Comunicação verbal em língua portuguesa e inclusão escolar do adolescente com autismo

Eva Aparecida de Oliveira

Resumo


Estão reunidas atualmente sob a sigla de TEA (Transtorno do Espectro Autista) várias condições neurológicas cujas principais características são problemas de sociabilização e comunicação humanas. Objetivando ampliar os conhecimentos relativos à comunicação verbal, sua importância para a sociedade e os meios pelos quais possa ser adquirida pelo indivíduo independentemente de sua condição, esse trabalho procurou reunir, através do estudo bibliográfico, elementos que permitissem uma visão da importância da comunicação associada à linguagem verbal acessível ao adolescente autista. Ao falar da importância da inclusão escolar, o TEA foi selecionado justamente pela necessidade de adaptação comunicativa, evidenciando o quão se torna essencial o processo de formação continuada docente.


Palavras-chave


Língua Portuguesa no Ensino Médio; Comunicação Verbal; Autismo.

Texto completo:

PDF

Referências


BARROS, D. P. de. A comunicação humana. In: FIORIN, J. L. (Org.) Introdução à linguística. Objetos teóricos. 6ª ed. 3ª reimpressão. São Paulo: Contexto, 2014.

BRASIL. Lei nº 12.764, de 27 de dezembro de 2012. Institui a Política Nacional de Proteção dos Direitos da Pessoa com Transtorno do Espectro Autista. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12764.htm Acesso em: 12 de março de 2020.

BRASIL. Lei nº 13.146, de 6 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13146.htm Acesso em: 10 de março de 2020.

BRASIL, Ministério da Educação. Diretrizes nacionais para a educação especial na educação básica / Secretaria de Educação Especial –MEC; 2ª ed. SEESP, 2001. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/resolucao2.pdf Acesso em: 03 de julho de 2020.

CAMARGO, S. P. H. e Bosa, C. a. Competência social, inclusão escolar e autismo: revisão crítica da literatura. In: Psicologia & Sociedade; 21 (1): 2009, p. 65-74.

COSTA, Daniel da Silva. SCHIMIDT, Carlo. Plano Educacional Individualizado para estudantes com autismo: uma revisão conceitual. In: Cadernos de Educação. Pelotas: UFPel, n. 61, jan-junho de 2019, p. 102-128.

DEFENSE, Danielle Azarias. FERNANDES, Fernanda Dreux Miranda. Perfil funcional de comunicação e desempenho sócio-cognitivo de adolescentes autistas institucionalizados. In: Rev. CEFAC São Paulo, vol.13 no.6 Nov./Dec. 2011.

DOS SANTOS, L. de J. B. Planejamento da ação didática na educação especial: compreensões necessárias na elaboração do plano de AEE. Revista Ciências Humanas,. Taubaté/SP: Unitau, v. 12, n 1, edição 23, Jan. - Abr. de 2019, p. 98 – 113.

FIORIN, José Luiz. Linguagem humana: do mito à ciência. In: FORIN, José Luiz (ORG.) Linguística: o que é isso? São Paulo: Contexto, 2013, p. 13-43

GARCIA, Patrícia Mara Almeida, DINIZ, Rosimeire Ferreira, MARTINS, Morgana de Fátima Agostini. Inclusão escolar no ensino médio: desafios da prática docente. RIAEE–Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, v.11, n.esp.2, 2016. p.1000-1016.

GLAT, Rosana. VIANNA, Márcia Marin. REDIG, Annie Gomes. Plano Educacional Individualizado: uma estratégia a ser construída no processo de formação docente. Ciência Humana e Sociedade em Revista. Rio de Janeiro: EDUR, v. 34, n. 12, 2012. p. 79-100.

KRAWCZYK, Nora. Reflexão sobre alguns desafios do ensino médio no Brasil hoje. In: Cadernos de Pesquisa, v.41 n.144 set./dez. 2011, p. 752-769.

LARUCCIA, Mauro Maia. Da linguagem e comunicação à cultura e educação. In: Conhecimento Interativo. São José dos Pinhais/PR, v. 4, n. 2, p. 141-166, jan./jun. 2010.

MELLO, Ana Maria S. Ros de. Autismo: guia prático. 8 ed. São Paulo: AMA (associação de Amigos do Autista), 2016.

NEVES, Anderson Jonas das et al. Escolarização formal e dimensões curriculares para alunos com autismo: o estado da arte da produção acadêmica brasileira. In: Educação Rev. Belo Horizonte, vol.30 no.2, April/June 2014.

OLIVEIRA, Gabriela Coelho et. al. Considerações da aplicação do método PECS em indivíduos com TEA. Estudos. Goiânia: v. 42, n. 3, maio/jun. 2015, p. 303-314.

POKER, Rosimar Bortolini et al. Plano de desenvolvimento individual para o atendimento educacional especializado. São Paulo: Cultura Acadêmica; Marília: Oficina Universitária, 2013

SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA. Transtorno do Espectro do Autismo. In: Manual de Orientação Departamento Científico de Pediatria do Desenvolvimento e Comportamento. nº. 5. Rio de Janeiro: Departamento Científico de Pediatria do Desenvolvimento e Comportamento, abril de 2019.

VOLKMAR, F.; WIESNER, L. A. Autismo: guia essencial para a compreensão e o tratamento. Porto Alegre: Artmed, 2019. 356 p.

WALTER, Cátia. ALMEIDA, Maria Amélia. Avaliação de um programa de comunicação alternativa e ampliada para mães de adolescentes com autismo. In: Revista brasileira de Educação Especial. Marília, vol.16 no.3 Sept./Dec. 2010.




DOI: https://doi.org/10.18554/ifd.v7i3.4983

Apontamentos

  • Não há apontamentos.