Concepções sobre estresse segundo alunos do ensino médio de uma cidade de pequeno porte

Caroline Francisca Eltink, Carolina Woetyla Batista Nunes

Resumo


As entrevistas foram transcritas e analisadas por meio da análise de conteúdo e estatística descritiva. Participaram 23 adolescentes, das quais a maioria dos alunos (n=21) se considera estressado, e boa parte é do sexo feminino. Construiu-se cinco categorias: Definição do conceito de estresse, Percepção do estresse e estratégias utilizadas para reduzir ou controlar o estresse, Contextos estressores: ambiente social, família e escola, Receios e expectativas em relação ao próprio futuro e, Cidade de grande porte x Cidade de pequeno porte. Verificou-se que o contexto estressor mais referido foi a escola. Os participantes referem que utilizam estratégias de enfrentamento, como: atividades relaxantes; controle de ações impulsivas; esportes e, sentem que elas são eficazes. Conclui-se que mesmo vivendo em cidades menores os adolescentes estão sujeitos a contextos estressores e apresentam conflitos semelhantes aos daqueles que vivem em cidades maiores.


Palavras-chave


Adolescente; Estresse psicológico; e Ensino fundamental.

Referências


Justo AP, Enumo SRF. Problemas emocionais e de comportamento na adolescência: o papel do estresse. Bol Acad PaulPsicol. [Internet]. 2015 [citado em 18 jul 2019]; 35(89):350-70. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-711X2015000200007

Schermann LB, Béria JU, Metello MHV, Arossi JG, Benchaya MC, Nádia Krubskaya Bisch NK, et al.Estresse em adolescentes: estudo com escolares de uma cidade do sul do Brasil. Aletheia [Internet]. 2014 [citado em 19 jul 2019]; 43-44:160-73. Disponível em: http://www.periodicos.ulbra.br/index.php/aletheia/article/view/3310/2439

Griffa MC. Chaves para a psicologia do desenvolvimento. 8ed. São Paulo: Paulinas; 2011. tomo 2, 348p.

Vygotsky LS. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes; 2008. 224p.

Ministério da Educação (Brasil). Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Educação é a Base [Internet]. Brasília, DF: MEC/CONSED/UNDIME; 2017 [citado em 26 ago 2019]. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf

Mizukami MG. Ensino: as abordagens do processo. São Paulo: EPU;2013. 136p.

Souza, BP. Orientação à queixa escolar. São Paulo: Casa do Psicólogo; 2007. 419p.

Collares CAL, Moyses MAA. Transformação do espaço pedagógico em espaço clínico (Apatologização da educação). Séries Ideias [Internet]. 1994 [citado em 26 ago 2019]; 23:25-31. Disponível em: http://www.crmariocovas.sp.gov.br/pdf/ideias_23_p025-031_c.pdf

Eltink CF. Desenvolvimento humano no contexto escolar. In: Benzoni, PE, organizador. Práticas psicossociais em saúde mental. Novo Hamburgo: Sinopsys; 2019. p.40-65.

Vigotski LS. Pensamento e linguagem. São Paulo: Ed. Martins Fontes; 1987. 212p.

Duarte N. A educação escolar e a teoria das esferas de objetivação do gênero humano. Perspectiva[Internet]. 1993 [citado em 26 ago 2019]; 11(19):67-80.DOI: https://doi.org/10.5007/%x

Lipp MEN, organizador. Stress em crianças e adolescentes. Campinas, SP: Papirus; 2014. 336p.

Padovani RC, NeufeldCB, Maltoni J,Barbosa LNF,Souza WF,CavalcantiHAF, et al. Vulnerabilidade e bem-estar psicológicos do estudante universitário. Rev Bras Ter Cogn.[Internet]. 2014 [citado em 19 jul 2019]; 10(1). DOI:http://dx.doi.org/10.5935/1808-5687.20140002

Dias JCR, Silva WR, Maroco J, Campos JADB. Escala de estresse percebido aplicada a estudantes universitárias: estudo de validação.Psychol, CommunHealth [Internet]. 2015 [citado em 19 jul 2019]; 4(1):1-13. Disponível em: https://repositorio.unesp.br/handle/11449/126011

Baqutayan S. Stress and coping mechanisms: a historical overview. MediterrJSocSci. [In-ternet]. 2015 [citado em 27 ago 2019]; 6(2): 479-88. DOI: https://doi.org/10.5901/mjss.2015.v6n2s1p479

