APLICABILIDADE DA TEORIA DE CALLISTA ROY NO CUIDADO DE ENFERMAGEM AO ESTOMIZADO

Ana Karine da Costa Monteiro, Cecília Passos Vaz da Costa, Moniki de Oliveira Barbosa Campos, Ana Karoline da Costa Monteiro

Resumo


Objetivo: refletir sobre a aplicabilidade da teoria da adaptação de Callista Roy no cuidado de enfermagem ao estomizado. Método: estudo teórico-reflexivo realizado nos meses de janeiro e fevereiro de 2016 que permitiu refletir sobre os cuidados de enfermagem ao estomizado e aplicabilidade da teoria de Roy no cuidado a esta clientela. Resultados e Discussão: o estomizado ao passar por alteração na sua integridade física decorrente do ato cirúrgico precisa adaptar-se a novos estímulos. O planejamento do cuidado de enfermagem, mediante o uso da Teoria de Roy, auxilia no processo de adaptação ao elaborar estratégias para o cuidado que abrangem ações desde o período pré-operatório até retorno dos indivíduos às suas atividades de vida diária e reinserção social. Conclusão: Portanto, acredita-se na aplicabilidade da teoria de Roy no cuidado de enfermagem ao estomizado, pois esta possibilita reconhecer que as pessoas, mediante estímulos, podem desencadear respostas, ora positivas ora negativas, e que cabe ao enfermeiro contribuir com os mecanismos de enfrentamento.

Texto completo:

PDF PDF ENGLISH

Referências


Roy C, Andrews HA. The Roy adaptation model. 3 ed. Stamford: Appleton e Lange; 2009.

Lopes MVO, Araújo TL, Rodrigues DP. A relação entre os modos adaptativos de ROY e a taxonomia de diagnósticos de enfermagem da NANDA. Rev Latino-Am Enfermagem. 1999;[ citado em 28 jan. 2015] 7 (4). Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-11691999000400013&lng=en&nrm=iso

George JB. Teorias de enfermagem: os fundamentos à prática profissional. 4. ed. Porto Alegre: Artes Médicas, 2000.

Santos, VLCG; Cesaretti, IUR. Assistência em estomaterapia: cuidando do ostomizado. São Paulo: Atheneu, 2005.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE OSTOMIZADOS (ABRASO). Situação de

estomizados no Brasil. Rio de Janeiro, 2007. Disponível em

http://www.abraso.org.br/estatistica_ostomizados.htm.Acesso em 06 ago. 2014.

Nascimento CMFS. A vivência da sexualidade pelo estomizado: um

estudo de enfermagem na abordagem fenomenológica. 2010. 90f. Dissertação

(Mestrado em Enfermagem). Universidade Federal do Piauí, Teresina, 2010.

Souza ML, Sartor VVB, Padilha MICS, Prado ML. O Cuidado em Enfermagem: uma aproximação teórica. Texto contexto - enferm. [serial on the Internet]. 2005 June [cited 2014 feb. 08] ; 14( 2 ): 266-270. Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-07072005000200015&lng=en. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-07072005000200015.

Delavechia RP, Terra MG, Noal HC, Padoin SMM, Lacchini AJB, Silva MEN. A percepção de si como ser-estomizado: um estudo fenomenológico. Rev. enferm. UERJ. 2010. abr/jun; 18(2):223-8.

Nascimento CMS; Trindade GLB; Luz, MHBA; Santiago RF. Vivência do paciente estomizado: uma contribuição para a assistência de enfermagem. Texto contexto enf. 2011; 20(3): 557-64.

Souza, NZ et al. O papel do enfermeiro no serviço de estomaterapia. In: Gomes, Giovana Calcagno; Xavier, Daiani, Modernel; Mota, Marina Soares ; Alvarez, Simone Quadros; Souza, Jociel Lima. II Jornada Internacional de Enfermagem Unifra. Rio Grande do Sul.p:1-6, 2012.

Martins PAF, Alvim NAT. Saberes e práticas de clientes estomizados sobre a manutenção da estomia de eliminação intestinal e urinária e sua pertinência no cuidado. Persp. Online: biol. & saúde. 2012; 6(2):54-69.

Monge RA, Avelar MCQ. A assistência de enfermagem aos pacientes com estomia intestinal: percepção dos enfermeiros. Online Brazilian Journal of Nursing. [Internet].2009; 8(1):45-52.

Ardigo FS, Amante LN. Conhecimento do Profissional acerca do Cuidado de Enfermagem à Pessoa com Estomia Intestinal e Família. Texto Contexto Enferm. 2013 Florianópolis, 2013; 22(4): 1064-71.

Caetano JA, Soares E. Mulheres mastectomizadas diante do processo de adaptação do self-físico e self-pessoal. Rev Enfermagem UERJ 2005; 13(2): 210-6.

García MLR, Cuevas JJ, Tinoco G. Nivel de adaptación de los pacientes oncológicos a la quimioterapia ambulatoria. I Encuentro Académico de la DES de Ciencias de la Salud. Memoria in extenso, Universidad Michoacana de Juan Nicolás de Hidalgo. Octubre de 2004. [cited 2016 jan. 05] [Sitio en internet]. Disponível em: http://dieumsnh.qfb.umich.mx/nivel.htm.

Tafolla G, Díaz R. Diabetes mellitus tipo 2: Auto-concepto, evolución y complicaciones. Desarrollo Científico de Enfermería 2005; 13(7): 207-10.




DOI: https://doi.org/10.18554/reas.v5i1.1625

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


URL da licença: https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0/