Publicidade de alimentos: vende-se o quê?

Ana Carolina Aguiar Bloemer, Rosa Wanda Diez Garcia

Resumo


O objetivo deste estudo foi analisar os argumentos de persuasão da publicidade de alimentos, relacionadas à emoção e à praticidade, apresentadas em televisão brasileira. Trata-se de um estudo descritivo e exploratório com abordagem qualitativa em que analisou dez exemplos de comerciais que foram selecionados através do acompanhamento de dois canais aberto de por sete dias em períodos sorteados aleatoriamente, no ano de 2017. A análise mostrou que o discurso recorre a argumentos relacionados a solução de problemas da vida cotidiana, associando às demandas de sentimentos que têm na alimentação a oferta de afeto relacionado principalmente a papéis familiares. Os personagens principais são mulheres em contextos familiares ou em circunstâncias comuns da rotina, que expressam pressa ou automatismo das funções na tarefa de preparar a alimentação. O alimento é oferecido como solução para as preocupações da vida prática e das frustrações, induzindo o consumo pela promessa de solucionar problemas objetivos e subjetivos.


Palavras-chave


Emoções; Marketing; Publicidade de alimentos

Referências


Ghisletta P, Nesselroade JR, Featherman DL, Rowe JW. Structure and predictive power of intraindividual variability in health and activity measures. Swiss J Psychol. 2002; 61(2):73-83.

Congard A, Dauvier B, Antoine P, Gilles P-Y. Integrating personality, daily life events and emotion: role of anxiety and positive affect in emotion regulation dynamics. J Res Pers. 2011; 45(4):372-84.

Louzada MLD, Baraldi LG, Steele EM, Martins APB, Canella DS, Moubarac JC, et al. Consumption of ultra-processed foods and obesity in Brazilian adolescents and adults. Prev Med. 2015; 81:9-15.

Bezerra IN, Souza AM, Pereira RA, Sichieri R. Consumo de alimentos fora do domicílio no Brasil. Rev Saúde Publica. 2013; 47(supl1):200-11.

Moubarac JC, Martins APB, Claro RM, Levy RB, Cannon G, Monteiro CA. Consumption of ultra-processed foods and likely impact on human health. Evidence from Canada. Public Health Nutr. 2013; 16(12):2240-8.

Claro RM, Baraldi LG, Martins APB, Bandoni DH, Levy RB. Trends in spending on eating away from home in Brazil, 2002-2003 to 2008-2009. Cad Saúde Pública. 2014; 30(7):1418-26.

Zlatevska N, Dubelaar C, Holden SS. Sizing up the effect of portion size on consumption: a meta-analytic review. J Mark. 2014; 78(3):140-54.

Rolls BJ, Morris EL, Roe LS. Portion size of food affects energy intake in normal-weight and overweight men and women. Am J Clin Nutr. 2002; 76(6):1207-13.

Almiron-Roig E, Tsiountsioura M, Lewis HB, Wu J, Solis-Trapala I, Jebb SA. Large portion sizes increase bite size and eating rate in overweight women. Physiol Behav. 2015; 139:297-302.

Wansink B, Kim J. Bad popcorn in big buckets: portion size can influence intake as much as taste. J Nutr Educ Behav. 2005; 37(5):242-5.

Rolls BJ, Roe LS, Kral TVE, Meengs JS, Wall DE. Increasing the portion size of a packaged snack increases energy intake in men and women. Appetite. 2004; 42(1):63-9.

Kral TV, Rolls BJ. Energy density and portion size: their independent and combined effects on energy intake. Physiol Behav. 2004; 82(1):131-8.

Flood JE, Roe LS, Rolls BJ. The effect of increased beverage portion size on energy intake at a meal. J Am Diet Assoc. 2006; 106(12):1984-90.

Rolls BJ, Roe LS, Meengs JS. The effect of large portion sizes on energy intake is sustained for 11 days. Obesity. 2007; 15(6):1535-43.

Diez-Garcia RW. Reflexos da globalização na cultura alimentar : considerações sobre as mudanças na alimentação urbana. Rev Nutr. 2003; 16(4):483-92.

Braun V, Clarke V. Using thematic analysis in psychology. Qual Res Psychol. 2006; 3(2):77-101.

Van Strien T, Cebolla A, Etchemendy E, Gutierrez-Maldonado J, Ferrer-Garcia M, Botella C, et al. Emotional eating and food intake after sadness and joy. Appetite. 2013; 66(1):20-5.

Erlanson-Albertsson C. How palatable food disrupts appetite regulation. Basic Clin Pharmacol Toxicol. 2005; 97(2):61-73.

Raspopow K, Abizaid A, Matheson K, Anisman H. Anticipation of a psychosocial stressor differentially influences ghrelin, cortisol and food intake among emotional and non-emotional eaters. Appetite. 2014; 74:35-43.

Aguiar-Moreira AC, Diez-Garcia RW. Influência das emoções geradas por eventos de vida no consumo alimentar em mulheres. [dissertação]. Ribeirão Preto, SP: Universidade de São Paulo; 2014.

Burrowes P. Viagem ao território da publicidade. Comunicação, mídias e consumo; 2005; 3(2):205-19.

Marins BR, de Araujo IS, Jacob SD. Food advertising: advice or merely stimulation of consumption? Ciênc Saúde Colet. 2011; 16(9):3873-82.

Ministério da Saúde (Br). Vigitel Brasil: Vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2013. 136 p.

Monteiro CA, Levy RB, Claro RM, Ribeiro de Castro IR, Cannon G. Increasing consumption of ultra-processed foods and likely impact on human health: evidence from Brazil. Public Health Nutr. 2011; 14(1):5-13.

Levy RB, Claro RM, Mondini L, Schieri R, Monteiro CA. Distribuição regional e socioeconômica da disponibilidade domiciliar de alimentos no Brasil em 2008-2009. Rev Saúde Pública. 2012; 46(1):6-15.

Wansink B, Van Ittersum K, Painter JE. How descriptive food names bias sensory perceptions in restaurants. Food Qual Prefer. 2005; 16(5):393-400.

Costa, CS, Flores TR, Wendt A, Neves RG, Assunção MCF, Santos IF. Comportamento sedentário e consumo de alimentos ultraprocessados entre adolescentes brasileiros: Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar (PeNSE), 2015. Cad Saúde Pública. 2018; 34(3):e00021017.

Ministério da Saúde (Br). Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. Guia alimentar para a população brasileira. 2. ed. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2014. 156 p.

Ribeiro H, Jaime PC, Ventura D. Alimentação e sustentabilidade. Estud Av. 2017; 31(89):61-73.




DOI: https://doi.org/10.18554/refacs.v6i4.3285

Apontamentos

  • Não há apontamentos.