A relevância da afetividade para a inclusão de alunos autistas na educação infantil

Alessandra Maria Rodrigues, Cláudia Terra do Nascimento Paz

Resumo


O presente trabalho é requisito para conclusão do curso de Pós-Graduação lato sensu em Educação Profissional e Tecnológica Inclusiva, ofertado pelo IFTM, e tem por objetivo identificar a relevância da afetividade no processo de ensino- aprendizagem do aluno autista, além de traçar estratégias para alcançar a excelência no processo educacional, tendo em vista o acesso à educação regular para alunos com necessidades especiais. Revisamos conceitos propostos por Henri Paul Hyacinthe Wallon e Lev Vygostsk, balizados por estudiosos como Dantas (1992), Cury (2003) e Almeida (1999), entre outros. Trata-se de uma pesquisa de natureza descritiva, utilizando como procedimento técnico para coleta de dados a revisão de literatura, de cunho bibliográfico. A interpretação das informações se deu por meio do cruzamento de teorias que abordam a inclusão e a afetividade, através da qual foi possível estabelecer uma relação entre a afetividade e a inclusão, em especial do aluno que apresenta o Transtorno do Espectro Autista. Os resultados apontaram que a afetividade tem papel de extrema relevância no processo de aprendizagem, uma vez que são as relações sociais (aluno-aluno, aluno-professor, aluno-escola) que vão determinar o bom desempenho dos alunos, inclusive, dentro das perspectivas do autismo, ultrapassando barreiras e realizando uma verdadeira inclusão na escola regular, oportunizando, assim, a aprendizagem.


Palavras-chave


Afetividade; Autismo; Aprendizagem; Inclusão.

Texto completo:

PDF

Referências


AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION (APA). DSM 5: Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais. 5ª Edição. Porto Alegre: Artmed, 2014.

ALMEIDA, A. R. S. Emoção na sala de aula. Campinas, SP: Papirus, 1999.

CABRAL, M. L.S. Autoestima no processo ensino-aprendizagem. Dissertação, 2006. João Pessoa-PB: Universidade Federal da Paraíba. Disponível em: . Acesso em: 04/07/2015.

COLL, C., PALACIOS, J. & MARCHESI, A. (organizadores). Desenvolvimento psicológico e educação: necessidades educativas especiais e aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artes Médicas, 1995.

CUNHA, E. Autismo na Escola: um jeito diferente de aprender, um jeito diferente de ensinar. Rio de Janeiro: Wak Editora, 2013.

CUNHA, E. Autismo e inclusão: psicopedagogia práticas educativas na escola e na família. 6ª ed. Rio de Janeiro: WAK Ed. 2015.

CURY, Augusto J. Pais brilhantes, professores fascinantes. Rio de Janeiro: Sextante, 2003

DANTAS, Heloysa. Afetividade e a construção do sujeito na psicogenética de Wallon. In LA TAILLE, Yves de. Piaget, Vygotsky, Wallon: teorias psicogenéticas em discussão. Yves de La Taille, Marta Kohl de Oliveira, Heloysa Dantas. São Paulo: Summus, 1992.

GIL, Antônio Carlos. Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. 6 ed. São Paulo: Atlas 2008.

GUARNIERI, M.R. O início na carreira docente: Pistas para o estudo do trabalho do professor. In: Anais da Anped, 1997.

NUNES, Vera. O papel das emoções na Educação. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2009.

VITALINO, C.R. Formação de Professores para inclusão de alunos com necessidades educacionais especiais. Londrina, PR: EDUEL, 2010.162p.

WILLIAMS, C. Convivendo com Autismo e Síndrome de Asperger: estratégias práticas para pais e profissionais. São Paulo: M. Books do Brasil Editora, 2008.




DOI: https://doi.org/10.18554/ifd.v7i3.4985

Apontamentos

  • Não há apontamentos.