Capacidade para o trabalho e qualidade de vida de trabalhadores atendidos na atenção primária

Fabiana Caetano Martins Dutra, Alline Alves de Sousa, Patrícia Maria Vieira, Edna Aparecida Carvalho Pacheco, Rosimár Alves Querino, Ailton de Souza Aragão

Resumo


O objetivo desta pesquisa foi avaliar a capacidade para o trabalho e a qualidade de vida de trabalhadores atendidos pela rede pública municipal de saúde de Uberaba-MG, e identificar possíveis associações entre capacidade para o trabalho, qualidade de vida e características sociodemográficas, econômicas e ocupacionais. Estudo transversal, envolvendo 111 trabalhadores avaliados com um questionário sobre características sociodemográficas, econômicas e ocupacionais; SF-36 para avaliação de qualidade de vida e do Índice de Capacidade para o Trabalho, no período de março a outubro de 2013. Para análise dos dados empregou-se estatística descritiva, teste Mann-Whitney e correlação de Spearman. A amostra foi composta em sua maioria por mulheres, com menos de 44 anos e ativas no trabalho. A capacidade para o trabalho apresentou associação significativa com idade, escolaridade, tempo de afastamento do trabalho, e com todos os domínios da qualidade de vida. Sugere-se ações de preservação da capacidade do indivíduo no trabalho e melhorias na qualidade de vida.


Palavras-chave


Qualidade de vida;Avaliação da capacidade de trabalho; Saúde do trabalhador

Referências


Bendassolli PF, Gondim SMG. Significados, sentidos e função psicológica do trabalho: Discutindo essa tríade conceitual e seus desafios metodológicos: explorando conceitos, variáveis e estudos empíricos brasileiros. AvPsicol Latinoam. 2014; 32(1):131-47.

Souza KR, Rodrigues AMS, Fernandez VS, Bonfatti RJ. A categoria saúde na perspectiva da saúde do trabalhador: ensaio sobre interações, resistências e práxis. Saúde Debate. 2017; 41(esp2):254-63.

Tuomi K, Ilmarinen J, Jahkola A, Katajarinne L, Tulkki A. Índice de capacidade para o trabalho. São Carlos: EduFSCar; 2005.

Costa CSN, Freitas EG, Mendonça LCS, Alem MER, Coury HJCG. Capacidade para o trabalho e qualidade de vida de trabalhadores industriais. Ciênc Saúde Colet. 2012; 17(6):1635-42.

Valinote HC, Pacheco LF, Viana FP, Formiga CKMR. Análise da qualidade de vida, capacidade para o trabalho e nível de estresse em trabalhadores da construção civil. Rev Bras Ciênc Ambient. 2014; (32):115-26.

Ciconelli RM, Ferraz MB, Santos W, Meinão I, Quaresma MR. Tradução para a língua portuguesa e validação do questionário genérico de avaliação de qualidade de vida SF-36 (Brasil SF-36). Rev Bras Reumatol. 1999;39(3):143-50.

Tavakoli-Fard N, Mortazavi SA, Kuhpayehzadeh J, Nojomi M. Quality of life, work ability and other important indicators of women's occupational health. Int J Occup Med Environ Health. 2016;29(1):77-84.

Biallas B, Froböse I, Zöller M, Wilke C. Analysis of workplace health promotion and its effect on work ability and health-related quality of life in a medium-sized business. Gesundheitswesen. 2015;77(5):357-61.

Mcdonald M, Dibonaventura MD, Ullman S. Musculoskeletal pain in the workforce: the effects of back, arthritis, and fibromyalgia pain on quality of life and work productivity. J Occup Environ Med. 2011; 53(7):765-70.

Martinez MC, Latorre MRDO, Fischer FM.Testando o modelo da casa da capacidade para o trabalho entre profissionais do setor hospitalar. Rev Bras Epidemiol. 2016;19(2): 403-18.

Sampaio RF, AugustoVG. Envelhecimento e trabalho: um desafio para a agenda da reabilitação. Rev Bras Fisioter. 2012;16(2):94-101.

Berg TIJ, Elders LAM, Zwart BCH, Burdorf A. The effects of work-related and individual factors on the work ability index: a systematic review. Occup Environ Med. 2009; 66(4):211-20.

Rothman MG, Ortendahl M, Rosenblad A, Johansson A. Improved quality of life, working ability, and patient satisfaction after a pretreatment multimodal assessment method in patients with mixed chronic muscular pain: a randomized-controlled study. Clin J Pain. 2013; 29(3):195-204.

Prefeitura Municipal de Uberaba. Plano Municipal de Saúde 2014-2017. Secretaria Municipal de Saúde - Assessoria de Planejamento em Saúde, 2014. 157p. [citado em: 10 jun 2016]. Disponível em:http://www.uberaba.mg.gov.br/portal/acervo/saude/arquivos/plano_municipal_saude.pdf

Stopa SR, Malta DC, Monteiro CN, Szwarcwald CL, Goldbaum M, Galvão Cesar CL. Acesso e uso de serviços de saúde pela população brasileira, Pesquisa Nacional de Saúde 2013.Rev Saúde Pública. 2017;51(Supl1):1s-11s.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa mensal de emprego: rendimento real habitual do trabalho principal [Internet]. Rio de Janeiro: IBGE; 2013 [citado em: 10 jun 2015]. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/indicadores/trabalhoerendimento/pme_nova/defaulttab_hist.shtm

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo 2010 [Internet]. Rio de Janeiro: IBGE; [2011-2015] [citado em: 10 jun 2015]. Disponível em: http://censo2010.ibge.gov.br/.

