Benefícios de programas de condicionamento extremo para mulheres

Lucimara Ferreira Magalhães, Antônio Ribeiro Neto, Isabel Aparecida Porcatti de Walsh, Dernival Bertoncello

Resumo


Este é um estudo observacional de caráter transversal, realizado em 2019, com o objetivo de quantificar força, flexibilidade e a qualidade de vida de acordo com o tempo de prática no programa de condicionamento extremo. Participaram 23 mulheres, divididas em dois grupos, mulheres com prática menor que oito meses (G1 – 12 participantes) e mais que oito meses (G2 – 11 participantes). Mesmo não apontando diferenças significativas, é possível observar maior força escapular no G2 (20,94) em relação ao G1 (17,75) e maior força dos membros inferiores no G2 (84,12) em relação ao G1 (67,39). Houve uma redução significativa da flexibilidade para rotação de ombro (p=0,012), um discreto aumento na maioria dos domínios e no escore final da qualidade de vida. As mulheres podem se beneficiar com a prática de programa de condicionamento extremo tanto em curto quanto em longo prazos.


Palavras-chave


Saúde da mulher; Atividade motora; Força muscular; Qualidade de vida.

Referências


Organização Mundial de Saúde. Plano de ação global para a atividade física 2018-2020. 2018 [Internet]. [citado em 30 ago 2019]. Disponível em: https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/272721/WHO-NMH-PND-18.5-por.pdf

World Health Organization. Global recommendations on physical activity for health [Internet]. Geneva: World Health Organization; 2010 [citado em 06 fev 2020]. Disponível em: https://www.who.int/dietphysicalactivity/global-PA-recs-2010.pdf

Kohl HW, Craig CL, Lambert EV, Inoue S, Alkandari JR, Leetongin G, et al. The pandemic of physical inactivity: global action for public health. Lancet [Internet]. 2012 [citado em 06 fev 2020]; 380 (9838):294-305. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/22818941. DOI: 10.1016/S0140-6736(12)60898-8

Liu J-F, Chang W-Y, Chan K-H, Tsai W-Y, Lin C-L, Hsu M-C. Blood lipid peroxides and muscle damage increased following intensive resistance training of female weightlifters. Ann N Y Acad Sci. [Internet] 2005 [citado em 06 fev 2020]; 1042(1):255-61. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/15965070. DOI: 10.1196/annals.1338.029

Hanson S, Jones A. Is there evidence that walking groups have health benefits? A systematic review and meta-analysis. Br J Sports Med. [Internet]. 2015 [citado em 06 fev 2020]; 49(11):710-5. Disponível em: https://bjsm.bmj.com/content/49/11/710. DOI: http://dx.doi.org/10.1136/bjsports-2014-094157

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios: práticas de esporte e atividade física: 2015 [Internet]. Rio de Janeiro: IBGE; 2017 [citado em 20 ago 2019]. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv100364.pdf

Tallis J, James RS, Seebacher F. The effects of obesity on skeletal muscle contractile function. J Exp Biol. [Internet] 2018 [citado em 06 fev 2020]; 221(13):jeb163840. Disponível em: https://jeb.biologists.org/content/jexbio/221/13/jeb163840.full.pdf. DOI: 10.1242/jeb.163840

Baert V, Gorus E, Mets T, Bautmans I. Motivators and barriers for physical activity in older adults with osteoporosis. J Geriatr Phys Ther. [Internet]. 2015 [citado em 06 fev 2020]; 38(3):105-14. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/25594524. DOI: 10.1519/JPT.0000000000000035

Moreau D, Chou E. The acute effect of high-intensity exercise on executive function: a meta-analysis. Perspect Psychol Sci. [Internet] 2019 [citado em 06 fev 2020]; 14(5):734-64. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/31365839. DOI: 10.1177/1745691619850568

Glassman G. What is fitness? CrossFit J. [Internet]. Oct 2002 [citado 01 nov 2018]:1-11. Disponível em: http://library.crossfit.com/free/pdf/CFJ-trial.pdf

Hak PT, Hodzovic E, Hickey B. The nature and prevalence of injury during CrossFit training. J Strength Cond Res. [Internet]. 2013 [citado em 05 jan 2020]. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/24276294. DOI: 10.1519/JSC.0000000000000318

Tibana RA, Almeida LM, Prestes J. Crossfit® riscos ou benefícios? O que sabemos até o momento? Rev Bras Ciênc Mov. [Internet]. 2015[citado em 06 fev 2020]; 23(1):182-5. Disponível em: https://portalrevistas.ucb.br/index.php/RBCM/article/view/5698. DOI: http://dx.doi.org/10.18511/0103-1716/rbcm.v23n1p182-185

Hopkins BS, Cloney MB, Kesavabhotla K, Yamaguchi J, Smith ZA, Koski TR, et al. Impact of crossfit-related spinal injuries. Clin J Sport Med. [Internet]. 2017 [citado em 05 jan 2020]. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/29189338. DOI: 10.1097/JSM.0000000000000553

Keogh JWL, Winwood PW. The epidemiology of injuries across the weight-training sports. Sports Med. [Internet]. 2017 [citado em 06 fev 2020]; 47(3):479-501. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/27328853. DOI: 10.1007/s40279-016-0575-0