Nodari NL, Flor SRA, Ribeiro AS, Hayasida NMA, Carvalho GJR. Estresse, conceitos, manifestações e avaliação em saúde: revisão de literatura. Saúde DesHum. [Internet]. 2014 [citado em 19 jul 2019]; 2(1):61-74. Disponível em: https://revistas.unilasalle.edu.br/index.php/saude_desenvolvimento/article/view/1543/1100

Mota NIF, Alves ERP, Leite GO, Sousa BSMA, Ferreira Filha MO, Dias MD. Estresse entre graduandos de enfermagem de uma universidade pública. SMAD, Rev Eletrônica Saúde Mental Álcool Drog. [Internet]. 2016 [citado em 19 jul 2019]; 12(3):163-70. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/smad/article/view/120787/117852

Kristensen CH, Leon JS, D’incao DB, Dell’aglio DD. Análise da frequência e do impacto de eventos estressores em uma amostra de adolescentes. Interação Psicol. [Internet]. 2004 [citado em 18 jul 2019]; 8(1): 45-55. Disponível em: http://revistas.ufpr.br/psicologia/article/view/3238

Peruzzo AS, Cattani BC, Guimarães ER, Boechat LC, Argimon IIL, Scarparo HBK. Estresse e vestibular como desencadeadores de somatizações em adolescentes e adultos jovens. PsicolArgum. [Internet]. 2008 [citado em 18 jul 2019]; 26(55):319-27. Disponível em: http://www2.pucpr.br/reol/pb/index.php/pa?dd1=2527&dd99=view&dd98=pb

Pires EAG, Duarte MFS, Pires MC, Souza GS. Hábitos de atividade física e o estresse em adolescentes de Florianópolis – SC, Brasil. Rev Bras Ciênc Mov. [Internet]. 2004 [citado em 19 jul 2019]; 12(1): 51-6. Disponível em: https://portalrevistas.ucb.br/index.php/RBCM/article/viewFile/542/566

Souza KR, Kerbauy MTM. Abordagem quanti-qualitativa: superação da dicotomia quanti-tativa-qualitativa na pesquisa em educação.Educ Filos. [Internet]. 2017 [citado em 20 set 2019]; 31(61):21-44. DOI: http://dx.doi.org/10.14393/REVEDFIL

Creswell JW. Projeto de pesquisa: métodos qualitativos, quan¬titativos e mistos. 2ed. Porto Alegre: Artmed; 2007.

Minayo MCS. O desafio do conhecimento-pesquisa qualitativa em saúde. 8ed. São Paulo: Hucitec; 2004. 408p.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Cidades [Internet]. Rio de Janeiro: IBGE; 2017 [citado em 20 set 2019]. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/

Faro A, Pereira ME. Estresse: revisão narrativa da evolução conceitual, perspectivas teóricas e metodológicas. PsicolSaúdeDoenças [Internet]. 2013 [citado em 30 ago 2019]; 14(1):78-100. Disponível em: http://www.scielo.mec.pt/pdf/psd/v14n1/v14n1a06.pdf

Gonzaga LRV, Silva AMB, Enumo SRF. Ansiedade de provas em estudantes do ensino médio. PsicolArgum. [Internet]. 2017 [citado em 30 ago 2019]; 34(84):76-88.DOI: http://dx.doi.org/10.7213/psicol.argum.34.084.AO07

Lima CP, Prado MBS, Souza BP. Orientação quanto à queixa escolar relativa a adolescentes: especificidades. Psicol Esc Educ. [Internet]. 2014 [citado em 30 ago 2019]; 18(1):67-75.DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-85572014000100007

Carneiro C, Coutinho LG. Infância e adolescência: como chegam as queixas escolares à saúde mental. EducRev. [Internet]. 2015 [citado em 30 ago 2019]; 56:181-92. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/er/n56/0101-4358-er-56-00181.pdf

Omar A, Silva Junior SHA, Paris L, Souza MA, Peña RP. Resiliência e enfrentamento do es-tresse em adolescentes: efeitos mediadores dos valores culturais. PsicolRev. (Belo Horizon-te) [Internet]. 2010. [citado em 30 ago 2019]; 16(3):448-68. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1677-11682010000300003&lng=pt&tlng=pt




DOI: https://doi.org/10.18554/refacs.v8i0.4668

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.