Determinação da quantidade de óleo na água de escoamento superficial: simulação de evento pluviométrico e da poluição por óleo lubrificante

Autores

  • Rafael Carvalho da Cunha Universidade Federal do Triangulo Mineiro (UFTM)
  • Karla Santos de Araújo Universidade Federal do Triangulo Mineiro (UFTM)
  • Marquele Amorim Tonhela Universidade Federal do Triangulo Mineiro (UFTM) http://orcid.org/0000-0002-6132-1428
  • Geoffroy Roger Pointer Malpass Universidade Federal do Triangulo Mineiro (UFTM) http://orcid.org/0000-0002-0036-5750

DOI:

https://doi.org/10.18554/rbcti.v1i3.3637

Palavras-chave:

Gestão Ambiental, Modelo experimental, Óleo Lubrificante.

Resumo

Precipitações em áreas urbanas podem incidir sobre estacionamentos impermeabilizados contaminados com óleos lubrificantes, gerando efluente poluído, que legalmente deve ser tratado. Como as concentrações de óleos são decrescentes em relação ao intervalo de tempo, o artigo objetiva quantificar a concentração/carga poluente de óleo lubrificante na água, minuto de pico máximo, de relativa estabilização, efeito da limpeza química e mecânica. Para tal foi desenvolvido modelo físico experimental (superfície e escoamento) e teste de delineamento. As amostras foram analisadas através da metodologia padrão de extração Soxhlet, definindo a concentração por litro (mg L-1) e a carga poluente (mg min-1). Os resultados verificaram pico de concentração entre 3 e 4 minutos, estabilizando em 10 minutos, influência da vazão e eficiência de limpeza através da remoção química e mecânica. Os testes de campo e análises laboratoriais confirmam os objetivos quanto à investigação do modelo experimental e procedimentos, sendo adequados em estudo de escala reduzida, permitindo variações para situações específicas.

Referências

ABNT, Associação Brasileira de Normas Técnicas. 1989. NBR 10.844: Instalações prediais de águas pluviais: procedimentos. 1. ed. Rio de Janeiro: ABNT, p. 13.

ANNECCHINI, K. P. V. Aproveitamento da Água da Chuva Para Fins Não Potáveis na Cidade de Vitória (ES). Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2005.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 15.527: Aproveitamento de coberturas em áreas urbanas para fins não potáveis: requisitos. 2. ed. Rio de Janeiro, 2007, p. 12.

BRASIL. Lei Nº 9.433, de 8 de janeiro de 1997. Institui a Política Nacional de Recursos Hídricos, cria o Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos, regulamenta o inciso XIX do art. 21 da Constituição Federal, e altera o art. 1º da Lei nº 8.001, de 13 de março de 1990, que modificou a Lei nº 7.990, de 28 de dezembro de 1989. Diário Oficial da União, Brasília, DF. 8 jan. 1997. p. 13.

CONAMA , Conselho Nacional do Meio Ambiente. Resolução N° 430: Dispõe sobre as condições e padrões de lançamento de efluentes, complementa e altera a Resolução nº 357. Disponível em: <http://www.mma.gov.br/port/conama/legiabre.cfm?codlegi=646>. Acesso em: 25 jun. 2014.

DACACH, N.G. Saneamento Básico. 2. ed. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos, 1979.

ENVIRONMENTAL PROTECTION AGENCY, U.S. Standart Methods 5520: Oil and Grease,Washington, D.C: 2001.

FARESIN, A. E. Conservação de água em escolas com ênfase em aproveitamento de água de chuva: estudo de caso nas escolas da rede municipal de Erechim – RS. Dissertação (Mestrado) - Universidade de Passo Fundo, Passo Fundo, RS, 2008.

FERREIRA, D.C. et al. Molecular modeling study on the possible polymers formed during the electropolymerization of 3-hydroxyphenylacetic acid. Journal of Molecular Graphics Modelling, v. 29, n. 34, p.18-27, 2012.

FONSECA, J.A.; MEURER, E.J. Inibição da absorção de magnésio pelo potássio em plântulas de milho em solução nutritiva. Revista Brasileira de Ciência do Solo, v. 21, n.1, p. 47-50, 1997.

GEROLA, A. P. et al. Estudos quimiométricos da pheo formulada em Pluronics®: ação fotodinâmica sobre Artemia salina. Química Nova, v. 36, n. 1, p. 97-101, 2013.

LIMA, A. N. et al. Avaliação da qualidade de água da chuva para aplicação em usos não potáveis. In: 26º CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL, 2011, Porto Alegre, RS. Anais... Rio de Janeiro: ABES, 2011. CD-ROM.

LOPES, G. B. Estudo de Viabilidade Técnica do Aproveitamento de Água de Chuva para fins não potáveis na Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia (MG). Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, MG, 2012.

MAY, S. Estudo da viabilidade do aproveitamento de água de chuva para consumo não potável em edificações. Dissertação (Mestrado) – Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, 2004.

SANTOS, P. T. S. et al. Telhado verde: desempenho do sistema construtivo na redução do escoamento superficial. Ambiente Construido, v.13,n. 1, p.161–174, 2013.

SOUZA, L. O. C. et al. Avaliação de sistemas de irrigação por gotejamento, utilizados na cafeicultura. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v. 10, n. 31, p. 541– 548, 2006.

TOMAZ, P. Aproveitamento de Água de Chuva: aproveitamento de água de chuva para áreas urbanas e fins não potáveis. 2 ed. São Paulo: Navegar, 2005.

VIVACQUA, M. C. R.; SANTOS, S. R. Qualidade da Água do Escoamento Superficial Urbano – Revisão Visando o Uso Local. Dissertação (Mestrado). Departamento de Engenharia Hidráulica e Sanitária. Universidade de São Paulo. São Paulo, SP. 2005.

ZULAUF, W. E. O meio ambiente e o futuro. Estudos Avançados, v. 14, n. 39, p. 85–100, 2000.

Downloads

Publicado

2016-12-18

Como Citar

da Cunha, R. C., de Araújo, K. S., Tonhela, M. A., & Malpass, G. R. P. (2016). Determinação da quantidade de óleo na água de escoamento superficial: simulação de evento pluviométrico e da poluição por óleo lubrificante. Revista Brasileira De Ciência, Tecnologia E Inovação, 1(3), 57–65. https://doi.org/10.18554/rbcti.v1i3.3637

Edição

Seção

Artigos Originais