiro, 1982. 562p.

FELTRAN FILHO, A.; LIMA, E. F. Considerações morfométricas da bacia do rio Uberabinha – MG. Sociedade & Natureza, v.19, p.65-80, 2007.

FLORÊNCIO, B. A. B.; ASSUNÇÃO, W. L. Análise do uso e ocupação das terras da bacia hidrográfica do Ribeirão Borá-MG. Caminhos de Geografia, v.11, p.81–99, 2010.

LANA, C.E.; ALVES, J.M.P.; CASTRO, P.T.A. Análise morfométrica da bacia do rio do Tanque, MG-Brasil. Revista Escola de Minas, v.54, n.2, p.121-126, 2001.

MAURO, F. Vazão e qualidade da água em manancial degradado do cinturão verde de Ilha Solteira. 2003, 75 P. (Dissertação de Mestrado), São Paulo, UNESP-Ilha Solteira-SP 2003.

MELO, J. A .B. et al. Análise morfométrica da microbacia do Riacho do Tronco, Boa Vista-PB: uma ferramenta ao diagnóstico físico-conservacionista. Revista de Geografia, volume especial VIII SINAGEO, n. 3, p. 331-346, 2010.

NARDINI, R. C. et al. Análise morfométrica e simulação das áreas de preservação permanente de uma microbacia hidrográfica. Irriga, v. 18, n. 4, p. 687-699, 2013.

POLITANO, W.; PISSARRA, T.C.T. Relações entre características morfométricas quantitativas e estimativas da vazão em função da área em microbacias hidrográficas de 2ª ordem de magnitude. Engenharia Agrícola, v. 23, n. 1, p. 179-186, 2003.

ROCHA, J. S. M.; S. M. J. M., KURTS, Curso de Manejo Integrado de Bacias Hidrográficas: aplicações técnicas avançadas em diagnósticos físicos conservacionista, sócio-econômico, ambiental. Santa Maria: Universidade Federal de Santa Maria – UFSM, 2003.

ROCHA, J. S. M.; S. M. J. M., KURTS, Manual de manejo integrado de bacias hidrográficas. 4ª ed. Santa Maria: UFSM/CCR, 2001. 120 p.

RODRIGUES, F. M. et al. Caracterização morfométrica da microbacia hidrográfica do córrego da fazenda da Glória, município de Taguaritinga-SP. Irriga, v.13, n.3, p.310-322, 2008.

SANTOS, C. A.; SOBREIRA, F. G. Análise morfométrica como subsídio ao zoneamento territorial: o caso das bacias do Córrego Carioca, Córrego do Bação e Ribeirão Carioca na região do Alto Rio das Velhas-MG. Revista Escola de Minas, v.61, n.1, p.77-85, 2008

SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE (SEMEA). Diagnóstico Ambiental da Área de Proteção Ambiental (APA) do Rio Uberaba, 2004, 127 p.

TONELLO, K. C. et al. Morfometria da bacia hidrográfica da Cachoeira das Pombas, Guanhães-MG. Árvore, v.30, n.5, p.849-857, 2006.

TORRES, J. L. R. et al. Análise das características quantitativas e qualitativas da microbacia do Córrego Barreiro, afluente do rio Uberaba. Árvore, n.4, v.35, p.931-939, 2011.

TORRES, J. L. R. et al. Avaliação das características morfológicas e hidrológicas da microbacia do córrego Buracão, afluente do rio Uberaba. Revista Caminhos da Geografia, v.11, p.157-167, 2010.

TORRES, J. L. R.; VIEIRA, D.M.S. Análise socioeconômica, ambiental e morfológica da microbacia do córrego dos Pintos, afluente do rio Uberaba. Enciclopédia Biosfera, v.9, n.16, p.243-258, 2013.

VALLE JUNIOR, R.F.; PASSOS, A.O.; ABDALA, V.L.; RAMOS, T.G. Determinação das áreas de preservação permanente na bacia hidrográfica do rio Uberaba-MG, utilizando o sistema de informação geográfica (SIG). Revista Global Science and Technology, v.3, n.1, p.19-29, 2010.

VALLE JUNIOR, R. F.; SILVA, A. R.; ABDALA, V. L.; MONTES, M. G.; PEDROSO VAL, B. H. Diagnóstico das áreas de ocupação nas microbacias do Córrego da Mata e Córrego São Francisco, Campo Florido-MG, utilizando tecnologia SIG. Enciclopédia Biosfera, v.7, n.12, p.1-12, 2011.

VALLE JÚNIOR, R.F.; GUIDOLINI, J.F.; SIQUEIRA, H.E.; ABDALA, V.L.; MACHADO, M.F. Diagnóstico das áreas de preservação permanente na microbacia hidrográfica do córrego Lageado-Uberaba-MG. Enciclopédia Biosfera, v.8, n.15; p.662-271, 2012.

VIEIRA, D. M. S. et al. Avaliação quantitativa das características geomorfológicas das microbacias hidrográficas que compõem a área de proteção ambiental do rio Uberaba. Irriga, v.17, n.3, p.313-326, 2012.

VIEIRA, D. M. S. et al. Diagnóstico ambiental e morfometria da microbacia do Córrego Cocal, afluente do Rio Uberaba. Revista Brasileira de Ciência, Tecnologia e Informação, v.3, n.1, 2018.

VILLELA, S. M.; A., MATTOS, Hidrologia aplicada. São Paulo: McGraw-Hill do Brasil, 1975. 245p.

ZANATA, M. et al. Influência da escala na análise morfométrica de microbacias hidrográficas. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v.15, p.1062–1067, 2011.




DOI: https://doi.org/10.18554/rbcti.v3i2.3331

Apontamentos

  • Não há apontamentos.