Dutra FCMS, Costa LC, Sampaio RF. A influência do afastamento do trabalho na percepção de saúde e qualidade de vida de indivíduos adultos. Fisioter Pesqui. 2016;23(1):98-104.

Poersch AL, Merlo ARC. Reabilitação profissional e retorno ao trabalho: uma aposta de intervenção. Psicol Soc. 2017;29(149496):1-10.

Queiroz DL, Souza JC. Qualidade de vida e capacidade para o trabalho de profissionais de enfermagem. Psicol inF. 2012; 16(16):103-26.

Milosevic M, Golubic R, Knezevic B, Golubic K, Bubas M, Mustajbegovic J. Work ability a major determinant of clinical nurses’ quality of life. J Clin Nurs. 2011; 20(19):2931-8.

Rostamabadi A, Zamanian Z, SedaghatZ. Factors associated with work ability index (WAI) among intensive care units’ (ICUs’) nurses. J Occup Health. 2017; 59:147-55.

Augusto VG, Sampaio RF, Ferreira FR, Kirkwood RN, Cesar CC. Factors associated with inadequate work ability among women in the clothing industry. Work. 2015; 50(2):275-83.

Santino TM, Tomaz AF, Lucena NMG. Influência da fadiga ocupacional na capacidade para o trabalho de professores universitários. Ciênc Trab. 2017;19(59):86-90.

Gould R, Ilmarinen J, Järvisalo J, Koskinen S, editors. Dimensions of work ability: results of the Health 2000 Survey. Finland: FIOH; 2008.

Magnago TSBS, Prochnow A, Urbanetto JS, Greco PBT, Beltrame M, Luz EMF. Relação entre capacidade par ao trabalho na enfermagem e distúrbios psíquicos menores. Texto& Contexto Enferm. 2015; 24(2),262-70.

Carvalho DB, Araújo TM, Bernardes KO. Transtornos mentais comuns em trabalhadores da Atenção Básica à Saúde. Rev Bras Saúde Ocup. 2016; 41(17):1-13

Magnago TSBS, Lima ACS, Prochnow A. Intensidade da dor musculoesquelética e a (in)capacidade para o trabalho na enfermagem. Rev Latinoam Enferm. 2012; 20(6):3-9.

Boschman JS, Noor A, Lundstrom R, Nilsson T, Sluiter JK, Hagberg M. Relationships between work-related factors and musculoskeletal health with current and future work ability among male workers. Int Arch Occup Environ Health. 2017; 90(6):517-26.

Alcântara MA, Sampaio RF, Assunção AA, Silva FCM. Work Ability: using structural equation modeling to assess the effects of aging, health and work on the population of Brazilian municipal employees. Work 2014; 49(3):465-72.

Prochnow A, Magnago TSBS, Urbanetto JS, Beck CLC, Lima SBS, Greco PBT. Capacidade para o trabalho na enfermagem: relação com demandas psicológicas e controle sobre o trabalho. Rev Latinoam Enferm. 2013; 21(6):1298-305.

Martinez MC, Latorre MRDO, Fischer FM. Testando o modelo da casa da capacidade para o trabalho entre profissionais do setor hospitalar. Rev Bras Epidemiol. 2016; 19(2):403-18.

Cordeiro TMSC, Araújo TM. Capacidade para o trabalho entre trabalhadores do Brasil. Rev Bras Med Trab. 2016; 14(3):262-274.

Pinheiro LRS, Monteiro JK. Refletindo sobre desemprego e agravos à saúde mental. Cad Psicol Soc Trab. 2007;10(2):35-45.

Petroski EC. Qualidade de vida no trabalho e suas relações com estresse, nível de atividade física e risco coronariano de professores universitários. [Tese]. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina; 2013.

Valério RBC, Dutra FCMS. Envejecimiento funcional y capacidad de trabajo entre los trabajadores atendidos en la atención primaria. Ciênc Trab. 2016;18(57):190-5.

Lillefjell M. Function and work ability following multidisciplinary habilitation for individuals with chronic musculoskeletal pain. [Thesis]. Norway: Faculty of Social Sciences and Technology Management; 2007.

Alcantara MA, Assuncão AA. Influência da organização do trabalho sobre a prevalência de transtornos mentais comuns dos agentes comunitários de saúde de Belo Horizonte. Rev BrasSaúde Ocup. 2016;41(e2).

Dellve L, Ahlstrom L, Jonsson A, Sandsjö L, Forsman M, Lindegård A, et al. Myofeedback training and intensive muscular strength training to decrease pain and improve work ability among female workers on long-term sick leave with neck pain: a randomized controlled trial. Int Arch Occup Environ Health. 2011; 84(3):335-46.

Schwartzman S, Castro C. Ensino, formação profissional e a questão da mão de obra. Ensaio: Aval Polít Públicas Educ. 2013; 21(80):563-624.




DOI: https://doi.org/10.18554/refacs.v6i0.3130

Apontamentos

  • Não há apontamentos.