Tibana RA, Almeida LM, Sousa Neto IV, Sousa NMF, Almeida JA, Salles BF, et al. Extreme conditioning program induced acute hypotensive effects are independent of the exercise session intensity. Int J Exerc Sci. [Internet]. 2017 [citado em 06 fev 2020]; 10(8):1165-73. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/29399246

Wells KF, Dillon EK. The sit and reach: a test of back and leg flexibility. Res Q. [Internet] 1952 [citado em 06 fev 2020]; 23(1):115-8. DOI: https://doi.org/10.1080/10671188.1952.10761965

Soares AV, Carvalho Júnior JM, Fachini J, Domenech SC, Borges Júnior NG. Correlação entre os testes de dinamometria de preensão manual, escapular e lombar. Acta Bras Mov Hum. [Internet] 2012 [citado em 06 fev 2020]; 2(1):65-72. Disponível em: http://www.periodicos.ulbra.br/index.php/actabrasileira/article/view/2956

Moura DP, Tonon DR, Nascimento DF. Efeito agudo do treinamento de força sobre a flexibilidade de membros inferiores. Rev Bras Prescr Fisiol Exerc. [Internet] 2018 [citado em 06 fev 2020]; 12(72):96-100. Disponível em: http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/1350

Fleck MP, Louzada S, Xavier M, Chachamovich E, Vieira G, Santos L, et al. Aplicação da versão em português do instrumento abreviado de avaliação da qualidade de vida “WHOQOL-bref”. Rev Saúde Pública [Internet]. 2000 [citado em 06 fev 2020]; 34(2):178-83. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rsp/v34n2/1954.pdf

Silva PAB, Soares SM, Santos JFG, Silva LB. Cut-off point for WHOQOL-bref as a measure of quality of life of older adults. Rev Saúde Pública. [Internet] 2014 [citado em 06 fev 2020]; 48(3):390-7. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rsp/v48n3/0034-8910-rsp-48-3-0390.pdf. DOI:10.1590/S0034-8910.2014048004912

Fernandes AA, Marins JCB. Teste de força de preensão manual: análise metodológica e dados normativos em atletas. Fisiot Mov. [Internet]. 2011 [citado em 06 fev 2020]; 24(3):567-78. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/fm/v24n3/21.pdf

Gouveia VHO, Araújo AGF, Maciel SS, Ferreira JJA, Santos HH. Confiabilidade das medidas inter e intra-avaliadores com goniômetro universal e flexímetro. Fisioter Pesq. [Internet]. 2014 [citado em 06 fev 2020]; 21(3):229-35. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/fp/v21n3/pt_1809-2950-fp-21-03-00229.pdf. DOI: 10.590/1809-2950/52921032014

Silva IH, Silva Junior JM, Santos-de-Araújo AD, Gomes CAFP, Souza CS, Matias PHVAS, et al. Intra- and inter-reliability of fleximetry in individuals with chronic shoulder pain. Phys Ther Sport. [Internet]. 2018 [citado em 06 fev 2020]; 32:115-20. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/29778827. DOI: 10.1016/j.ptsp.2018.05.011

Cyrino ES, Oliveira AR, Leite JC, Porto DB, Dias RMR, Segantin AQ, et al. Comportamento da flexibilidade após 10 semanas de treinamento com pesos. Rev Bras Med Esporte [Internet]. 2004 [citado em 06 fev 2020]; 10(4):233-7. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbme/v10n4/22040.pdf

Santos E, Rhea MR, Simão R, Dias I, Salles BF, Novaes J, et al. Influence of moderately intense strength training on flexibility in sedentary young women. J Strength Cond Res. [Internet]. 2010 [citado em 06 fev 2020]; 24(11):3144-9. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/20940647. DOI: 10.1519/JSC.0b013e3181e38027

Monteiro WD, Simão R, Polito MD, Santana CA, Chaves RB, Bezerra E, et al. Influence of strength training on adult women’s flexibility. J Strength Cond Res. [Internet]. 2008 [citado em 06 fev 2020]; 22(3):672-7. Disponível em: https://journals.lww.com/nsca-jscr/fulltext/2008/05000/influence_of_strength_training_on_adult_women_s.4.aspx. DOI: 10.1519/JSC.0b013e31816a5d45

Reis Filho AD, Santini E, Neves T, Felt WCR, Felt CA. Análise do estado nutricional e da força de preensão palmar, lombar e escapular em mulheres de meia idade e idosas. Braz J Biomotr. [Internet] 2012 [citado em 06 fev 2020]; 6(4):245-53. Disponível em: https://www.redalyc.org/pdf/930/93025807003.pdf

Meereis ECW, Mota CB, Silva AD, Schmidt A. Força muscular de membros inferiores: uma revisão sistemática sobre métodos de avaliação utilizados na fisioterapia. Rev Bras Ciênc Saúde [Internet]. 2013 [citado em 06 fev 2020]; 17(4):401-6. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/rbcs/article/view/13793




DOI: https://doi.org/10.18554/refacs.v8i2.4336

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.